Marta Dillon: ‘Uma mulher morrer por aborto ilegal é feminicídio de Estado’

Criadora do movimento feminista ‘Ni Una Menos’ acredita na aprovação da legalização do aborto no Senado argentino e prepara-se para colher os frutos de décadas de militância.

Conquista argentina impulsiona discussão sobre aborto no Brasil

Atos pela legalização estão previstos para esta sexta-feira em pelo menos seis capitais; para Rede Feminista de Juristas o aborto já é legal, basta o país regulamentar os tratados internacionais que assinou.

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A