Testemunhas dizem que Lucas estava algemado e que pediu a PMs para não ser morto

30/05/15 por Claudia Belfort e Luís Adorno

Compartilhe este conteúdo:

Amigos de Lucas que estavam com ele minutos antes do crime contam que ele estava desarmado e que foi levado algemado por policiais para o matagal onde foi morto
grajau_enterro_lucas-4

O enterro do jovem foi realizado no Cemitério Jardim São Luiz| Foto: Rafael Bonifácio

Dois garotos que  jogavam bola com Lucas Custódio, 16 anos, minutos antes de ele ser assassinado por PMs na tarde de quarta-feira, no Grajaú, contradizem a versão dos policiais sobre o crime. João e Hélio (nomes fictícios) disseram que viram quando os policiais dominaram Lucas, que estava desarmado, e que o levaram algemado para o matagal atrás da favela Sucupira, onde foi assassinado com dois tiros pelos PMs. Segundo as testemunhas, Lucas pediu para não ser morto.

“Antes de matar ele, o cara segurou no cangote dele [de Lucas], ele falou para não matar ele e ele matou. Ele pegou ajoelhou, algemado, [disse] não precisa me matar, senhor….”, contaram os garotos. Eles fizeram a denúncia à reportagem da Ponte durante o enterro do jovem, realizado no Cemitério Jardim São Luiz, nesta sexta-feira, 29/05.

Na versão do tenente Flávio Augusto Godoy e do cabo Aparecido Domingues Vieira, ambos do 27o. Batalhão da Polícia Militar (BPM), ao perceber a presença de policiais, Lucas fugiu em direção a um matagal. Lá ele teria atirado contra os policiais, que revidaram, atingindo-o com dois tiros.

O caso aconteceu às 14h25, mas os PMs demoraram 5 horas para comunicar a morte às autoridades da Polícia Civil. A família de Lucas, chegou ao DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoa) antes mesmo dos policiais. Segundo, Robson Gomes, irmão de Lucas e pastor da Igreja Universal, os policiais acusaram o adolescente de ter roubado um carro. “Mas Lucas não sabia dirigir”, contou Pastor Robson.

Vídeo

O ouvidor das polícias de São Paulo, Julio Cesar Neves, disse que o fato precisa ser rigorosamente apurado e que vai pedir que o Ministério Público entre no caso.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>