// // // //

Túlio Custódio, sociólogo: ‘Mano Brown deveria estar na Academia Brasileira de Letras’

05/05/21 por Elisa Fontes

Compartilhe este conteúdo:

Pesquisador de subjetividades e trabalho no neoliberalismo, o doutorando em sociologia na USP comentou da paixão pelo rap como música e conhecimento no Papo de Rap, série de lives da Ponte

O convidado do Papo de Rap da última quarta-feira (29/04) conheceu a cultura hip hop para além das músicas. Túlio Custódio compartilhou suas vivências como sociólogo e amante do rap no sexto episódio da série de lives da Ponte comandada pelo editor Amauri Gonzo.

Formado em História e Ciências Sociais, Túlio atualmente é doutorando em sociologia na Universidade de São Paulo (USP), com a linha de pesquisa sobre subjetividade no neoliberalismo, e é sócio e curador de conhecimento na Inesplorato. O sociólogo é pesquisador sobre questões de raça, gênero, masculinidades e trabalho, além de assinar textos em veículos como HuffPost, Revista Galileu e Jacobin Brasil.

O rap esteve presente na vida de Túlio Custódio desde a adolescência, quando passava os dias ouvindo o programa Espaço Rap na 105 FM. A partir disso, a cultura hip hop entrou para sua perspectiva de mundo, em diferentes momentos diferentes da sua vida. “O rap foi no primeiro momento um contato com o mundo, porque eu vivia em Mogi das Cruzes, mesmo sendo num bairro que era tido como periférico, eu tinha uma situação muito restrita da minha vida”, contou o sociólogo. Na época, via os clipes de rap do Yo! MTV, ouvia o rádio, e andava de skate pela cidade descobrindo diversas realidades nas música e nas ruas.

Leia também: ‘A Liberdade Cantou’: Após 2 décadas, grupo que nasceu na cela 509-E do Carandiru lança música inédita

Nas idas e vindas que fazia de Mogi das Cruzes para a capital paulista durante a faculdade, escutava Facção Central, Ndee Naldinho e principalmente Racionais MC’s e RZO, grupos de rap nacionais que formaram sua identidade. Túlio diz que seu deslocamento para São Paulo, passando pela zona leste, fez ele se reconhecer na letra de O Trem do RZO. “É a primeira grande referência afetiva da minha conexão com o rap. Tinha um olhar ali que me remetia a ideias, a conexões e traços de realidade, um olhar para aquilo que estava fora de onde eu estava”, comenta.

Na época que cursou ciências sociais na USP, o rap se apresentou para o sociólogo como um leitor da realidade. Ao participar dos debates sobre questões da classe trabalhadora, percebeu o mundo ao seu redor nas referências das letras de artistas como Cassiano, Tim Maia e Mano Brown. Em um terceiro momento, Túlio passou meses estudando nos Estados Unidos sem deixar de ouvir o rap nacional. O “rap como conexão diaspórica”, como se refere ao período, fez o sociólogo analisar o que estava escrito nas entrelinhas das rimas.

Rap e masculinidade

Uma das linhas de pesquisa de Túlio, a masculinidade se refere ao comportamento e ao papel que o homem exerce socialmente. O sociólogo explica que essa discussão é muito atrelada ao capitalismo e, dentro da cultura hip hop, os rappers refletem nas suas letras, performances e estética as representações de masculinidade hegemônica presentes na nossa sociedade.

“Esse fazer-se homem nesses espaços, que é um espaço colado como denúncia, com olhar para a realidade, com a ideia de superação das condições de adversidades estruturais de racismo, segregação, questões de classe e sociais que essas pessoas estão colocadas, é um empoderamento do macho que é dono da verdade e da razão porque tem dinheiro.”

Leia também: Geógrafo carioca leva debate sobre masculinidades para fórum da ONU

Túlio cita Tupac Shakur, um dos maiores nomes do gênero na história, como exemplo do poderio financeiro exacerbado, fazendo chuva de dinheiro nos clipes. A estética da masculinidade no hip hop se reforçou na virada dos anos 90 para os 2000 e tem ligação direta com as questões raciais. “O capital durante o século XX organiza as relações de trabalho de maneira muito específica, no caso dos Estados Unidos, numa relação de estado de bem-estar social que o homem negro esteve apartado. O dinheiro se torna o lugar direto, claro e explícito da possibilidade de exercer poder”, comenta.

Segundo o sociólogo, o lugar de status e prestígio dos artistas, com a figura do cafetão e do traficante, os aproximam de um perfil empreendedor e de um discurso neoliberal. Esse estilo se reflete nas músicas, nos clipes e trejeitos de muitos rappers, e muda o discurso de identidade racial. “Não é possível a gente continuar nesse assunto se a gente não tocar na questão do capitalismo, se a gente não tocar na questão do sistema”, pontua.

Analisando rappers internacionais, o pesquisador percebe como o consumo e autoestima se misturaram nas performances dos artistas. “Esse é um discurso conectado com a masculinidade hegemônica patriarcal de um vencedor só, que é um dos problemas do projeto que se encontra com a racionalidade instrumental do capitalismo, o projeto de um vencedor”, comenta.

O olhar crítico no rap

No Brasil, o rap apresentou diversos artistas periféricos em ascensão desde o anos 90. Os Racionais MCs pautaram em suas letras diversas questões presentes na periferia, no dia a dia de pessoas negras e a violência de Estado.

Leia também: Exclusivo: Sabotage e MC Hariel se encontram na inédita ‘Monstro Invisível’

Apesar do retrato que a cultura hip hop brasileira apresenta da sociedade, ela ainda é pouco discutida dentro da academia. Segundo Túlio, isso acontece devido à pouca presença de pessoas negras nos espaços universitários e como pesquisadores. Os intelectuais negros estão produzindo em outros espaços, mas não são reconhecidos da mesma forma.

Mano Brown é um dos rappers que o sociólogo enxerga como intelectuais que não estão necessariamente na academia. “Eu super acho que ele deveria ser reconhecido nesses lugares e, ao mesmo tempo, eu penso em como é difícil a gente estabelecer outros lugares de reconhecimento para a produção que esses caras têm”, afirmou. Para ele, a valorização de artistas que trazem uma reflexão crítica ainda não é suficiente: “o lugar que ele [Mano Brown] deveria estar é com uma cadeira na Academia [Brasileira] de Letras, enquanto letrista”.

Apoie a Ponte!

Artistas que fazem sucesso atualmente, como Baco Exu do Blues, Emicida, Djonga e Kendrick Lamar, são as referências de Túlio como “instrumento de produção teórica da realidade”. Todos eles representam intelectuais, para o sociólogo, com a interpretação do que acontece nas ruas e nas relações da sociedade por meio da música, seja na letra ou na melodia.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>