x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Veja detalhes da investigação da polícia de SP sobre a chacina em Osasco e Barueri

08/10/15 por André Caramante

Compartilhe este conteúdo:

Documento do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), da Polícia Civil de SP, mostra parte da investigação sobre os atentados em série nas cidades de Osasco e Barueri, na Grande São Paulo, no mês de agosto

Aqui o documento sobre as mortes em série em Osasco e Barueri

Caramante

Detalhes sobre as mortes em série em Osasco e Barueri

O DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), da Polícia Civil de São Paulo, prendeu nesta quinta-feira (8/10) cinco policiais militares e um GCM (guarda civil municipal) suspeitos de terem participação na chacina de Osasco e Barueri, em 13 de agosto deste ano, que deixou 19 pessoas mortas.

São um 2º sargento, um 3º sargento, um soldado, dois cabos e  um guarda civil municipal da cidade de Barueri. Mais dois PMs que tiveram suas casas revistadas hoje pelo DHPP também foram presos. Eles são suspeitos de participação nas 19 mortes, mas foram presos em flagrante porque foram encontradas munições irregulares em suas residências.

Com isso, o total de presos pela operação do DHPP foi de sete PMs e um GCM. Também hoje, outros três PMs, todos suspeitos de envolvimento em uma chacina que matou quatro jovens na frente de uma pizzaria em Carapicuíba, vizinha a Osasco, também foram presos. Nenhum deles tem ligação com os crimes em Osasco e Barueri.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>