‘Venho todo fim de semana aqui na Paulista, por que hoje fui insultada?’

26/05/19 por Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

(*) Arthur Stabile, Daniel Arroyo e Sérgio Silva

Livreira Renata Baranauskas e o marido foram hostilizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que se manifestaram em SP, após passarem por cima de bandeira; ato no RJ cobra fim do extermínio da população negra

Casal caminha sobre bandeira em ato a favor de Jair Bolsonaro |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Quem esteve na Avenida Paulista, em São Paulo, se deparou com um domingo atípico. Desde 2017, a via fica fechada para veículos e é tomada por artistas, artesãos, esportistas e pessoas que curtem um tempo de lazer. É comum ver a apresentação de bandas, dançarinos e até pregações religiosas. Esse cenário comum do espaço contou neste domingo (26/5) com a participação de apoiadores das medidas impostas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Eles não estavam amistosos com quem pensasse diferente.

Ao menos três pessoas foram intimidadas pelos bolsonaristas por declararem repúdio ao governo ou vestirem camisas vermelhas. Essa segunda condição era a do casal de livreiros Renata Baranauskas, 48 anos, e Adriano Lima, 45, que caminharam sobre uma longa bandeira verde e amarela em meio aos manifestantes próxima à estação Brigadeiro do metrô. Os manifestantes entenderam o ato como uma provocação. Uma mulher abraçou o casal por trás com uma bandeira do Brasil na mão. Depois, esfregou no rosto de Renata.

Sequência da agressão a Renata Baranauskas |Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Sequência da agressão a Renata Baranauskas |Foto: Daniel Arroyo/Ponte
Sequência da agressão a Renata Baranauskas |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

“Venho todo fim de semana para a Paulista, por que hoje fui insultada? A mulher pegou a bandeira e socou na minha cara”, disse Renata, antes de explicar que não se organizaram para a “manifestação de resistência”, aconteceu naturalmente. “A Paulista livre é espaço para a liberdade de expressão. Todo cidadão tem liberdade, não é para um partido específico, isso ou aquilo”, explica. Ao esfregar a bandeira no rosto da livreira, a mulher dizia “cheira a bandeira”.

Enquanto falavam com a Ponte, os dois eram xingados por algumas pessoas que vestiam verde e amarelo. “Não tem que dar espaço para esses loucos, não”, dizia um homem. “Você queria atenção? Pronto, teve”, disse outro. Quando saíram, outro manifestante se aproximou e os parabenizou. “Vocês têm o direito de se manifestarem”, disse e, em seguida, deu um abraço em Renata, que retribuiu.

Manifestantes se abraçam na Av. Paulista |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Outra mulher contrária à manifestação teve de ser escoltada pela polícia quando bolsonaristas a cercaram próximo ao Vão do Masp, também na Avenida Paulista. Ela perguntou “Cadê o Queiroz?”, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, ambos investigados sob suspeita de lavagem de dinheiro, peculado e organização criminosa. No início, ela debateu com um homem, ambos falando alto, e quem estava passando começou a xingá-la e formar um bolo em torno da opositora. Eles gritavam “Vai para Cuba, petista, Lula está preso”, entre outras ofensas.

O grupo de pessoas que a cercava ficou maior e três policiais militares a levaram até o Conjunto Nacional, distante cerca de 200 metros dali, e a aconselharam a sair. A mulher pegou um táxi para ir embora e os militantes bolsonaristas chutaram a lataria e bateram nos vidros do automóvel até ele sair.

Apoio ao pacote anticrime

Os manifestantes convocaram a manifestações em 16 estados para declarar apoio às medidas que o governo Bolsonaro tenta impôr neste início de mandato. As quatro principais são o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro; a reforma da previdência; CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Lava Toga, para investigar juízes e o STF (Superior Tribunal Federal) e a MP (Medida Provisória) 870, que reduz o número de ministérios. Outros cobravam até o fechamento do Congresso.

Manifestante demonstra insatisfação com STF em protesto a favor de Jair Bolsonaro, na Av. Paulista |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

“Mesmo que tenhamos que derramar o nosso sangue, todos precisamos apoiar o bem comum, nosso país, a nossa nação”, discursou um manifestante em cima de um dos oito caminhões de som dispersos pela Paulista. Em frente ao Masp, o discurso era de que a “extrema imprensa tentava jogar o povo preto contra o branco, o hétero contra o homossexual, o homem contra a mulher”. “Mas nós conseguimos bloquear esse movimento diabólico”, disse outra manifestante. O grupo agradeceu apenas a Radio Jovem Pan e os canais SBT e Record por “declararem apoio à reforma da previdência”.

Os apoiadores de Jair Bolsonaro caminhavam tranquilamente pela avenida, repleta de ambulantes comercializando materiais ligados ao governo, como bandeira do Brasil, camisetas de Bolsonaro, contra o STF, pixuleco do ex-presidente Lula (PT), máscaras de Bolsonaro. Ainda era possível comprar bandeiras de Israel e máscaras do ator Fábio Assunção.

Avenida Paulista recebeu manifestação a favor de Jair Bolsonaro e demonstrações de hipnose gratuitas nesse domingo |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

“A luta não é contra o irmão, é contra o mal, contra a paralisia”, declarou um bolsonarista, em seguida fazendo uma previsão divina. “Bolsonaro não veio à toa com este nome de Messias. Precisamos enxergar as palavras. Sou enfermeira e advogada, sei que uma pessoa morre se perder dois litros de sangue. Ele, não. É a nossa mão e luta que vai junto com Jair”, profetizou.

Os trios revezavam discursos com músicas, entre jingles de campanha, músicas sertanejas e eletrônicas com o nome de Bolsonaro. Também tocava músicas de Cazuza, Legião Urbana e Tim Maia. Em um deles, Oscar Maronni, empresário dono da boate Bahamas, foi destacado logo após críticas à classe política. O exaltaram por oferecer cerveja a quem fosse ao clube caso o ex-presidente Lula fosse preso.

Manifestante posa para autorretrato em Manifestação a favor de Bolsonaro |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

“Temos que retirar esse lixo vermelho, Bolsonaro deu o sangue por nós. Ele não conseguiu governar porque os meios de comunicação não querem”, disse, antes de fazer uma revelação: “Eu tenho vergonha de falar que cheguei a ser comunista e petista na adolescência”. Em outro trio, o discurso endureceu. “Nosso país nunca esteve em uma guerra, agora nós estamos em uma”, definiu um homem, alegando que as eleições de 2014 “foram fraudadas”.

Favelas nas ruas

O Rio de Janeiro contou com outro ato além do promovido em apoio ao presidente Bolsonaro. Movimentos sociais organizaram o ato “Parem de nos matar”, na orla de Ipanema, zona sul da capital fluminense, como resposta para a violência de Estado, como os assassinatos do músico Evaldo Rosa e do catador Luciano Macedo, fuzilados pelo Exército.

Dez militares foram investigados pela ação que resultou nas duas execuções, com mais de 200 tiros disparados, com 80 deles atingindo o veículo em que Rosa estava com sua família em direção a um chá de bebê. Nesta semana, a Justiça militar decidiu soltar os nove militares que estavam presos – ficou constatado que um dos dez envolvidos não atirou.

“Viemos mostrar nossos corpos negros e pedir, inclusive, o apoio de toda a sociedade e da classe média progressista, porque todas as vidam importam”, disse a professora Bárbara Nascimento, do coletivo Favela no Feminino e Politilaje, em entrevista ao Brasil de Fato.

Neste ano, o Rio de Janeiro apresenta crescimento da letalidade policial sob o governo de Wilson Witzel (PSC), apoiador de Jair Bolsonaro e que entoa discurso belicista na segurança pública. A polícia é responsável por um a cada três homicídios registrados nos dois primeiros meses de 2019, com aumento de 67% nas MDIP (Mortes Decorrentes de Intervenção Policial) em comparação com o mesmo período de 2018: de 183 para 305.

“Realizamos este evento porque os moradores de favela não aguentam mais a violência do estado, um estado genocida que tem como principal objetivo exterminar a juventude negra”, explicou Marcelo Dias, dirigente nacional do MNU (Movimento Negro Unificado), em entrevista ao portal Alma Preta.

Manifestantes descansam enquanto acompanham discursos em carro de som na Av. paulista |Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: