A prova irrefutável de que o Brasil tolera o assassinato de pobres e negros. Veja e assuma

    Baseado na memória de sobreviventes da violência policial, o documentário À Queima Roupa, de Thereza Jessouron, parte da chacina de Vigário Geral e traz à tona a matança em nome da lei
    Chacina de Vigário Geral, em 1993, em foto do Jornal do Brasil
    Chacina de Vigário Geral, em 1993, em foto do Jornal do Brasil

    Ainda não consegui me esquecer do depoimento de Vera Lucia dos Santos no documentário À Queima Roupa, de Thereza Jessouron, que estreia na quinta-feira, 13/11, nos cinemas de São Paulo. Para falar a verdade, não vou me esquecer nunca mais. Vera está toda vestida de preto e sua figura tem a sobriedade das matriarcas evangélicas dos bairros pobres brasileiros. Ela tem uma mistura de negra e índia. Morava em Vigário Geral quando, em agosto de 1993, 21 moradores foram assassinados por policiais. Oito vítimas eram de sua família.

    Seu pai, sua mãe, 5 irmãos e a cunhada haviam acabado de chegar em casa depois do culto. Foram executados a sangue frio pelos policiais. Apenas 3 crianças de menos de 5 anos foram poupadas. Com seus pijaminhas de ursinhos e palhacinhos, eles vão pedir socorro na casa vizinha da tia. No filme, Vera conta como encontrou os corpos de seus parentes depois da chacina. A mãe estava com a bíblia na mão. O irmão morreu de joelhos, segurando os documentos que tentou mostrar para a polícia. Uma das irmãs iria se casar em dias. Outra, lançaria um CD evangélico. Teve os dedos quebrados pelos policiais a irmã que tentou defender os pais.
    Peço ao leitor, com todo o respeito, um esforço de abstração. Imagine uma vingança com tal crueldade praticada pela polícia contra moradores de Pinheiros, em São Paulo, do Leblon, no Rio, ou Stella Maris, em Salvador. Pais formados em universidades públicas, com seus filhos em colégios privados, todos brancos, 7 corpos estendidos na sala de jantar para saciar a vingança e o ódio dos policiais marginais. Não sejamos hipócritas. Isso seria inconcebível. É inimaginável. O Estado não toleraria as consequências.

    Só toleramos as cenas do documentário À Queima Roupa, que se repetem com absurda frequência no Brasil, porque as vítimas são negras e pobres das periferias brasileiras. Assista o documentário e assuma para si mesmo. É a prova irrefutável. Apenas um cínico ou mentiroso seria capaz de negar.

    Cena do documentário À queima roupa | Foto: dilvulgação
    Cena do documentário À queima roupa | Foto: Divulgação

    Ainda na cena de Vigário Geral, conforme Vera descreve detalhadamente a posição dos corpos de seus familiares, o documentário mostra as fotografias feitas na época pela perícia policial. A sobreposição de imagens e narrativa é um soco no estômago: por onde escorria o sangue da irmã, qual parte do irmão estava ferida, etc, as cenas ficaram intactas na memória de Vera. Também a maneira como estava o céu, o período da lua, as últimas palavras ditas ao pai. Vera foi condenada pelo sistema a carregar nos ombros por toda a vida uma cruz maciça que pesa toneladas. Só conseguiu aliviar o peso graças à grandeza de seu espírito, que perdoou os assassinos.

    As 21 pessoas foram assassinadas em Vigário Geral em vingança pela morte de 4 soldados que tinham sido executados por traficantes na noite anterior. Homens, mulheres e crianças foram mortos em Vigário Geral apenas por viverem no mesmo bairro onde o policial foi atacado. Na época, houve indignação. O Rio era governado por Leonel Brizola e Nilo Batista era o Secretário de Segurança. Ambos reagiram com firmeza.

    Só que os anos se passaram. E as vinganças e assassinatos aleatórios de pobres voltaram a ocorrer. Em janeiro de 2005, 30 pessoas foram assassinadas por policiais na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. No ano anterior, 5 adolescentes tinham sido mortos no Caju. Em 2007, subi o morro no Complexo do Alemão e testemunhei o dia seguinte da execução de 19 moradores locais. Casas de mulheres e idosos invadidas pela polícia para servir de trincheira. Rádios de carros roubados, comerciantes extorquidos, crimes rasteiros praticados contra os pobres do Alemão por policiais com carta branca da sociedade para matar.

    Cena do documentário À queima roupa | Foto: divulgação
    Cena do documentário À queima roupa | Foto: divulgação

    Em São Paulo, houve o Carandiru, em 1992, com 111 mortos. Mais recentemente, depois dos ataques do PCC em 2006, 493 pessoas morreram por disparos de arma de fogo no começo de maio. Trabalhadores, pegos no meio das ruas de bairros pobres. Policiais jogando roleta russa com o destino para assassinar aqueles que por infelicidade estavam nas ruas das periferias. As Mães de Maio são o resultado da mobilização contra essa covardia, que continua se repetindo.

    Assistir ao filme foi especialmente cruel porque no dia anterior 9 pessoas haviam sido assassinadas em bairros pobres do Belém do Pará.

    À Queima Roupa deveria ser debatido em todas as faculdades de direito e academias de polícia do Brasil. Nossos promotores, policiais e juízes estão sendo formados em uma bolha de plástico. Precisamos conversar com eles sobre a realidade das chagas brasileiras.

    Veja abaixo o trailer do filme:

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas