Ação busca lembrar vítimas do coronavírus e alerta para subnotificação

03/05/20 por Caio Castor e Pedro Ribeiro Nogueira

Compartilhe este conteúdo:

Iniciativa reúne 60 organizações com objetivo de buscar justiça e exaltar memória dos mortos com projeções semanais pelo país

“Como a vida é linda!”, dizia Roseli Aparecida Bonaldo de Souza, de 73 anos, ao ver a sobrinha. O nome dela é seguido de uma breve descrição. Na sequência alguns casos outros com foto. É a imagem de Roseli e de outras entre as 6.761 vítimas do coronavírus no Brasil.

As imagens estamparão paredes e empenas de prédios, via projeção, em diversas cidades do Brasil na noite deste domingo (3/5). A partir das 20h, a iniciativa, que parte do Memorial de Vítimas Fatais de Covid-19, organizada pela Rede de Apoio Às Famílias de Vítimas Fatais de Covid-19, busca justiça e exaltar a memória dos mortos.

O coletivo congrega mais de 60 organizações civis e movimentos sociais e pretende realizar a ação semanalmente, sempre aos domingos. 

A ação será realizada em parceria com a plataforma Segura a Onda – Brasil Contra a Covid-19 e o coletivo de vídeo-ação Projetemos. A ideia dos organizadores é que pessoas de todo país acendam uma vela nas janelas e varandas, aplaudam, assim como ocupem as redes sociais com a hashtag #TodaVidaImporta. 

A meta, segundo Danilo César, um dos integrantes da rede, é “gerar uma rede aberta, sem fins lucrativos, supra partidária e ecumênica, ativa e preventiva, que possa gerar apoio humano, especializado e solidário, assim como amenizar o sofrimento devastador e auxiliar a reconstrução da vida das pessoas afetadas pela pandemia”.

Ele revela também que há uma grande preocupação da rede com subnotificação dos casos e que agir sobre isso, nesse momento, é essencial. 

Parte das vítimas homenageadas pelo vídeo | Foto: Reprodução

“Nós estamos acompanhando uma série de famílias que não conseguem fazer teste, não conseguem notificar, mesmo que seja só a suspeita. E o Brasil é um país marcado historicamente pelo racismo e pela discriminação de gênero e isso gerou um genocídio histórico contra as populações mais vulneráveis, como negros, indígenas e mulheres”, afirma César. “Não temos dúvida que essas políticas de morte tendem a se intensificar neste momento”.

Apoio

Aqueles que precisarem, podem entrar em contato com a rede para ter orientações básicas e gerais para as vítimas fatais, sejam elas confirmadas ou apenas suspeitas ou subnotificadas. Também haverá orientações para velórios, sepultamentos e acolhimento psicossocial e assistencial imediato. A iniciativa também garantirá acesso aos meios de memória e luto coletivo, como é o caso do Memorial.

A iniciativa também convida quem quiser colaborar de maneira profissional ou solidária com a rede, que pode ser acessada por WhatsApp ou Telegram pelos telefones 11-93011-3281, 11-99772-0491 ou 21-99809-9199 ou ainda pelos e-mails memorialcoronabrasil@gmail.com ou redeapoiocovid@gmail.com.

Quem quiser participar da ação deste domingo, pode obter mais informações na página do Memorial de Vítimas Fatais de Covid-19.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: