Agredido na cabeça por PM, jovem bate moto e morre em Carapicuíba (SP)

25/05/19 por Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

(*) André Caramante, Arthur Stabile e Maria Teresa Cruz

Rian estava na moto do irmão quando passava pela escola Natalino Fidêncio quando o PM o agrediu | Foto: Arquivo pessoal

Rian Rogério dos Santos, 18 anos, dirigia a moto do irmão quando passou em frente a uma escola e foi agredido; segundo testemunha, PM disse que ‘não devia satisfação a ninguém’

Por volta das 19h da noite de 21 de maio, Rian Rogério dos Santos, 18 anos, pegou a moto do irmão para dar uma volta no bairro Parque Santa Tereza, em Carapicuíba, cidade na Grande São Paulo. Quando passava em frente à escola estadual Natalino Fidêncio, na Rua Juscelino Kubitscheck, um PM o agrediu com um golpe de cassetete na cabeça, o que fez o jovem perder o controle do veículo, bater em um carro e em uma mureta. Rian morreu.

Testemunhas afirmam que o policial fazia parte da ronda escolar e estava dentro da viatura, parada em frente ao colégio, enquanto seu parceiro estava apoiado no muro. O PM saiu do carro assim que Rian subiu a rua com a moto. Na volta do jovem, o agrediu com um golpe certeiro na cabeça, o que, segundo quem viu a cena, fez o capacete se desprender.

“Ele estava de moto, com capacete, normal. Não acelerou, não empinou. O PM saiu da vaga do motorista, abriu a porta e o esperou chegar perto, estendeu a mão e soltou o cassetete. Levantou o capacete dele”, conta uma testemunha, que pediu anonimato.

Com a agressão, Rian ficou atordoado e perdeu a direção da moto e percorreu alguns metros com o veículo desgovernado até bater em um carro e depois em uma mureta na rua. O relato é de que o capacete se desprendeu no primeiro choque, antes dele bater no muro.

Segundo o B.O. (Boletim de Ocorrência), os soldados Alexandre e Cássio ocupavam a viatura M33100 da 1ª cia do 33º BPM/M (Batalhão de Polícia Militar Metropolitano), que prestava a ronda na escola Natalino Fidêncio. Os dados foram informados pelo sargento Rogério Pires ao delegado Elizeu Quirino Ribeiro, do 1º DP (Distrito Policial de Carapicuíba) e, segundo Pires, ele não havia conseguido mais informações dos PMs envolvidos na ocorrência, como nome completo, número de RG e CPF, endereço ou telefone.

Vendo as duas batidas seguidas, as pessoas que estavam na rua cobraram que os policiais socorressem o jovem mas, segundo o registro, um dos PMs disse que eles “não deviam satisfações para ninguém”. Em seguida, teriam entrado na viatura e foram embora “cantando pneu e com a viatura apagada (lanterna e giroflex desligado)”.

“Quando o policial estava saindo, o pessoal cobrou que fosse socorrer, que olhasse o que ele tinha feito. Eles colocaram metade da viatura para dentro da escola e depois foram embora, nem satisfação deram para socorrer. Todo mundo ligou para socorrer o rapaz. Tentaram reanimar, mas, para mim, ele estava morto no local já”, conta à Ponte uma testemunha.

Segundo testemunhas, resgate chegou mais de 30 minutos após ligações dos moradores | Foto: Arquivo pessoal

Os moradores do Santa Tereza ligaram para o resgate do Samu, mas uma outra viatura, com os policiais Bruno Luiz de Carvalho e Felipe Oliveira, chegou entre 20 e 30 minutos após o acidente. Quando os médicos chegaram, Rian já havia morrido.

O PM Oliveira explica no documento que ele e Carvalho atenderam uma ocorrência “de acidente de trânsito com vítima”. “Segundo comentários informais, a vítima ‘teria’ caído coma motocicleta e se ferido”, disseram ao deletado Elizeu Ribeiro. Além disso, eles liberaram a moto para o irmão de Rian, o que impossibilitou realização de perícia, conforme aponta o delegado.

Em um primeiro B.O., nenhuma testemunha da morte de Rian é citada. Essa lacuna é solucionada em um registro complementar (documento anexado com novas informações ou depoimentos) com o depoimento de um conhecido do adolescente. Segundo ele, Rian subiu a rua em baixa velocidade, usava capacete e andava com faróis e lanternas apagados, foi quando viu um PM dar um golpe em sua cabeça.

Essa testemunha aponta que os PMs Carvalho e Oliveira, que atenderam às ligações com pedido de socorro, teriam se recusado a incluir no relatório da ocorrência que uma viatura da PM estava no local antes de sua chegada.

Questionada pela Ponte, a SSP (Secretaria da Segurança Pública), comandada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo de João Doria (PSDB), explicou que a PM acompanha as investigações. “Todas as circunstâncias envolvendo a ocorrência são investigadas por meio de inquérito policial no 1° DP de Carapicuíba. Os policiais e testemunhas estão sendo ouvidas”, garante a pasta.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: