Ataques deixam 6 mortos em Parelheiros, zona sul de SP

Corpos foram encontrados num raio de 5 km. Há suspeita que ataques tenham ligação com a morte de um PM, na mesma região

Chacina parelheiros

Seis pessoas morreram na noite desta quarta-feira (15) na região de Parelheiros, zona sul de São Paulo. A suspeita é de que os ataques, ocorridos em um raio de 5 km, tenham ligação com a morte de um PM (policial militar) horas antes, na mesma região.

A ocorrência foi registrada no 101 DP (Distrito Policial), no Jardim das Imbuias, às 20h. Segundo a PM, duas pessoas foram encontradas baleadas na rua Alice Bastide, número 18, na Vila Roschel. Elas foram socorridas ao Hospital Geral do Grajaú, a 15 km de distância, onde morreram.

Depois, outras duas pessoas foram encontradas mortas, com marcas de tiros no corpo, na rua Sônia, próximo da avenida Engenheiro Marsilac. Na rua Fonte Nova, número 65, no bairro Sítio Represa, havia três pessoas baleadas, sendo que uma morreu no local.

As outras duas vítimas da rua Fonte Nova foram levadas à Ama Parelheiros, segundo a corporação, onde permanecem internadas. Não há informações sobre o estado de saúde dos baleados.

Próximo ao corpo das vítimas, foram encontradas cápsulas de armas calibre 12, 9 mm e 380.

Execução de PM

pm_morto_parelheiros
Cabo Leonílson Figueiredo

Na manhã desta quarta-feira, o cabo Leonílson Figueiredo foi morto na Estrada 15, na frente de sua casa, na região de Parelheiros. A PM afirma que o rosto do agente estava descaracterizado e que havia uma marca de tiro nas suas costas. Segundo a SSP (Secretária da Segurança Pública), a corporação foi acionada e o cabo foi encontrado de bruços, no chão.

O caso está sendo tratado como homicídio qualificado. O DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) afirmou que vai auxiliar na investigação. Até a madrugada desta quinta-feira (16), nenhum suspeito havia sido identificado, segundo versão oficial.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas