Exposição reúne imagens das manifestações contra os aumentos de tarifa em SP

DD Sao Paulo SP 17/06/2013 Ato contra o aumento da passagem de onibus. Apos to pacifico em diversas partes da cidade, manifestantes contrarios ao preco do tranporte coletivo pularam as catracas do metro e entraram em conflito com os segurancas da estacao por volta das 23 horas dessa segunda feira. Foto: Leo Martins / DIARIO SP

Fazem parte da mostra os trabalhos dos fotógrafos Luís BlancoLéo Martins e Alexandre Moreira, que  durante seis anos registraram os atos contra os reajustes das passagens de ônibus, metrô e trem na capital paulista. Abertura é neste sábado (06/08)

Os fotógrafos da exposição A Luta e a Tarifa
Os fotógrafos da exposição A Luta e a Tarifa

O espaço cultural Passagem Literária da Consolação recebe este mês a exposição fotográfica “A Luta e a Tarifa”. A mostra independente reúne os trabalhos dos fotógrafos Luís BlancoLéo Martins e Alexandre Moreira durante seis anos registrando as manifestações populares contra o reajuste das tarifas de ônibus, metrô e trem.

Após uma apurada pesquisa entre milhares de imagens e dezenas de gigabytes de arquivos digitais, foram selecionadas 18 fotos e 68 registros, impressos em lambe-lambe, de situações adversas diárias vividas no transporte público paulistano, além de textos e um poema assinado pelo jornalista Juca Guimarães, colaborador da Ponte.

“Não foi uma escolha apenas pela plasticidade das imagens. Tinha sim uma intenção de mostrar fotografias impactantes, mas não é apenas arte. Nossa intenção é o registro documental do que aconteceu nesses seis anos de protestos contra a tarifa, por isso os textos para situar quem for ver a exposição”, diz Blanco.

A decisão de reunir os arquivos pessoais dos três amigos em uma exposição surgiu de uma contestação sobre a memória coletiva da cidade. “O povo esquece muito rápido. A luta contra o reajuste é legítima e é uma luta com a qual nós nos identificamos. Também notamos que boa parte da população também se identifica, mas é uma memória que está se apagando”, lamenta Alexandre Moreira.

Para Léo Martins, a exposição também contribui para uma reflexão sobre a relação entre a cidade, o trânsito e o transporte público. “Talvez São Paulo seja a cidade, no mundo todo, onde o trânsito tenha mais impacto sobre a vida das pessoas. E a luta contra o reajuste gerou uma discussão importante sobre a qualidade do serviço e o valor que se paga por isso. As fotos também mostram o quanto é penosa a vida de quem depende do transporte público. A exposição quer levantar uma análise crítica mesmo, fazer uma reflexão se realmente o serviço vale o quanto cobra. Eu acho que não. E as melhorias que vieram são decorrentes das manifestações populares”, afirma.

A escolha da Passagem Literária da Consolação para abrigar a exposição também faz parte da proposta dos fotógrafos de provocar uma leitura mais ampla sobre as manifestações.“Alguns dos embates mais violentos aconteceram nessa região da cidade. Além disso, a passagem fica embaixo de um corredor de ônibus entre duas estações do metrô”, explica Moreira.

A violência e a repressão também são temas presentes na exposição. A cobertura dos protestos oferece muitos riscos para os fotógrafos. “Não estamos lá pela adrenalina ou por prazer de enfrentar o perigo. É um trabalho que, por sinal, exige muita concentração e técnica. Mas no meio da agitação o estresse e a violência da polícia acaba nas nossas costas, literalmente”, diz Blanco. Moreira define em dois momentos distintos as situações mais complexas dentro da manifestação. “Existe a tensão de estar próximo do confronto quando explode a violência. Há também frustração quando as coisas estão acontecendo longe de onde você está. Daí você perdeu a foto. Deixou escapar o registro”, afirma.

“São momentos tensos de igual intensidade para o fotógrafo: quando você está em um lugar ruim para a foto e também quando você está onde a sua integridade física fica ameaçada”, complementa Léo Martins.

De acordo com o jornalista Juca Guimarães,  a exposição também resgata a memória de momentos emblemáticos dos protestos de rua em São Paulo. “Não podemos esquecer nunca os abusos e a violência. Em 2013, o fotógrafo Sérgio Silva levou um tiro de bala de borracha no rosto e perdeu um olho.  Esse é apenas um dos diversos casos de agressão.  Em 2016, a PM também encurralou os manifestantes no final da avenida Paulista, numa manobra chamada caldeirão de Hamburgo, que é condenada na maioria dos países, e atacou covardemente as pessoas que nem tinham como fugir e se proteger. A exposição serve de alerta para que essas coisas não aconteçam novamente”, diz.

SÃO PAULO, SP - 12.01.2016: ATO CONTRA O AUMENTO DA TARIFA EM SÃO PAULO - Centenas de pessoas se reuniram na Avenida Paulista, para segundo ato contra o aumento do transporte público convocado pelo Movimento Passe Livre (MPL), por conta do trajeto, que a policia e os manifestantes não entraram em acordo, houve conflito e uma violenta repressão policial. (Foto: Luis Blanco / Fotoarena)
SÃO PAULO, SP – 12.01.2016: ATO CONTRA O AUMENTO DA TARIFA EM SÃO PAULO – Centenas de pessoas se reuniram na Avenida Paulista, para segundo ato contra o aumento do transporte público convocado pelo Movimento Passe Livre (MPL). Por conta do trajeto, sobre o qual a policia e os manifestantes não entraram em acordo, houve violenta repressão policial. (Foto: Luis Blanco)

Serviço
A exposição, com fotos feitas entre 2010 e 2016, fica aberta até o final de agosto. A entrada é gratuita e a Passagem Literária da Consolação também tem um sebo e outras exposições de arte. O endereço é rua da Consolação, 2387, no final da avenida Paulista. A abertura é neste sábado, dia 6 de agosto, a partir das 18 horas, com um bate-papo com fotógrafos.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A