GCMs retiram cobertores de moradores de rua na semana mais fria do ano

Ação na gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) repete roteiro contra pessoas em situação de rua nos governos de João Doria (PSDB) e Fernando Haddad (PT)

Pilha de cobertores retirada das pessoas | Foto: Arquivo pessoal

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) retirou cobertores de pessoas em situação de rua e dependentes químicos na manhã de terça-feira (10/7) durante ação de zeladoria na Rua Hevéltia, região conhecida como Cracolândia, no centro de São Paulo. A denúncia foi feita por membros da Pastoral do Povo da Rua, que acompanharam a ação.

Com os termômetros batendo os 12 ºC, a apreensão dos pertences teria acontecido por volta das 9h, enquanto as pessoas eram retiradas para a limpeza do local feita pela prefeitura. Esta ação é rotineira e acontece três vezes por dia. “Essas ações estão acontecendo com frequência e os GCMs agem com truculência. É uma forma de fazer essas pessoas cansarem e saírem dali”, denuncia Padre Julio Lancelotti, que integra a Pastoral.

A retirada de pertences de moradores de rua é vedada pela portaria intersecretarial de maio de 2017, reeditada após críticas a um decreto de 21 de janeiro do ano passado pelo então prefeito João Doria, que abria brecha para que os guardas apreendessem esses bens. Porém, é feita desde a gestão Fernando Haddad (PT), conforme denunciado pela Ponte.

Em março deste ano, a TV Globo flagrou um morador de rua que estava na alameda Cleveland receber um forte jato d’água durante uma ação de zeladoria da prefeitura. As limpezas acontecem para coibir a construção de barracas que venham a ser montadas para o tráfico de drogas.

De acordo com Lancelotti, a atuação da GCM tem se tornado mais violenta após a entrega de conjuntos habitacionais na região. “Quando tentamos filmar ou fotografar alguma ação, eles não deixam, já tentam pegar o celular”, aponta o padre.

Às vésperas da inauguração do Complexo Júlio Prestes, em março, entidades que atuam na área denunciaram à Ponte que os guardas civis estavam utilizando bombas de gás e balas de borracha para dispersar o “fluxo” de dependentes químicos. No mesmo dia em que o complexo foi entregue, houve ação repressiva da GCM no local e, segundo o inspetor Marcos Ferreira ao jornal Estado de S. Paulo, houve confusão após a prisão de um traficante na alameda Cleveland, em frente à Estação Júlio Prestes.

A PPP (Parceria Público-Privada) do centro, iniciativa do governo do Estado que conta com doações de terrenos pela Prefeitura, pretende construir 3.683 moradias com o argumento de atender a população local e revitalizar o entorno. Fechada em 2014, a parceria não tem prazos para entregar as moradias.

A Ponte solicitou posicionamento da Secretaria de Segurança Urbana, que explicou em nota enviada às 15h16 desta quarta-feira (11/7) que os trabalhos de zeladoria são feitos apoiando os agentes da Prefeitura, mas que “não há retirada de pertences” nas ações da GCM. “Inclusive, a GCM participa da Operação de Contingência para Baixas Temperaturas realizando a distribuição de cobertores aos moradores em situação de rua em todas as regiões da cidade. Só na área central, a GCM distribuiu 1.350 cobertores neste ano”, sustenta a pasta.

Ainda na nota, informa que a guarda atua contra o comércio de drogas e, por isso, retira tendas”. “Com objetivo de coibir o tráfico, a GCM não permite a montagem de tendas no local, bem como atua em apreensões quando há flagrantes. Entre maio de 2017 e junho de 2018, a GCM apreendeu mais de 18Kg de crack, 15 Kg de cocaína e 8 Kg de maconha, além de encaminhar 255 pessoas por tráfico e roubo ao DP da região; e identificar 14 foragidos que foram capturados”, prossegue a nota da secretaria.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A