x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Antifascistas brasileiros homenageiam militante morta por racista nos EUA

23/08/17 por Fausto Salvadori

Compartilhe este conteúdo:

Manifestantes homenagearam a ativista Heather Heyer diante do Consulado dos EUA em São Paulo, nesta segunda-feira (21/8)

Painel em homenagem a Heather Heyer, diante do Consulado dos EUA em SP | Foto: Divulgação

Um grupo de manifestantes antifascistas foi até o Consulado Geral dos EUA, na zona sul de São Paulo, na noite desta segunda-feira (21/8), para realizar uma homenagem a Heather Heyer, ativista americana assassinada no dia 12 por um militante racista, na cidade americana de Charlottesville.

Levando velas, flores e cartazes, os ativistas gritaram palavras de ordem contra a intolerância, o nazismo, o racismo e a xenofobia: “Fuck Trump”, “Nazistas, fascistas, não passarão” e “Heather Heyer presente“. Na calçada, acenderam velas e deixaram um “painel de solidariedade à companheira Heather”, com uma foto da jovem.

Manifestantes protestam diante do Consulado dos EUA | Foto: Divulgação

Assistente jurídica e militante dos direitos humanos, Heather participava de uma manifestação contrária a um ato convocado por racistas que gritavam contra negros, imigrantes e judeus, quando um dos “supremacistas brancos” avançou com seu carro contra a multidão e a atropelou.

Os antifascistas que participavam da homenagem contam que, por volta de 20h30, enquanto faziam seus cartazes, foram abordados por duas viaturas da Polícia Militar. Os PMs questionaram o que faziam e exigiram que um dos militantes informasse o RG para que o ato pudesse prosseguir.

Painel em homenagem a Heather Heyer, diante do Consulado dos EUA em SP | Foto: Divulgação

Segundo o relato dos ativistas, depois que concluíram a montagem do painel, por volta das 22h, seguranças do Consulado foram até eles, acompanhados da polícia, e exigiram que retirassem tudo: flores, velas, cartazes. Disseram que ali era “um território estadunidense” e que a homenagem estaria “perturbando a ordem do local”. O grupo, então, levou os objetos para a calçada oposta, onde concluiu a homenagem.

Painel em homenagem a Heather Heyer, diante do Consulado dos EUA em SP | Foto: Divulgação

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>