x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Moradores do Moinho falam em rotina de repressão da PM, um mês após morte de jovem

27/07/17 por Claudia Rocha, especial para Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

Há exatamente um mês, policiais militares da Rota executaram Leandro de Souza Santos, dentro da casa de uma moradora, na favela do Moinho, no centro de São Paulo

Os dois policiais da Rota, grupo de elite da Polícia Militar de São Paulo, que, segundo testemunhas, participaram da tortura e execução de Leandro de Souza Santos, de 18 anos, no dia 27 de junho, foram afastados das ruas, mas seguem realizando atividades administrativas enquanto a investigação no DHPP ainda não foi concluída. Após um mês, testemunhas do assassinato relembram os fatos daquela terça-feira, parentes e amigos falam da saudade e moradores contam que após a morte do jovem, a repressão policial aumentou na região.

Ouça a reportagem de Claudia Rocha, especial para a Ponte Jornalismo, com sonorização de Emerson Ramos:

https://soundcloud.com/ponte-jornalismo/especial-um-mes-do-assassinato-de-leandro-de-souza-santos

Procurada, a SSP, por meio da CDN Comunicação, enviou a seguinte nota:

A SSP informa que o inquérito policial militar (IPM) instaurado pela Corregedoria continua em andamento e os policiais foram transferidos para o serviço administrativo na área central de São Paulo. O caso também é investigado pelo DHPP por meio de inquérito policial para apurar as circunstâncias em que o fato ocorreu.

A reportagem da Ponte Jornalismo também questionou a SSP sobre a declaração de uma testemunha, ouvida na reportagem, de que teria tido o celular confiscado pelos PMs e sido obrigada a apagar o conteúdo. A pasta não respondeu a pergunta.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>