PM dá ‘gravata’ em aluno em escola no interior de SP e é afastado

    Corporação investiga se houve excesso na ação de policial no pátio da escola Alfredo Pujol, em Pirajuí (SP); vídeo gravado por estudantes serviu para provar agressão

    Um PM foi flagrado dando uma ‘gravata’ e ameaçando com um cassetete alunos de uma escola estadual em Pirajuí, no interior de São Paulo. Um vídeo, gravado por estudantes da Escola Estadual Alfredo Pujol, comprovou a agressão e gerou o afastamento de policial. De acordo com a corporação, ele está fora dos serviços de rua até o final das investigações.

    Como mostra o vídeo obtido pela Ponte, o PM tenta imobilizar um estudante menor de idade com um dos braços. Com o outro, aponta o cassetete em direção à multidão de alunos que assistem a cena e gritam para o homem soltar o garoto.

    Relatos apontam que o estudante teria provocado o policial mostrando o dedo do meio e, em seguida, houve a reação. “Uma menina tentou defender, mas ele veio com o cassetete e dando chutes”, relata uma estudante que viu a cena.

    Reprodução do vídeo

    Procurada para explicar o caso, a direção da Escola Estadual Alfredo Pujol alegou que não poderia dar explicações e orientou a reportagem a procurar oficialmente a Diretoria de Ensino de Bauru, à qual o colégio está submetido, mas o órgão silenciou diante do pedido de esclarecimentos.

    A Ponte questionou o motivo de o PM estar dentro do colégio no horário de aula, se foi a direção da Alfredo Pujol que solicitou o apoio do policial e, caso sim, qual seria a explicação para tal pedido.

    A PM confirmou que um inquérito policial para apurar a atuação do policial está em andamento no batalhão onde ele trabalha. “O policial militar foi identificado e afastado das atividades operacionais até o término da apuração”, explica a pasta, citando o acompanhamento da Corregedoria. O PM fará trabalhos administrativos neste período.

    Há dez dias, uma situação semelhante aconteceu, dessa vez na Escola Estadual Neves Prado Monteiro, em Santos, no litoral sul paulista. Um aluno de 17 anos e envolveu em uma discussão com a coordenadora e a direção da instituição decidiu acionar a polícia, que chegou ao local e promoveu forte repressão aos estudantes. À Ponte, M. conta que os PMs pediram que todos os alunos saíssem da sala, mas metade deles ficou, em apoio ao colega. Quando os policiais tentaram algemar M., parte dos estudantes foi para cima dos PMs, que reagiram com golpes de cassetete e spray de pimenta. “Teve gente que desmaiou e vomitou com o gás”, relata. O estudante M. acabou sendo expulso.

    Assim como no caso de Pirajuí, a escola preferiu não comentar o assunto. Em nota, a Diretoria Regional de Ensino de Santos, da Secretaria Estadual da Educação, da gestão Márcio França (PSB), “tomou todas as medidas pedagógicas cabíveis e convocou os pais do aluno para reunião”.

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas