PM joga bombas contra jovens que faziam ‘rolezinho’ em ato pró-Bolsonaro

4 minutos atrás

Após gritos contrários ao presidente eleito, jovens viraram alvo de balas de borracha e bombas lançadas pela PM, que foi atração na avenida Paulista; jornalista foi hostilizada por apoiadores de Bolsonaro

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

O ato em comemoração à vitória de Jair Bolsonaro (PSL), eleito presidente neste domingo (28/10), teve muita foto, cosplay de policial e também agressões, tiros de bala de borracha e bombas de gás, lançadas pela Polícia Militar contra um grupo de jovens que fazia o chamado “rolezinho” – nome dado pela juventude periférica a passeios em grupos em áreas públicas da cidade – no vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo). Pelo menos 3 pessoas foram detidas, segundo registrou a equipe de fotojornalistas da Ponte. A SSP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo), divulgou, no final da noite desta segunda-feira (29/10), que foram três jovens foram detidos e levados ao 78º DP, onde assinaram um termo circunstanciado por desacato.

Dois dos detidos flagrados pela reportagem | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

O detalhe é que o encontro dos jovens não tinha qualquer motivação política. Estavam reunidos para aproveitar a noite na avenida Paulista, centro de São Paulo, beber, ouvir música e paquerar. Um grupo de eleitores do Bolsonaro passou a gritar em comemoração à vitória do candidato do PSL, quando alguns dos jovens foram para a avenida e, então, se manifestaram contra o candidato de extrema direita. A PM, que fazia o acompanhamento da comemoração, avançou sobre o grupo e lançou bombas de gás e disparou balas de borracha para dispersá-los.

Manifestante comemora eleição com camiseta que faz alusão ao regime militar: “64 neles” | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Segundo o registro da reportagem da Ponte, os jovens, predominantemente vindos de regiões periféricas de São Paulo, estavam reunidos no espaço que fica após o vão livre e seguiram para a avenida quando o grupo de apoiadores de Bolsonaro chegou perto do MASP. Neste momento, decidiram gritar “Ele Não” em expressa crítica ao presidente eleito. Foi nesse momento que uma tropa do Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia) partiu para cima dos jovens.

Policiais com armas de munição de elastômetro, popularmente conhecida como bala de borracha | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A reportagem também constatou que bolsonaristas chegaram a afirmar que jovens eram drogados e tinham que ser presos mesmo, estimulando a repressão policial. Muitos manifestantes usavam a camiseta com o rosto do presidente eleito, outros tantos com motivos militares, alguns com alusões ao período da Ditadura Militar e houve também quem optasse pela camisa da seleção brasileira, bastante utilizada nos protestos de 2016 pedindo o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Eleitores comemoram voto a voto na Avenida Paulista | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Momento em que as primeiras bombas foram lançadas na direção dos jovens | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Um dos detidos após dispersão violenta da Polícia Militar | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Na versão dos policiais que estavam no momento do ocorrido, jovens provocaram e lançaram objetos contra o grupo de apoiadores do presidente eleito. Além disso, ainda de acordo com um PM, um dos jovens detidos teria agredido um idoso que estava na avenida.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Camiseta com rosto do candidato traz escrito: “Honra, moral e ética” | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A protagonismo da Polícia Militar na noite de domingo não se limitou à ação de repressão, mas também ao assédio de bolsonaristas para tirar fotos. Motos da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) foram enfileiradas em um trecho da avenida e, um a um, participantes do ato vestiam o capacete e subiam na moto para fazer fotos. Alguns arriscavam fazer o sinal de arma com as mãos, largamente utilizado pelo presidente eleito durante a campanha. Outros tantos, pediam para posar em frente aos policiais empunhando a bandeira do Brasil e vuvuzelas.

Eleitora de Jair Bolsonaro comemora sobre a moto da PM a vitória do seu candidato | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo
Eleitores de Jair Bolsonaro comemoram a vitória do candidato com bandeira do Brasil | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

A Ponte procurou a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) para questionar sobre a ação da Polícia Militar na noite deste domingo. Em nota, a pasta informa que a PM foi acionada para conter um princípio de tumulto. “Algumas pessoas atiraram garrafas e pedras contra os Policiais da Companhia de Ações Especiais de Polícia (CAEP), que atuaram na dispersão dos envolvidos”, diz a nota.

Eleitores soltam rojões para comemorar resultado das eleições | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo
Eleitores de Jair Bolsonaro comemoram a vitória do seu candidato e posam com PMs | Foto: Sérgio Silva/ Ponte Jornalismo

Há relatos também de hostilização contra profissionais de imprensa que estavam trabalhando no local. A repórter da Folha Anna Virginia Balloussier fez um desabafo em suas redes sociais após a cobertura. Apoiadores e o próprio candidato de extrema direita fizeram duras críticas ao jornal depois da reportagem que apontava que um esquema pago por empresários de disparo massivo de mensagens de Whatsapp teria tido grande responsabilidade em impulsionar a campanha do presidenciável e, inclusive, na disseminação de fake news.

*Reportagem atualizada às 22h01 do dia 29/10

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A