Rico Dalasam: negro, gay e pobre são tags do abandono

07/07/16 por admin

Compartilhe este conteúdo:

2016-07-07RicoDalasam1-clipedevideo

Entre o lançamento do seu primeiro álbum Orgunga, que aconteceu em junho, e prestes a completar 27 anos (faz aniversário em 22/07) o rapper Rico Dalasam reflete sobre sua trajetória, fala sobre papel do rap nas periferias, diz que o imaginário do escravo ainda permeia as relações patrão/empregado e conta sobre sua entrada como gay no mundo do rap.

Morador de Taboão da Serra, ao sul da capital paulista, Rico carrega na história e na alma as diversidades e minorias que aparecem nos seus versos. Era o  menino negro da quebrada, que estudava em escolas privadas (graças ao esforço da mãe, que escrevia cartas solicitando bolsa para o filho e as entregava nos colégios), e o rapaz gay, que encontrou no ambiente masculino do rap as palavras que precisava para se expressar. Hoje diz que chegou aonde sempre queria, a um lugar onde existe.

Mas o personagem exuberante que aparece nos shows e no vestir contrasta com o olhar ora doce, ora triste, ora reflexivo, principalmente quando fala sobre as possibilidades de vida de quem é negro, gay e pobre no Brasil.

Reportagem e edição: Claudia Belfort
Imagens: Elias Angico
Som: José Simplicio Vieira
Apoio: GW Produtora

Assista:

Ouça e baixe do Orgunga

 

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: