x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Rota usa ‘medo como uma política pública aplicada’, diz especialista

16/10/20 por Jessica Tamires

Compartilhe este conteúdo:

Em entrevista ao “Da Ponte pra cá”, o sociólogo Henrique Macedo afirma que para a tropa mais mais letal do Estado o crime tem um território definido: a periferia

Nesta quinta-feira (15/10), a Rota – Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar – completou 50 décadas. Enquanto para entre os bairros de classe média a tropa mais letal da Polícia Militar do Estado de São Paulo é um agrupamento de heróis, para moradores da periferia e pessoas negras, a Rota é sinomino de violência e morte. Foi para falar do histórico da Rota que o “Da Ponte pra cá”, live de entrevistas da Ponte, conversou o sociólogo e doutorando pela Ufscar (Universidade Federal de São Carlos), Henrique Macedo, na véspera do aniversário da Rota. A entrevista foi conduzida pelo repórter Arthur Stabile.

Leia também: Rota, 50 anos de matança

Nascida como um braço repressor da ditadura àquilo que era considerado “terrorismo”, Henrique avalia que o modelo repressivo da Rota não foi abandonado, mas transferido para a periferia. ‘”Para [a Rota], em tese, o crime em si é territorializado”, aponta. Segundo o pesquisador do Gevac (Grupo de Estudos Sobre Violência e Administração de Conflitos) da Ufscar, a mentalidade criada na tropa é de que “aquelas pessoas [periféricas] já estão em ‘período criminal’, são criminosos por essência. Então, teoricamente, não teria por que tratá-los de forma diferente”.

Ouça e baixe a entrevista em formato podcast na Rádio Sens

Outro elemento importante na construção do mito da Rota é o medo. O perfil da tropa não dá espaço ao contraditório, à possibilidade de crítica, mas apenas para formas de propagandas positiva, como os filmes do diretor Elias Junior. “O medo é proposital como uma política pública aplicada”, afirma o pesquisador, que ainda destaca que a situação pode ser colocada de tal forma que “que você pode se tornar criminalizável”, enquadrado no velho discurso da suposta “defesa dos bandidos”. “Eles querem que seja a temida Rota, não só para aqueles que eles consideram criminosos, mas também para aqueles que eles acham que defendem criminosos, aqueles que são vinculados aos direitos humanos”.

Leia também: Justiça corrige decisão de juíza e manda a júri PMs da Rota por matar e forjar atentado

Henrique também teceu críticas à política de segurança pública do país. Segundo ele, ela “preza muito mais pelo combate e quer lidar com as coisas num plano imediatista, num plano já do crime ocorrendo, que, na verdade, fatalmente vai levar a um confronto ou um massacre”. A entrevista tocou ainda temas como o envolvimento da Rota com política, a letalidade da tropa e a seus arroubos de vingança.

Tamo junto

Vale lembrar que o “Da Ponte pra cá” – e todas as outras lives e trabalhos da Ponte – são possíveis graças ao apoio do Tamo Junto, que é mais que um programa de membro, é um programa colaborativo que ajuda construir o jornalismo da Ponte.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>