Artigo | A pandemia e a população em situação de rua

    Estados e países definem ações para quem vive nas ruas, mesmo sem descrever como serão feitas

    População de rua dorme no centro de SP | Foto: Divulgação

    A eclosão da pandemia de Covid-19, causada pelo coronavírus, no Brasil afeta principalmente aos mais pobres e grupos fragilizados, como a população em situação de rua, por exemplo, que não pode se dar ao luxo de adotar o auto-isolamento e deixar de trabalhar e, no caso de quem vive nas e das ruas, se trancar em casa.

    A proposta deste artigo é chamar a atenção para o problema e estimular o apoio a divulgação e o engajamento em campanhas que auxiliam estas pessoas que sobrevivem nas calçadas das cidades, e que não têm acesso a produtos de higiene pessoal, álcool gel, máscaras, alimentos e, em muitos casos, água limpa.

    Abaixo, um resumo dos principais impactos da pandemia no dia a dia da população de rua, feito a partir do recolhimento de informações da grande imprensa, coletivos e ativistas.

    Em São Paulo, capital, a GCM (Guarda Civil Metropolitana) está usando de violência para expulsar moradores de rua de locais públicos, como o Parque da Mooca, na ZL, por exemplo.

    O padre Julio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua de SP, criou uma petição online para pressionar a Prefeitura de São Paulo a fornecer kits com álcool gel e materiais básicos de higiene e a abrir espaços públicos para o acolhimento de moradores de rua durante a pandemia do coronavírus. Criada nesta quarta-feira, 18, a petição hospedada na plataforma Change.org já sensibilizou quase 16 mil apoiadores em menos de dois dias.

    O fechamento de bares e restaurantes, que, em SP, só poderão funcionar em sistema delivery a partir do dia 24, coloca a questão de como a população de rua conseguirá se alimentar durante a pandemia. A Fome também passa a ser uma ameaça séria.

    Curitiba (PR) está usando a pandemia como desculpa para voltar a Roubar os (poucos) pertences de quem vive nas e das ruas.

    Rio de Janeiro e Pará anunciaram que usarão estádios de futebol e outros equipamentos públicos para abrigar a população em situação de rua durante a pandemia; sem detalhes de como isto será feito.

    Várias cidades estão aprovando legislação restringindo o direito de ir e vir de moradores de rua, sem oferecer alternativas de acolhimento.

    Várias cidades estão realizando ações educativas e preventivas contra a Covid-19 entre a sua população em situação de rua.

    Em Londres, Inglaterra, foram alugados 300 quartos de hotéis por 12 semanas, para abrigar a crescente população de rua. A ideia é disponibilizar 45 mil vagas.

    Nos EUA, a Covid-19 já chegou aos abrigos públicos destinados à população de rua.

    Na França, a polícia está multando moradores de rua que não obedecem a ordem de ficar em casa.

    *Thiago Fuschini é jornalista, voluntário da Pastoral do Povo da Rua de SP e editor da página Observatório do Povo da Rua, no Facebook

    Artigo originalmente publicado no Repórter Popular

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas