Ao liberar doação de sangue, STF se confirma como ‘última esperança LGBT+’

    Para advogado Paulo Iotti, que participou da ação que derrubou proibição de doação, Supremo se mostra alternativa para Congresso ‘homofóbico e transfóbico’

    Parada do orgulho LGBT+ de São Paulo, em 2019 | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

    Por 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal derrubou duas determinações que impediam pessoas LGBTs, principalmente homens gays e bissexuais e mulheres trans e travestis, de doarem sangue. A votação foi encerrada na noite da última sexta-feira (8/5). A maioria dos ministros do Supremo considerou que a restrição era inconstitucional e discriminatória.

    Até então, a resolução nº 34, de 2014, da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) e a portaria nº 158, de 2016, do Ministério da Saúde, determinavam que homossexuais e transexuais não podiam doar sangue, mesmo que os bancos de sangue estivessem com baixo estoque.

    Segundo a Anvisa e o Ministério da Saúde, a orientação sexual não era um critério usado para selecionar quem podia ou não doar. Os órgãos afirmam que as diretrizes não possuíam caráter discriminatório, mas estariam baseadas em “evidências técnico-científicas” que visavam o interesse coletivo e garantiam a qualidade e a segurança da transfusão.

    O critério sanitário determinava que os serviços de coleta de sangue questionassem as práticas sexuais de quem quisesse doar. A ideia era diminuir os riscos de contrair infecções, já que muitas doenças sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas pelo sangue. Para a Anvisa, “a incidência de doenças sexualmente transmissíveis, por via sanguínea, é cada vez maior na população de HSH (homens que fazem sexo com homens)”.

    Diante isso, a Avisa considerava que os HSH deveriam ser considerados inaptos temporariamente para doação de sangue nos 12 meses que antecedem à doação.

    A discussão no Judiciário começou em 2016, quando o PSB (Partido Socialista Brasileiro) propôs a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 5543. Um ano depois, em outubro de 2017, a ação começou a ser votada, mas foi interrompida depois que o ministro Gilmar Mendes pediu mais tempo para examinar a proposta.

    Leia também: LGBTIfobia virou crime: por que nem todo mundo está comemorando

    Em 30 de abril deste ano, diante do baixo estoque de sangue provocado pela pandemia do coronavírus, a DPU (Defensoria Pública da União) pediu agilidade no julgamento da proposta.

    Antes do pedido de vista de Gilmar Mendes, o ministro Edson Fachin, relator da ação, já havia votado pela inconstitucionalidade da restrição. Para Fachin, “orientação sexual não contamina ninguém, o preconceito sim”.

    À época, os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux haviam seguido o voto do relator. Na retomada da votação, agora em plenário virtual por conta da pandemia, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia e Dias Toffoli acompanharam o voto de Mendes. Votaram contra a ação os ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

    Alexandre de Moraes foi o primeiro a votar contra a ADI 5543, argumentando que era favorável à doação por homens gays e bissexuais desde que eles fizessem teste de sorologia. Os outros três ministros seguiram esse argumento. Ricardo Lewandowski e Celso de Mello disseram que o STF deveria adotar uma postura “autocontida com as determinações das autoridades sanitárias embasadas em dados técnicos e científicos”.

    Leia também: Por que alteração de nome sem cirurgia é conquista para transgêneros

    O advogado constitucionalista Paulo Iotti, que também é diretor-presidente do GADvS (Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero), foi um dos representantes do movimento LGBT+ no processo da ADI 5543. Como homem gay, afirma Iotti, essa era uma proibição que “magoava muito”.

    “Embora neguem até a morte, eles nos tratam como grupo de risco. Muitas pessoas mentiam para doar sangue. Eu era um dos que não: se o Estado achava que o meu sangue não prestava, então ele não ia ter o meu sangue, por mais que os estoques estivessem baixos”, conta.

    “Eles proibiam todo homem que faz sexo com outro homem, bem como as mulheres transexuais e travestis, que, por transfobia, eles consideravam como homens, de doar sangue, independentemente da nossa prática sexual concreta, independentemente de prática de risco ou não”, continua.

    Leia também: Artigo | Por que falar em LGBTfobia e não homofobia

    Iotti participou de outras duas conquistas da população LGBT+ no Supremo: a retificação de nome para pessoas trans, em 2018, em necessidade de intervenção cirúrgica e criminalização da LGBTfobia, no ano passado. Para ele, o Judiciário é a única esperança.

    “O Congresso Nacional, provavelmente representando a sociedade, está cada vez mais conservador, reacionário e insensível aos direitos humanos de minorias e grupos vulneráveis. Nessa situação, o Supremo acaba sendo a última esperança da população LGBT+”, explica.

    O advogado lembra que, apesar disso, o movimento LGBT+ nunca desistiu do Congresso Nacional. “Muito pelo contrário, a gente tenta desde a elaboração da Constituição aprovar projetos de lei e emendas constitucionais que garantam direitos. Mas o Congresso se mostra homofóbico e transfóbico institucionalmente”, aponta.

    Para o movimento LGBT+, afirma Iotti, a doação de sangue deve manter as regras seguidas pela população heterossexual (pessoa que se relacionam com pessoa do gênero oposto) e cisgênera (pessoa que estão confortáveis com o gênero de nascimento): não ter práticas sexuais de risco.

    “Ao presumir que todo homem que faz sexo com outro homem ou com uma mulher trans estaria em uma situação de risco, você cria a identidade que deturpa o conceito. Você não está pensando na prática, você está pensando no grupo social que se identifica desse jeito”, argumenta.

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas