Artigo | Justiça social, racial e de gênero na guerra às drogas

Acompanhando a publicação do segundo vídeo da série “Justiça e Guerra às Drogas”, a Plataforma Brasileira de Política de Drogas sugere mudanças que apontem para caminhos de vida, cuidado, bem-viver e reparação

“Num país como o Brasil, manter a esperança viva é em si um ato revolucionário” 
Paulo Freire

O atual modelo de proibição de algumas substâncias tornadas ilícitas pelos Estados tem se convertido em uma estratégia eficaz no que diz respeito à violação de um conjunto de direitos civis e sociais. Desde a aprovação da Lei 11.343/2006, conhecida como a lei de drogas, o número de prisões segue aumentando. Segundo dados do Infopen, em 2016, o Brasil se tornou o terceiro país que mais encarcera no mundo, ultrapassando a marca de 700 mil pessoas presas, das quais 64% se declararam negras. Desse total de presos, 40% não receberam sentença, ou seja, quase metade desses presos poderia não estar privada de liberdade caso tivesse sido julgada.

Além disso, o aumento das penas por delitos relacionados a drogas foi justificado na intenção de diminuir o poder de organizações criminosas que também existem nas cadeias. Nesse sentido, a lei também não atinge seu objetivo, pois, além de aumentar a carga do sistema de justiça e o gasto público com a manutenção de presídios, contribui indiretamente com o fortalecimento dessas organizações ao levar mais pessoas para as cadeias. Soma-se a isso o fato de que milhares de pessoas têm seus laços afetivos rompidos de maneira brusca, especialmente mulheres, que na imensa maioria dos casos são as únicas responsáveis pelos seus filhos. Diante desse cenário, como é possível mensurar o custo social das mais de 60 mil vidas de brasileiros que morrem ao ano e os impactos desastrosos na vida das famílias e pessoas afetadas? 

Por outro lado, é possível observar os custos econômicos desse processo de guerra. Segundo dados publicados pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, os custos econômicos da “criminalidade” passaram, entre 1996 e 2015, de cerca de 113 bilhões de reais para 285 bilhões de reais, um incremento real médio de cerca de 4,5% ao ano. Em estudo realizado em parceria com o Instituto Igarapé, concluiu-se os seguintes componentes desse dado, em ordem de relevância: segurança pública (1,35% do PIB); segurança privada (0,94% do PIB); seguros e perdas materiais (0,8% do PIB); custos judiciais (0,58% do PIB); perda de capacidade produtiva (0,40% do PIB); encarceramento (0,26% do PIB); e custos dos serviços médicos e terapêuticos (0,05% do PIB), alcançando um total de 4,38% da renda nacional. Além do alto gasto público, essa política também adoece os servidores públicos; o índice de suicídios entre policiais é maior do que a média de outros profissionais, além das mortes, lesões graves e dos afastamentos por doenças. Segundo pesquisa do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), coordenado pela cientista política Dayse Miranda, em parceria com a Polícia Militar fluminense, de 224 policiais militares entrevistados, 10% disseram ter tentado suicídio e 22% afirmaram ter pensado em suicídio em algum momento.

Os homicídios no Brasil nos últimos quinze anos registraram número maior do que o mesmo crime em oito países sul-americanos somados, ou ainda, todos os assassinatos registrados no mesmo período nos 28 países da União Europeia. Cerca de 56% do total dos assassinatos envolvem pessoas jovens com até 29 anos, e dessas, 71% são negras. A este quadro, soma-se a inexistência de um sistema de produção de dados seguros sobre as circunstâncias dessas mortes, condições de aferir ocultamento de mortes por homicídio e quantas ocorrem por ação direta ou indireta da polícia.

Com a justificativa de construir um bem à saúde da população, os aparatos proibicionistas da Guerra às Drogas têm produzido mais mortes do que qualquer uso de substâncias psicoativas, fazendo com que diversos países em nosso continente passem a questionar esse modelo de construção de políticas públicas pautadas na perseguição, criminalização e retirada de direitos de pessoas negras, indígenas, pobres e latinas. A Guerra às Drogas tem afetado as políticas públicas, criando um sistema de controle, punição, violação de direitos e promovendo a violência institucional contra populações que deveriam ser protegidas, em pleno contexto do Estado Democrático de Direito.

Questionamos uma democracia que tem produzido uma máquina de morte e tortura em comunidades empobrecidas, a partir da execução e investimento em políticas de Estado que militarizam territórios, fazendo com que a ação violenta e violadora de direitos ocupe esses territórios no lugar de políticas de saúde, assistência e direitos humanos. Atualmente a política de drogas tem tido como resultado direto o fortalecimento de uma hierarquia racial, na qual as pessoas brancas são protegidas e cuidadas, e as pessoas negras, indígenas e pobres são criminalizadas sofrendo desproporcionalmente o peso desta guerra. Entendemos que a criminalização é uma estratégia ineficaz na construção do cuidado à saúde de pessoas que usam drogas, tendo em vista que o estigma e a discriminação sofridas pela entrada em um processo criminal interferem na sua busca por ajuda e cuidados em saúde.

A Lei de Drogas brasileira é a que tem proporcionado o aumento do encarceramento da população, com destaque ao encarceramento feminino, fazendo com que muitas mulheres tenham que “cuidar” dos seus usos problemáticos de drogas no contexto prisional. Importante destacar que a inserção no mercado ilícito de drogas tem sido uma opção no Brasil e em diversos outros países da América Latina e Caribe ao fenômeno da feminização da pobreza. O crescimento dos mercados de drogas ilícitas, com destaque ao mercado de cocaína nas Américas, é um importante fator econômico que inclui mulheres pobres e de famílias monoparentais na engrenagem das teias da ilicitude do varejo de drogas, de modo que a entrada nesta rede seja uma opção acessível e rápida de inserção laboral para o sustento de suas famílias. Quando encarceradas, toda a comunidade familiar que depende desta renda é afetada, sem que o Estado apresenta outras opções que não a punição.

O direito à maternidade também tem sido impactado pelo contexto de Guerra às Drogas, produzindo cenários de injustiça racial e de gênero. Embora a aprovação do marco da primeira infância tenha garantido prisão domiciliar a mulheres mães com filhos de até 12 anos, na prática o sistema judiciário tem ignorado esta recomendação, ferindo também as Regras de Bangkok, no que diz respeito às regras das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras (2016). Essas regras, que foram recomendadas pelo Conselho Nacional de Justiça, propõem um olhar diferenciado para as especificidades de gênero no encarceramento feminino, tanto no campo da execução penal como também na priorização de medidas não privativas de liberdade, ou seja, que evitem a entradas das mulheres no sistema carcerário.

A atual opção política pela Guerra às Drogas tem afetado os direitos civis de pessoas negras e pobres em nosso país, sobretudo os direitos à saúde, à justiça e à assistência social. No contexto da pandemia de Covid-19, o Conselho Nacional de Justiça emite a Recomendação 62, que versa sobre a adoção de medidas preventivas à propagação da infecção pelo Covid-19 no âmbito dos estabelecimentos do sistema prisional e do sistema socioeducativo. Essa recomendação tem sido ignorada pelo sistema de justiça em todo o território nacional, ocasionando inclusive mortes de jovens por contaminação ao Covid, presos provisoriamente. Somam-se a esse fator a retirada do direito à visita de familiares e a ausência de disponibilização de informação sobre as pessoas presas, que têm marcado o contexto prisional brasileiro na pandemia.

Neste sentido, defendemos uma política de drogas pautada na justiça social, racial e de gênero que, no lugar de produzir um fortalecimento de estruturas de opressão, possam oportunizar caminhos de vida, cuidado, bem-viver e reparação. É urgente e necessário dialogar com toda a sociedade sobre o conjunto de danos causados diretamente pela necropolítica de guerra. Temos a responsabilidade de reconstruir as políticas sobre drogas, a partir da visibilização dos cenários de violação de direitos, mas também a partir da proposição de uma agenda política pautada na justiça e reparação das comunidades diretamente afetadas. 

Nesta websérie de quatro episódios, a Iniciativa Negra, a Plataforma Justa, a Ponte e a Plataforma Brasileira de Política de Drogas põem a justiça na berlinda, buscando traduzir, a partir de uma construção artística, uma trama de mecanismos que precisa ser compreendida pela população em geral a fim de fomentar o debate qualificado no seio da sociedade civil, ampliar o acesso à informação e para a construção de caminhos de esperança e luta para uma nova política sobre drogas.

Luana Malheiro, antropóloga, é coordenadora de articulação da Plataforma Brasileira de Política de Drogas; Tatiana Diniz, jornalista, é coordenadora de comunicação da PBPD

SÉRIE ANIMADA | Justiça e Guerra às Drogas
Onde: 
estreia no YouTube da Ponte Jornalismo, com replicação em:
– Yahoo! Notícias
– El País
– Rede TVT
– Canal do JUSTA 
– Canal da Plataforma Brasileira de Política de Drogas
– Canal da Iniciativa Negra
Quando: terças, até 19/10 (os vídeos continuam disponíveis depois)

QUEM SÃO OS AUTORES

JUSTA
Projeto de pesquisa que se propõe a facilitar o entendimento e a visualização de dados do financiamento e da gestão do sistema de justiça de maneira acessível e inovadora. 

Plataforma Brasileira de Política de Drogas
Rede para a atuação conjunta de organizações não governamentais, coletivos e especialistas de diversos campos de atuação que busca debater e promover políticas de drogas fundamentadas na garantia dos direitos humanos e na redução dos danos produzidos pelo uso problemático de drogas e pela violência associada à ilegalidade de sua circulação

Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas
Organização da sociedade civil que atua pela construção de uma agenda de justiça racial e econômica promovendo ações de advocacy em direitos humanos e propondo reformas na atual política de combate às drogas.

Ponte Jornalismo
Defende os direitos humanos por meio do jornalismo, com o objetivo de ampliar as vozes marginalizadas pelas opressões de classe, raça e gênero e colaborar na sobrevivência da democracia brasileira.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas