Ato de mães contra violência do Estado termina com uma detida em SP

9 minutos atrás

Mulher afirma que foi assediada por PM e presa após tirar satisfação; mãe de Marcos Vinícius, morto em operação policial no Complexo da Maré, no Rio, participou de marcha na Avenida Paulista

Bruna, mãe de Marcos Vinícius, na linha de frente da manifestação | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A bandeira que Bruna Silva estendia com os braços esticados e firmes era a camiseta da escola ainda manchada de sangue e, nas costas, a mochila laranja que o filho Marcos Vinícius, 14, usava quando foi morto por uma bala perdida na barriga durante operação da Polícia Civil e do Exército no Complexo da Maré, no Rio. Nos abraços e lágrimas de mães que tiveram seus filhos mortos pela polícia em São Paulo, a empregada doméstica de 36 anos se fortaleceu na tarde de domingo (1/7), durante o ato “Pela vida de nossas crianças: basta de prisão e genocídio”.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

O protesto, que pretendia denunciar as violações por parte do Estado, terminou com mais uma: a detenção de Stella Avalloni, 34 anos, mãe e que participa com frequência de manifestações sobre o tema. Ela foi presa por desacato, mas afirma que, na realidade, foi tirar satisfação depois que o PM Allan da Silva Araújo mandou beijos e fez provocações para ela de dentro da viatura. “Eu fui lá e disse: ‘você ficou louco? Você está trabalhando e assedia uma mulher? Ele tirou o celular e disse ‘estou gravando’. Daí eu disse ‘você está me assediando, você é um vagabundo’ e saí andando. No que eu saí, a policial feminina me catou pelo braço disse ‘o quê?’ e me jogou na viatura”, conta. A Ponte registrou o instante em que a manifestante foi até a viatura tirar satisfação com o policial.  Stella foi liberada no início da noite deste domingo.

Stella Avalloni afirma que foi desrespeitada por PM | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

O ponto de concentração do ato foi o MASP (Museu de Arte de São Paulo), na Avenida Paulista, região central de São Paulo. Cartazes, faixas com nomes de crianças e adolescentes e rosas se faziam presentes. Um varal com camisetas da rede pública pintadas de vermelho foi erguido na marcha, que tinha como destino à Praça Roosevelt.

“Muita gente acha que vai encontrar uma mãe descabelada, chorosa. Eu tenho meu momento de luto, eu agarro a roupinha do meu filho e choro sozinha, mas para sair em defesa dele, eu me faço firme e forte, determinada para cobrar o Estado do Rio de Janeiro: quem alvejou e assinou Marcos Vinícius?”, gritava Bruna Silva, mãe de Marcos Vinícius. “Calaram meu filho, mas a mãe dele ficou e onde minha voz estiver soando, vai soar Marcos Vinícius. O meu filho se faz presente. O meu luto virou luta”, disse.

Para ela, houve uma primeira vitória ao conseguir na Justiça que as publicações falsas que atribuíam ao adolescente a imagem de um jovem segurando uma arma fossem retiradas pelo Facebook e os endereços dos computadores dos autores das publicações identificados. “Essas pessoas covardes falam mal do meu filho no Facebook e recebem processo, porque se falassem mal dele na minha frente, eu pulo no pescoço, eu faço o que for, porque ninguém vai sujar a imagem do meu filho”, desabafa.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Maria Medina, mãe de Luan Gabriel, 14 anos, morto após ser baleado por um PM em Santo André, em novembro do ano passado, e Rossana Rodrigues, cujo o filho, Douglas, que tinha 17 anos em 2013 e também morreu vítima de disparo de um policial na periferia da zona norte, estiveram presentes. “É importante as mães se unirem porque isso nos fortalece. É a mesma dor, a mesma sensação de injustiça, de impunidade e cada mãe que perde seu filho nas mãos da polícia, é como se a gente perdesse o nosso de novo”, emocionou-se Rossana.

A manifestação foi convocada por um grupo de mães de escola pública de São Paulo que, apesar de não sentirem a dor da perda de uma criança, se solidarizaram com essas mulheres. “A gente sabe como é difícil o esforço para dar uma educação para os nossos filhos, de se desdobrar de dar o melhor para eles. Meu filho de 5 anos tem olho azul, a gente sabe que existe diferença de tratamento, mas não tem como se omitir diante do que outras mães, negras, passam”, declarou à Ponte, Clara Joana Ciampolini, 36, uma das organizadoras do ato.

“Pela vida de nossas crianças”, dizia cartaz do ato | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Presa por se manifestar

Gritando palavras de ordem contra a intervenção federal do Rio de Janeiro e pedindo a desmilitarização da polícia e o fim do genocídio da população negra, o grupo de manifestantes seguia pacificamente pelas ruas do centro da capital paulista. Ao chegar na Rua da Consolação, o ato, que ocupava uma faixa sentido centro, passou por dois momentos de tensão.

O primeiro aconteceu no cruzamento com a Rua Antônio Carlos, quando policiais da Rocam tentaram liberar a faixa de ônibus. As mulheres que estavam na parte de trás da passeata impediram ao afirmar que, por haver crianças na manifestação, seria perigoso autorizar a circulação dos veículos. Um dos PMs acatou a reivindicação delas afirmando que estava ali para garantir a segurança e os policiais nas motocicletas se afastaram, como a reportagem mostrou.

Na sequência, a autônoma Stella Avalloni acabou presa, próximo à Rua Sergipe, quando policiais militares passaram a fazer provocações gritando “Bolsonaro presidente” e “boceta de ouro” porque as mulheres liberaram a passagem apenas para um carro em que estava uma grávida em trabalho de parto. Ela afirma que foi questionar o PM Allan da Silva Araújo, que, de dentro da viatura, passou a filmá-la e mandou dois beijos.

Um cerco de mulheres se formou no local e a reportagem flagrou os policiais as empurrando, um deles com uma arma para disparar tiros de bala de borracha, quando foram perguntar para qual distrito policial Stella estava sendo levada. “O policial estava a assediando e ela foi colocada na viatura que ele estava. Isso não foi levado em consideração”, contesta Larissa Alana Civa, 25 anos, amiga de Stella que presenciou o momento.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Dentro da viatura, a manifestante afirma que tentou gravar dois vídeos para informar o que estava acontecendo, mas que os policiais Allan da Silva Araújo e Roseli Calo da Silva os apagaram. “Ele estava com a policial feminina e começou a me chamar de ‘otária, agora você vai ver, poderia ter ficado em casa’ e eu fiquei quieta, não respondi a nenhuma provocação. E ele começou a gritar que eu o chamei de estuprador. Eu disse que não fiz isso”, afirma Stella.

A manifestante foi conduzida ao 78º DP (Jardins) por desacato à autoridade. Antes de entrar na delegacia, foi revistada pela PM, que apreendeu seus objetos. Depois, foi submetida a revista vexatória antes dos advogados chegarem ao local. “Me enfiaram numa sala que tinha um monte de cinto e cadarço. Uma policial civil ficou comigo e a PM que me deteve. Ela pediu para eu tirar a roupa, ficar nua, agachar três vezes com as pernas abertas”, contou.

“Ela tirou o arame do meu sutiã, tirou meu cadarço e disse que iam me colocar numa cela. Me deixaram nessa sala, insistindo pra eu liberar meu celular para eles. Liberei um deles, o outro não ia com a minha digital. Disse que precisava ligar para o meu advogado”, prosseguiu.

De acordo com ela, o tratamento só mudou por conta da mobilização de mulheres que foram até o DP. “Aí eu já tava na salinha [de espera] tomando água, eu passei a ser gente”. No braço, ela mostra a marca de um roxo que atribui aos policiais que a puxaram para dentro da viatura.

Stella integra um grupo de mães solo e costuma participar de atos que envolvem a temática. “A gente não esperava que acabaria assim. Uma manifestação pacífica em que estávamos lutando pelos nossos filhos”, desabafou.

A versão dos PMs registrada no boletim de ocorrência diverge do que foi dito por Stella e outras testemunhas. Os policiais afirmam que houve um tumulto, porque as manifestantes não haviam permitido a passagem do carro com a mulher grávida. Quando o policial Allan passou a filmá-los, o texto descreve que Stella “avançou” contra ele, “puxando seu braço e dizendo-lhe que este não poderia filmá-la”. Ele teria pedido para ela se afastar, que em seguida o xingou de “vagabundo” e que por isso foi dada voz de prisão, “sendo necessário o uso moderado da força para dominar e conter a acusada”, diz o BO. “Ela foi revistada e nada de ilícito foi encontrado”, aponta o registro.

Depois de ser ouvida, Stella assinou um termo circunstanciado (documento sobre infrações de menor potencial ofensivo), já que o delegado Luis Guimarães B. Pinheiro entendeu que houve desacato. Ela foi liberada por volta das 19h de domingo e o caso foi encaminhado ao Jecrim (Juizado Especial Criminal).

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Para Rodrigo Rando, advogado de Stella, não houve desacato – falta de respeito a um funcionário público no exercício da função -, porque ela reagiu a um assédio, a uma provocação. “Se a gente pega somente o vídeo que o policial fez, configuraria porque não tem registrado o que ocorreu antes, dá a entender que ela foi unicamente xingá-lo, mas não foi isso que aconteceu, ela foi provocada”, explica.

Além disso, o advogado aponta como uma violação grave a maneira como a revista foi realizada dentro da delegacia. “Foi desproporcional pela alegação de desacato, que é um crime de menor potencial ofensivo, porque esse procedimento é realizado quando se vai para a carceragem. Desacato não é tráfico de drogas”, critica. Rando informou que Stella vai passar um exame pericial em relação ao hematoma do braço e as medidas cabíveis serão tomadas.

A reportagem esteve no 78º DP, mas não conseguiu entrar em contato com o delegado, que havia saído por conta do horário do plantão.

Procurada pela reportagem na noite de domingo, a assessoria de imprensa da SSP (Secretaria de Segurança Pública), feita pela empresa privada In Press, enviou a seguinte nota:

“A PM acompanhava a manifestação, quando policiais tentaram liberar a via para a passagem de um carro, em que uma mulher estava em trabalho de parto. Os manifestantes não obedeceram o pedido e durante as negociações uma mulher ofendeu um dos policiais. Ela foi levada ao 78º DP, onde foi elaborado um termo circunstanciado de desacato e ela liberada”.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A