Atos pró e contra ditadura militar terminam em pancadaria generalizada em SP

31/03/19 por Daniel Arroyo e Maria Teresa Cruz

Compartilhe este conteúdo:

Ativistas contrários ao golpe de 64 tiraram bexigas com formato de 31 de março coladas no vidro do Metrô, foram agredidos e pancadaria começou; bolsonarista carregava uma taser e foto da Ponte ajudou a identificar agressor pró-ditadura

Alexandre José, manifestante pró-ditadura, estava na frente da delegacia e acabou sendo identificado pela polícia por causa desta imagem | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

“Putas feministas”, gritava descontroladamente a ativista Isabella Trevisani, 22 anos, na calçada da Avenida Paulista, região central de São Paulo, carregando na mão direita um tipo de taser – arma que dá choque e é de uso restrito – e na outra um spray de gengibre – que tem os mesmos efeitos da pimenta. Talvez ela não imagine o quanto o feminismo contribuiu para que ela, sendo mulher, pudesse usar shorts e protestar em via pública. O alvo do ódio de Isabella – que se diz advogada mas não tem registro na OAB-SP – eram mulheres militantes da Democracia Corintiana, que tinham participado do ato contra o golpe de 64 pouco antes no Vão do Masp, na mesma avenida.

Isabella Trevisani com spray de gengibre | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Isabella carrega um taser e o símbolo da paz em uma pulseira | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A manifestante é contida por uma policial militar | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Isabella estava com um grupo de ativistas do Despertar Patriótico/Direita Unida, a favor da ditadura militar, e que tinha preparado um bolo para comemorar os 55 anos do início do regime que torturou e matou centenas de pessoas. No ano passado, ela foi candidata a deputada estadual pelo PRTB, mas recebeu apenas 512 votos. Isabella exibe nos braços duas tatuagens: a frase “Brasil acima de tudo” e “Brasil, ame-o ou deixe-o”, lema do regime militar, junto a uma caveira com um quepe com símbolo da bandeira do Brasil. Com camisetas e bandeiras exaltando 1964, o Exército Brasileiro e o presidente Jair Bolsonaro, os ativistas entraram em confronto com um grupo que vestia preto, usava adesivos “Fora, Bolsonaro” e seguia para o Parque do Ibirapuera para a Caminhada do Silêncio, em memória das vítimas da ditadura e em repúdio ao golpe militar.

Manifestantes em confronto na Avenida Paulista| Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A reportagem da Ponte, que havia acompanhado o ato simbólico de queima do boneco do coronel Brilhante Ustra, único torturador reconhecido judicialmente, em frente ao Masp, também seguia para a segunda manifestação contrária ao golpe, quando, na frente da estação Trianon-Masp da linha 3-verde do Metrô, ativistas ligados a diversos movimentos antifascistas tiraram as bexigas coladas no vidro da estação com a data: 31/3/1964. Duas mulheres, entre elas Isabella, reagiram iniciando as agressões, que foram respondidas imediatamente pelo grupo oposto. Não havia nem PM (Polícia Militar) nem GCM (Guarda Civil Metropolitana) no momento. A pancadaria rapidamente ficou generalizada. Com paus de bandeira, socos, chutes, pontapés, os grupos entraram em confronto direto. A reportagem foi atingida por gás do spray de gengibre de Isabella, que descarregava a lata indiscriminadamente no meio das pessoas.

O fotógrafo Daniel Arroyo registrou uma sequência de golpes entre os ativistas.

Balões em formato de números que homenageavam a data de 1964 são arrancados por manifestante contrários a ditadura | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Um dos momentos em que o ativista Leandro, do Juntos pelo Brasil, é golpeado | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Manifestantes em confronto na av Paulista | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Os ativistas pró-ditadura usavam paus de bandeira para agredir os manifestantes contrários ao golpe. Uma das fotos publicadas nas redes sociais da Ponte, ainda na noite de domingo, permitiu que a polícia identificasse um agressor, o vigilante Alexandre José Pereira Neves, que aparece na primeira imagem da reportagem com uma barra na mão. A foto foi vista por testemunhas e cedida ao delegado no momento da lavratura do boletim e isso fez com que Alexandre fosse incluído no B.O. como uma das partes da ocorrência para posterior investigação. Ele vestia uma camiseta com o rosto de Enéas Carneiro – político folclórico que fundou o extinto Prona e se tornou ícone da extrema direita no ano passado -, usava calça de estampa de camuflagem e coturnos e aparece nesta imagem agredindo um integrante da Democracia Corintiana. Ele estava misturado aos militantes pró-ditadura em frente ao DP onde a ocorrência foi registrada na noite deste domingo.

Alexandre José agride manifestante contrário a ditadura | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Uma das vítimas, Marcus Santana, estava passando pelo local e ao ver o quebra-quebra, decidiu tentar ajudar a separar. Levou a pior. “Eu estava com o intuito de ajudar a acabar com aquilo. As pessoas estavam se agredindo, um absurdo, fugiu do controle totalmente. Quando eu me aproximei de um cara gordinho de camiseta cinza para perguntar o que estava acontecendo, ele levantou alguma coisa que segurava nas mãos, até agora não sei o que é, e me atacou. Tive o reflexo rápido de me defender com o braço, poderia ser pior”, contou Marcus que vestia uma camiseta contra o fascismo. “Penso que há ideias boas na direita e na esquerda. Mas extremismo, fascismo, não dá”. Marcus teve ferimentos na cabeça, no braço esquerdo e perto do tornozelo. Ele fez questão de comparecer ao 78º Distrito Policial onde a ocorrência foi registrada para depor e contar a versão dele dos fatos.

Marcus Santana é agredido por manifestante favorável ao golpe de 1964 | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Já na delegacia, Marcus mostra os ferimentos | Foto: Maria Teresa Cruz/Ponte Jornalismo

O braço evitou que o estrago da agressão fosse maior | Foto: Maria Teresa Cruz/Ponte Jornalismo

Já na delegacia, Marcus mostra os ferimentos | Foto: Maria Teresa Cruz/Ponte Jornalismo

Também esteve na delegacia o agricultor Guilherme Flach, que estava passeando na Avenida Paulista, quando também encontrou a briga e se aproximou por curiosidade. Como estava próximo do grupo antifascista, passou ser alvo de xingamentos e começou a fazer uma transmissão ao vivo do seu celular pelo Instagram. Neste momento, Isabella o ameaçou com uma taser. “Ela me deu um tapa e começou a gritar que eu tinha batido nela, que eu era agressor. Eu disse que não, ela jogou spray na minha cara. Eu vim aqui na delegacia porque quero fazer um boletim de ocorrência contra ela por calúnia e uso de arma de uso restrito”, afirmou Guilherme.

Momento exato em que Isabella ameaça Guilherme com a taser

Leandro Mohallem, bolsonarista do Juntos Pelo Brasil e que estava com o grupo pró-ditadura, foi derrubado no chão e atingido por chutes na cabeça. Sangrando, ele negou o pedido da Ponte de entrevistá-lo sobre as agressões que ele sofreu. “A Ponte apoia essas coisas. Vocês são culpados”, disse aos berros. Ele é assessor da deputada federal Carla Zambelli (PSL). Em 2016, Leandro foi um dos organizadores de um protesto pró-Trump e aparece neste vídeo da Ponte fazendo um discurso em um inglês de difícil compreensão.

Leandro é agredido com um chute no rosto | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Leandro se negou a falar com a Ponte para contar a sua versão: ‘Vocês defendem esse tipo de coisa’ | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A GCM e a PM chegaram depois que os ânimos já estavam mais calmos. Contudo, em frente a Fiesp, um grupo de militantes do PCO (Partido da Causa Operária) tentou passar e a pancadaria recomeçou, mas foi controlada mais rapidamente. Um único manifestante ligado a movimentos antifascistas foi detido e reconhecido como um dos agressores por três militantes pró-ditadura. Dalton Henrique dos Santos foi colocado algemado na viatura da GCM enquanto levava um sermão de Davi Benedito, 57 anos. “Você acha certo isso, rapaz? Tomei três pauladas na cabeça, isso não é pra brincar, eu poderia ter morrido”, dizia o exaltado militante bolsonarista.

Ao observar a nossa presença, ele assume um tom de denúncia. “Eles não vieram para brincar, vieram para arrebentar. A gente está só comemorando 64, isso é um direito. Vivemos na democracia. Eles vieram do Masp para nos arrebentar. O que eles fizeram hoje com a gente foi um crime. Nós estávamos pacificamente, vieram os militantes do PCO, jogaram spray de pimenta no meu olho”. Argumentamos que era uma militante pró-ditadura que ostentava um spray, inclusive atingindo a reportagem, mas ele argumentou que era impossível que ela o atacasse porque eram conhecidos. “Quem jogou foi um moleque que veio me dar porrada depois”, encerrou.

Manifestante contrário ao golpe de 1964 foi o único detido pela GCM | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Davi Benedito perdeu um dos dentes na briga | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

‘Eles não vieram de brincadeira, eles vieram para arrebentar. A gente tem o direito de comemorar o golpe, vivemos numa democracia’, diz Davi Benedito | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Na frente da delegacia, militantes bolsonaristas e pró-ditadura se uniram e passaram a fazer ameaças ao único detido do domingo, ligado ao movimento antifascista. “A gente vai acabar com ele a hora que sair por essa porta”, disse um rapaz que vestia uma camiseta escrito Exército Brasileiro. Enquanto o delegado decidia como ia conduzir o caso, policiais militares chegaram com dois detidos. Os pró-ditadura se alvoroçaram e quando o porta-malas da viatura abriu, Isabelle, que a todo tempo fazia stories contando ter sido agredida na Avenida Paulista, fotografou a dupla e postou nas redes sociais com a seguinte legenda:

Detalhe: os dois não tinham nada a ver com a ocorrência na avenida Paulista e estavam sendo presos por outro motivo.

Como a tentativa de assoprar velinhas para o golpe de 64 não deu certo na Avenida Paulista, os militantes pró-ditadura levaram o bolo na noite deste domingo e cantaram os parabéns em frente ao 78º DP, onde a ocorrência foi registrada. Uma das testemunhas relatou à Ponte que uma confusão aconteceu no interior da delegacia e o computador onde era registrada a ocorrência desligou perdendo grande parte dos depoimentos.

O delegado Mauricio de Thomazi Guedes ponderou que o caso é complexo por envolver muitas versões e que precisará de diversas diligências ao longo da semana para chegar a alguma conclusão para um possível inquérito. “As partes alegam versões conflitantes que precisam ser melhor esmiuçadas e colhidas de forma serena bem como perquiridos alguns aspectos fáticos relevantes, tais como as extensões das lesões de todas as partes, a intenção dos agressores, as circunstancias que cercaram os fatos, em tempo adequado e longe das paixões despertadas no calor dos fatos”, escreveu o delegado no B.O..

A ocorrência foi qualificada como lesão corporal de natureza grave e ameça, as vítimas estão “a esclarecer” e o delegado ouviu 5 pessoas como testemunhas e 8 pessoas – entre pró e contra ditadura – como “partes”. Dalton, o único detido, foi liberado e deverá ainda ser ouvido ao longo da semana. A taser de Isabella foi apreendida e o delegado confirmou que é uma arma, embora possivelmente de origem paraguaia, de uso restrito. “Pode matar gente cardíaca, por exemplo”, disse um investigador no corredor da delegacia.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: