x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Depois da Grades – Andresa Ruiz: ‘Eu posso apertar a sua mão?’

15/12/20 por por Claudia Belfort, especial para Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

Ela tinha quatro filhos quando foi presa pela primeira vez e viu sua família se desintegrar

Para suportar as contrações do parto, Andresa Augusto Ruiz, hoje com 44 anos, apertava com força a mão de dona Jéssica, um apoio  que foi buscar onde não poderia. “Dona Jéssica, eu posso apertar sua mão? Eu não tenho ninguém de minha família aqui”, pediu Andresa, com sua voz de menina. A senhora aquiesceu. “Mas eu também pedi para ela não contar para as meninas lá dentro que eu peguei na mão da funcionária, porque elas podiam me ver com outros olhos”, lembra. Dona Jéssica é agente penitenciária e existe uma regra informal no sistema carcerário que proíbe a presos e presas o contato físico com carcereiros ou quaisquer outros funcionários de unidades prisionais.

Laura nasceu de parto normal no Hospital Geral de Vila Penteado, na zona norte da cidade de São Paulo, sob a fiscalização de duas agentes, em 17 de julho de 2017, seis meses depois de Andresa ter sido presa por tráfico de drogas. Era sua sexta filha. Atualmente, no Estado de São Paulo, segundo dados da Coordenação de Reintegração Social da Secretaria de Administração Penitenciária, 76% das mulheres apenadas foram condenadas por crimes relacionados ao tráfico de entorpecentes.

Leia mais: Mulheres presas têm 20 vezes mais chance de se suicidar do que população em geral

“O processo de criminalização feminina demanda uma análise de uma seletividade muito específica, que envolve violência familiar, violência doméstica, gravidez na adolescência e uma das piores chagas ainda vividas na nossa sociedade que é o racismo”, afirma Soraia da Rosa Mendes, doutora em direito pela Universidade de Brasília,  advogada da área de direitos humanos e autora do livro Criminologia Feminista: novos paradigmas (Saraiva JUR, 2017).

A história de Andresa abre a série Depois das Grades, com oito capítulos semanais, sobre o que acontece nas vidas de pessoas que passaram pelos cárceres brasileiros.

Veja aqui a reportagem completa

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>