x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Depois das Grades – Nem monstro, nem lixo: Pastor Marcelo

26/01/21 por Claudia Belfort, especial para Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

O amor levou Marcelo Loreno a deixar o PCC, por quem matava e morria, por uma vida longe do crime, mas ele sofre com a falta de oportunidades: “Se a sociedade fecha as portas, o crime espera de braços abertos”

Os 23 anos em que ficou preso, 15 dos quais como integrante da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), não embruteceram o coração de Marcelo Loreno, 47 anos. Sentado à cabeceira da mesa do belo apartamento onde vive com a esposa e a filha, na zona leste da cidade de São Paulo, seus olhos ainda marejam quando lembra do dia em que foi abandonado pela mãe, na praia de Santos, litoral paulista.

Marcelo, que chegou a se achar um monstro dentro do sistema prisional, além fazer alguns bicos como pintor, atua como voluntário junto a pessoas em situação de rua no Pátio do Colégio e na Praça da Sé, centro da cidade, onde distribui sopão e café. Aos domingos sai de casa às cinco de manhã, para visitar dependentes químicos — muitos com problemas com a Justiça — de áreas vulneráveis nas quebradas paulistanas, levando pão, café, leite e a palavra divina, que orienta sua vida — primeiro como membro da Igreja Mundial do Reino de Deus e hoje na igreja que ele próprio fundou.

A iniciativa de Marcelo une duas pontas muitos frágeis da sociedade e ao mesmo tempo atua numa lacuna do Estado. “Os grupos mais vulneráveis hoje são a população carcerária e as pessoas em situação de rua, e são as que mais precisam de políticas públicas”, afirma Sidney Teles, articulador da Raesp (Rede de Apoio ao Egresso), organização carioca que reúne 15 instituições parceiras voltadas à inserção social do egresso. “Não existe uma política pública nacional de assistência à pessoa egressa. As pessoas saem, ficam sem perspectiva e acabam reincidindo”, diz Mariana Leiras, assistente social de uma das fundadoras da Raesp.

Leia a reportagem completa no site do Depois das Grades

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>