x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Deputado pede CPI sobre violências em universidades paulistas

19/11/14 por admin

Compartilhe este conteúdo:

Adriano Diogo quer investigar violações em festas e trotes de faculdades de São Paulo. Para ser aprovada, CPI precisa de 32 assinaturas
Adriano Diogo

Adriano Diogo, presidente da Comissão de Direitos Humanos – Foto: Alesp

O deputado Adriano Diogo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp (Assembleia Legislativa de SP), propôs um requerimento,  na última terça-feira (18/11), para recolher assinaturas para a instauração de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar as denúncias de violações de direitos humanos ocorridas em universidades- públicas e privadas- do Estado de São Paulo, em trotes, festas e no cotidiano acadêmico.

O objetivo da proposta é “investigar, apurar e responsabilizar graves violações de direitos humanos ocorridas nas universidades do estado de São Paulo, por ocasião dos trotes, festas e ajuntamentos que tenham por objetivo ações coercitivas de exposição dos alunos a práticas de perversidade”, afirma Diogo.
Para que a abertura da CPI seja levada para votação em plenário, no entanto, é preciso que 32 parlamentares assinem o documento. “Na oposição, há 24 deputados [do PT, PCdoB e Psol] que nos acompanham. A boa notícia é que, em conversas, mesmo por parte dos partidos da base de sustentação [do governador Geraldo Alckmin] não há restrições à iniciativa”, explica Diogo, que iniciou a coleta de assinaturas na terça-feira e continuará até sexta-feira, 21.
Independente da instalação da CPI, no dia 25 haverá uma segunda audiência para tratar das violências na FMUSP, para a qual foi convocado José Otávio Auler, diretor da instituição.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>