Em bilhete, PCC planeja matar promotor e coordenador de penitenciária de SP

Correspondências estavam escritas em códigos e foram apreendidas com duas mulheres, que acabaram presas pelas evidências de que colaboram com a facção criminosa

A polícia investiga se carta teria sido escrita por Marcola; ela seria levada para fora por duas mulheres após visita à P2

Em carta apreendida com duas mulheres na saída da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau neste sábado (8/12), cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital) dá aval para o assassinato do promotor Lincoln Gakiya, que investiga há anos a facção, e, segundo as investigações, do coordenador da unidade prisional Roberto Medina. A polícia investiga se o bilhete teria sido escrito por Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado pelo MP como líder do PCC (Primeiro Comando da Capital).

O motivo é a possível transferência dele e outros integrantes da cúpula da facção para um presídio federal, pedido feito pelo MPE (Ministério Público Estadual) depois que um plano de resgate foi descoberto. Na ocasião, a Justiça de SP chegou a mandar fechar o aeroporto da cidade.

Maria Eliane de Oliveira e Alessandra Cristina Vieira tinham ido visitar Marcola e o companheiro de cela Maurinho e foram presas pela Rota com as seguintes correspondências: uma impressa enviada por integrantes da facção que estão nas ruas para a cúpula do PCC informando sobre as possibilidades de colocar o plano de vingança em prática, uma escrita a mão dando aval para a execução e um bilhete de contabilidade da movimentação de drogas da facção.

Mulheres foram presas acusadas de pertencerem ao PCC

Na carta 1, endereçada ao comando da facção, os criminosos usam a expressão “frango”, em alusão ao abate de animais, para indicar os decretados. “Tá na mão tudo os endereços que ele vai tá mapeado. Dá pra fazer ele a hora que quiser. Já tem o carro, os horários tudo dele”. De acordo com apuração da equipe do MP que decodificou a carta, a pessoa citada é Roberto Medina, coordenador da penitenciária. Em outro trecho do bilhete, eles falam da necessidade de dar o salve do “frango japonês” se referindo ao promotor Lincoln Gakiya. “É um pouco mais complicado, mas dá pra fazer também a hora que quiser. O que tá pegando é que a cidade dele é bem maior que W [referência a Presidente Venceslau]”.

 

Carta levada para cúpula do PCC estava escrita em códigos e resposta foi feita da mesma forma

Na correspondência que a polícia investiga se foi escrita por Marcola, há o pedido expresso do cumprimento do plano. “Essa missão é de extrema [importância], pois se o amigo aqui for para a federal, essa situação tem que ser colocada no chão de qualquer forma”, indica trecho da carta. No final, o líder também ressalta desconfiar da existência de traidores na facção, uma vez que a “carona”, termo usado para o plano de fuga, não deu certo.

No boletim de ocorrência, o delegado Adalberto Gonini Junior pediu a prisão preventiva das duas mulheres pelas evidências de que atuem em colaboração com o PCC (artigo 2 da lei 12850/13). “Com absoluta certeza são integrantes do crime organizado e com esta colaboração de signatárias de informações em códigos, promovem ou ajudam a promover as barbáries que estamos acompanhando todos os dias”, escreve Gonini.

Nas indicações, quantidade de drogas, valores e pavilhões onde estão responsáveis

No bilhete, a indicação do faturamento no comércio de drogas por pavilhão, a distribuição de valores a serem pagos para a facção e o que fica para os operadores, além dos responsáveis por cada setor.

Marcola quer evitar a todo o custo a transferência para uma unidade federal, porque isso poderia impactar os negócios da facção bem como toda a articulação de rede. Em reportagem da Ponte sobre a extradição de Marcelo Piloto, integrante do CV (Comando Vermelho) e a ida dele para o presídio de Catanduvas, a socióloga Camila Nunes Dias, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV-USP) e uma das principais estudiosas do crime organizado no Brasil, explicou que o controle da unidade federal é maior. “O sistema federal é totalmente diferente dos estaduais. É um sistema que, de fato, não da pra dizer que impede a continuidade das atividades, mas ele é bastante limitador. Tem escutas, todo o contato com visitas e mesmo com advogados é monitorado, controlado. E, nesse sentido, a manutenção dele [Marcelo Piloto] no presídio federal certamente terá um impacto maior para a continuidade dos negócios”, explicou.

Códigos internos da facção foram desvendados por equipe de investigação do Ministério Público

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas