Galeria: Vestígios, uma face da Cracolândia que você ainda não viu

    Fotos de Daniel Arroyo mostram vestígios de humanidade abandonados no chão da Cracolândia após operações do Estado que expulsaram moradores do local

    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

    Vestígios: substantivo masculino. Rastros; indícios; as marcas da ocorrência ou da passagem. Fragmentos de uma realidade  que não existe mais.

    As duas operações  efetuadas pelo governo do Estado e pela Prefeitura de São Paulo na região da Cracolândia, no final de maio e início de junho ,expulsaram as pessoas que viviam naquele território. A primeira ação foi no quarteirão da rua Helvétia com as alamedas Dino Bueno e Barão de Piracicaba e depois na praça Princesa Isabel. Essas operações violentas ocorreram logo pela manhã, surpreendendo a todos que habitavam o lugar. Era preciso sair rapidamente e, assim, as pessoas não conseguiam carregar todos os seus pertences, deixando muitos itens pra trás.

    O que ficou pelo chão foi uma mistura de objetos pessoais, restos de alimentos, cachimbos improvisados e lixo. Esse conjunto de coisas espalhadas pelo território revelavam vestígios, fragmentos de histórias que provavelmente não seriam contadas.

    Eram vestígios de humanidade, pertences que poderiam ser encontrados em qualquer casa, de qualquer pessoa. As imagens mostram que a dependência química é apenas  parte de um todo. Uma pequena história dentro de uma história maior, uma história de vida.

    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
    Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas