x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

GOG conecta Brasília e diáspora africana para falar de seus 30 anos de hip hop

23/05/20 por Antonio Junião e Pedro Ribeiro Nogueira

Compartilhe este conteúdo:

Com 11 discos gravados e mais de 200 músicas, rapper relembra trajetória e homenageia pessoas que ajudaram a construir os caminhos da luta contra o racismo

Genival Oliveira Gonçalves, 55 anos recém completados, o GOG, é um dos precursores da cultura hip hop no Brasil. Para comemorar seus 30 anos de carreira, lançou novos trabalhos, em março deste ano: o EP Talismã e o videoclipe da música Anfitriã. Em entrevista à Ponte Jornalismo, o rapper falou sobre seu início de sua carreira, suas influências musicais, dos novos trabalhos, de como anda o cenário da cultura, do rap nacional e também do Brasil frente à pandemia de coronavirus.

Nascido em Sobradinho, cidade satélite de Brasília, GOG é da primeira geração do hip hop brasileiro. Conhecido como “O poeta do rap nacional”, teve seu primeiro sucesso com a música Brasília periferia, que faz parte do disco Dia a dia da periferia, lançada em 1994. Segundo o autor, esse seu primeiro sucesso revolucionou a visão que as pessoas tinham da quebrada. “As vozes das quebradas não eram reconhecidas, só eram vistas nos noticiários policiais, com preconceito, e de repente elas estavam ali, em um disco. E isso causou surpresa nas pessoas”, dispara o autor.

Foto: Divulgação/Rafael Berezinski

O rapper, que tem 11 discos gravados e mais de 200 músicas, relembra sua trajetória e faz referências à diáspora africana, ao conhecimento do povo preto e rende homenagens a pessoas ilustres que ajudaram a construir os caminhos da luta social contra o racismo.

O videoclipe da música Antriã foi gravada no Teatro Popular Solano Trindade, em Embu das Artes (Grande SP) e traz personagens que fazem parte da história do movimento antirracista, como Regina Lúcia, Milton Barbosa e José Adão, fundadores do MNU (Movimento Negro Unificado) e também tece homenagens aos fundadores do Teatro e dissipadores da cultura, como Solano e Raquel Trindade.

E GOG deixa seu recado sobre o Brasil de hoje, as lutas periféricas contra as violências sociais, a solidariedade, a soberba frente à pandemia e a importância que o rap tem nesse cenário todo: “Quem está reclamando são os grandes, os pequenos estão trabalhando e se organizando para se manterem vivos”.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>