Líder comunitária desaparece e seu carro é encontrado carbonizado

Vera Lúcia da Silva desapareceu no Grajaú, periferia da zona sul da cidade de SP; em seu carro havia um corpo, mas Polícia Civil ainda não confirmou identidade

A cozinheira Vera Lúcia foi vista a última vez na quinta-feira e seu carro foi encontrado carbonizado | Foto: reprodução

A cozinheira Vera Lúcia da Silva Santos, 64 anos, fundadora da Associação Comunitária Auri Verde, localizada no Grajaú, periferia da zona sul da cidade de São Paulo, desapareceu na manhã da última quinta-feira (16/7). Seu carro foi encontrado dois dias depois, no sábado (18/7), carbonizado e com um corpo no porta-malas.

De acordo com a Polícia Civil, ainda não é possível afirmar que o corpo encontrado é de Vera, já que a ossada estava carbonizada. A Secretaria da Segurança Pública informou que o carro de Vera passa por perícia e o corpo encontrado por exame necroscópico. O desaparecimento de Vera foi registrado no 85º DP (Jardim Mirna) pelo delegado Pedro Luis de Sousa.

Leia também: Moradora do Grajaú usa literatura para discutir a ‘travestilidade’ da quebrada

Segundo consta no boletim de ocorrência, Vera saiu de carro da rua Camilo Cortellini, no Grajaú, por volta das 10h da quinta-feira e não foi mais vista. Seu filho tentou ligar, mas outra pessoa atendeu afirmando que era dona do aparelho. Depois disso, o celular da líder comunitária foi desligado.

No sábado (18/7), por volta das 12h49, o carro de Vera foi encontrado carbonizado com um corpo no porta-malas. A polícia passou a investigar o caso como homicídio qualificado e o caso foi encaminhado para o DHPP.

O veículo foi encontrado na rua Doutor Pedro de Castro Valente, também no Grajaú, 5 km de distância do local em que Vera foi vista pela última vez. Segundo o delegado Fabio Akira Tokuda, do 101ºDP (Jardim das Imbuias), não é possível afirmar que o corpo encontrado é de Vera, já que a ossada estava carbonizada.

Construa a Ponte!

Vera Lúcia transformou a infância difícil em luta. Ela nasceu em Taperoá, no sul da Bahia, e aos 7 anos foi adotada e levada para São Paulo. Começou sua trajetória como doméstica e, em 1992, fundou a Associação Comunitária Auri Verde, que atua como trabalho comunitário para promover a garantira de direitos às pessoas sem acesso a princípios básicos, como saneamento básico, pavimentação e energia elétrica. A associação, inclusive, fez um documentário contando a história dela.

A Auri Verde também atua em 6 CEIs (Centros de Educação Infantil) e um CCA (Centro para Crianças e Adolescentes), na região do Grajaú, que proporcionam, juntos, espaços culturais e de educação para crianças e adolescentes.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas