x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Memorial dos Aflitos resgata execução de negro que batizou a Liberdade, em São Paulo

09/10/20 por Abílio Ferreira

Compartilhe este conteúdo:

Escritor e jornalista Abílio Ferreira conta por que a criação do memorial, na região central de São Paulo, é oportunidade de revelar a permanência do passado

No dia 20 de setembro, um cortejo voltou a singrar pelas ruas do bairro da Liberdade, em São Paulo. Realizado pelo terceiro ano consecutivo, o encontro, que sai da Igreja São Gonçalo e termina na Capela dos Aflitos, a poucas centenas de metros, celebra a memória de outros setembros, acumulados ao longo de quase dois séculos e meio de história do Brasil e de São Paulo. O primeiro deles ocorreu no dia 20, em 1821, data da execução do cabo Francisco José das Chagas e do seu companheiro de batalhão, Joaquim José Cotindiba, condenados à pena de morte por se insurgir contra a desigualdade de tratamento, dado pela Coroa portuguesa, aos militares brasileiros e lusitanos.

O episódio marcou para sempre o imaginário popular. Executado Cotindiba, diante da sádica curiosidade do povo, chegou a vez de Chaguinhas, cuja morte não seria rápida. “Primeiro,” conta Roberto Pompeu de Toledo em A Capital da Solidão, “rompeu-se a corda que suspendia o condenado pelo pescoço. Mandou-se então trazer, de um açougue próximo, uma tira de couro. Em vão. O couro também acabou por se romper, ao peso do condenado.” Houve ainda uma terceira tentativa frustrada, quando Chaguinhas, conforme relato do padre Antônio Diogo Feijó, testemunha ocular do enforcamento, “já em terra foi acabado de assassinar”.

O fim do cortejo na frente da Capela dos Aflitos, em São Paulo | Foto: João Leoci

Tais circunstâncias foram imediatamente associadas, de um lado, à providência divina; de outro, à intransigência do governo provisório, formado por conservadores e liberais, e do príncipe regente, face ao clamor do povo que, em praça pública, pedira por “liberdade! Liberdade!! Liberdade!!!”. Como atesta a versão popular registrada por Pompeu de Toledo, anos depois, esse episódio teria levado o Largo da Forca a ficar conhecido como Largo da Liberdade, nome que depois se estendeu para todo o bairro. Uma cruz tosca de madeira foi fincada no local, onde também se passou a cultivar o hábito de acender velas, que, diga-se, nunca se apagavam, mesmo com o vento e a chuva.

Leia também: Com Iemanjá, Exu e Ogum, Ilu Inã faz o cortejo de carnaval nas ruas do centro de SP

Décadas mais tarde, ergueu-se ali, à marguem do Caminho do Carro de Santo Amaro (atual Avenida Liberdade), onde convivem a Praça Liberdade-Japão e o Metrô Japão-Liberdade (antigo Largo da Forca), a Igreja de Santa Cruz das Almas dos Enforcados, com a sua primeira missa datada de 1º de maio de 1891.   

No dia sete de setembro do ano seguinte à execução dos dois militares, sob o signo da liberdade – mas com a continuidade da escravidão –, era proclamada a independência do Brasil; abolido formalmente o regime escravista, em maio de 1888, e proclamada a República, em novembro de 1889, a liberdade ainda não era para todas e todos a/os brasileira/os. Prova disso foi o rápido crescimento da Frente Negra Brasileira (FNB), sediada na Avenida Liberdade, 602, onde hoje é a Casa de Portugal.

Abílio chega à Praça da Liberdade liderando o cortejo | Foto: João Leoci

Fundada no dia 16 do mesmo mês de setembro, em 1931, oferecia à população políticas públicas básicas, como recreação e acolhimento, alfabetização, atendimento jurídico e de saúde, orientação profissional e financiamento da casa própria, entre outros serviços. Em apenas seis anos, a FNB conquistou milhares de apoiadoras e apoiadores em todo o estado de São Paulo e em várias localidades do país, inscrevendo-se como partido político em 1936. Foi, porém, extinta no ano seguinte pelo Estado Novo de Getúlio Vargas.

Ajude a Ponte!

No último dia 09 de setembro – será um acaso? – foi editado o Decreto Municipal 59.750, que declara de utilidade pública, para a construção do Memorial dos Aflitos, os terrenos onde foram encontradas, em dezembro de 2018, nove ossadas remanescentes do Cemitério dos Aflitos, que funcionou de 1775 a 1858 a cerca de 100 metros do Largo da Forca. No final do Beco dos Aflitos, alameda que, a partir da Rua dos Estudantes, corta ao meio o Cemitério, fica a Capela de Nossa Senhora dos Aflitos, santa cujo dia, comemorado pelos fieis em todo o mundo, é 24 de setembro. Não. Não é um acaso.   

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>