Pastoral Carcerária Nacional lança minidocumentário sobre tortura em prisões do Brasil

    Minidocumentário está dividido em duas partes. A primeira delas, “A Tortura como Política de Estado”, trata das novas roupagens da tortura dentro do sistema carcerário e é lançada, com exclusividade, pela Ponte Jornalismo

    Por Pastoral Carcerária Nacional, especial para a Ponte Jornalismo

    Caramante
    Cena do minidocumentário “A Tortura como Política de Estado”, produzido pela Pastoral Carcerária Nacional | Reprodução

    A tortura não é exceção, mas instrumento inerente ao sistema carcerário. As precaríssimas condições das prisões, onde viceja toda a ordem de violação da integridade e da dignidade humana, são em si mesmas torturadoras. O encarceramento massivo das camadas mais pobres da população, que é o mesmo povo periférico que sempre viu negado seus direitos e acesso aos programas sociais, se apresenta como uma política torturadora dos marginalizados.

    No sistema prisional brasileiro, que já conta com mais de 600 mil pessoas, a tortura se reinventa e amplia suas técnicas. Se dentro das prisões ela é multifacetada, na lógica do Estado Penal a tortura extrapola os muros das cadeias, iniciando-se na abordagem policial das pessoas pobres e se estendendo às famílias das pessoas presas através, por exemplo, da infame revista vexatória.

    Para denunciar esse bárbarie, a Pastoral Carcerária apresenta o minidocumentário “Tortura e Encarceramento em Massa no Brasil 2015″, organizado em duas partes. A parte 1, intitulada “A Tortura como Política de Estado”, trata das novas roupagens da tortura dentro do sistema carcerário. Já a parte 2, “As Mulheres e o Cárcere”, abordará as torturas sofridas especificamente pelas mulheres presas.

    Queremos que esse material seja mais um instrumento na luta contra o encarceramento em massa, e que contribua para traçarmos o caminho para a construção do tão almejado “mundo sem cárceres”.

    Veja a primeira parte “Tortura e Encarceramento em Massa no Brasil 2015″

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas