PCC planejava ataque terrorista e colocar culpa no rival Comando Vermelho

Facção criminosa paulista pretendia atacar seis diferentes cidades do país com carros-bomba; integrantes se inspiraram na guerrilha colombiana Farc

Vida Loka (primeiro à esq. abaixo) e Tiriça (terceiro) integram a liderança do PCC | Foto: Reprodução

Explodir o prédio do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), cometer ataques com carros-bomba nas cinco maiores capitais do País; sabotar as redes nacionais de transmissões de energia elétrica; sequestrar, torturar e matar agentes penitenciários federais.

Esses foram os planos terroristas arquitetados pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) dentro da Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, em represália à suspensão das visitas íntimas nos presídios federais.

Segundo a Polícia Federal, a meta do PCC era cometer os ataques neste mês, no período eleitoral, mas reivindicar a autoria dos atentados em nome do rival CV (Comando Vermelho) para se eximir das eventuais responsabilidades criminais. Antigas aliadas, as facções estão em guerra desde 2016.

Agentes da PF apuraram que os planos terroristas foram arquitetados pelos presos Abel Pacheco de Andrade, o Vida Loka, Roberto Soriano, o Tiriça, e Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho.

Vida Loka era monitorado pelos agentes desde junho de 2017, quando suas conversas com Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foram interceptadas com autorização judicial na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Ação tinha como objetivo cobrar o Governo Federal para as reivindicações da facção | Foto: Reprodução

Nos diálogos, Beira-Mar diz a Vida Loka que as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e traficantes ligados ao cartel de Pablo Escobar usavam carros-bomba em ataques terroristas e também sabotavam as redes de transmissão de energia para alcançar seus objetivos.

Dias depois dessas conversas com Beira-Mar, Vida Loka foi transferido para a Penitenciária Federal de Porto Velho, mas não deixou de ser monitorado.

Ainda segundo a PF, vários bilhetes escritos por Vida Loka e Andinho foram apreendidos nas caixas de esgotos da unidade prisional e exames grafotécnicos realizados por peritos constataram que as letras eram de ambos.

Os bilhetes apreendidos indicavam que Vida Loka, Andinho e Tiriça planejavam usar um carro-bomba com 50 kg de explosivo plástico C-4, o artefato com maior poder de destruição, para derrubar o prédio do Depen, em Brasília. A ideia dos presos era detonar os explosivos utilizando um dispositivo de acionamento à distância.

Depois do ataque, um integrante do PCC se encarregaria de ligar para as forças de segurança, para assumir a autoria do atentado, mas em nome do Comando Vermelho, facção que já foi aliada e que hoje é a maior rival da organização paulista.

Além de Vida Loka (à esq.) e Tiriça, Andinho (à dir.) também planejava os ataques | Foto: Reprodução

Além dos bilhetes apreendidos, agentes federais também monitoravam conversas de Vida Loka, Andinho e Tiriça com outros presos durante o banho de sol no presídio.

Segundo a Polícia Federal, as mulheres dos presos também estão envolvidas na ação criminosa e tinham a função de informar os detalhes dos planos terroristas e de pedir apoio logístico aos demais líderes do PCC presos na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior paulista.

O PCC chegou até a montar uma “casa de apoio” em Porto Velho para manter os planos terroristas em andamento.

O objetivo da facção era explodir o prédio do Depen em represália à suspensão das visitas íntimas nos presídios federais, em vigor desde julho de 2017, e em protesto à instalação do aparelho de scanner corporal na unidade prisional.

Além de sabotar redes de transmissão de energia, o PCC planejava usar outros cinco carros-bomba, cada um com 50 kg de explosivo C-4, em ataques nas cinco maiores capitais brasileiras. A onda de atentados terroristas ocorreria agora no período eleitoral e seria uma forma de forçar o Governo Federal a atender as reivindicações da maior facção criminosa do Brasil, com 10 itens (confira abaixo).

Documento em que são listadas as 10 reivindicações do PCC | Foto: Reprodução

A Polícia Federal pediu a internação de Vida Loka, Andinho e Tiriça no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado). Os três também tiveram a prisão preventiva decretada e foram enquadrados na lei de terrorismo.

Eles são apontados como integrantes do mais alto escalão do PCC e, segundo o Ministério Público de São Paulo, na hierarquia da facção estão abaixo apenas de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como o líder máximo da organização. Ele nega ser integrante do grupo.

Vida Loka, Andinho e Tiriça já cumpriram pena na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau e foram um dos primeiros integrantes do PCC a serem removidos para presídios federais.

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal não pediram a prisão das mulheres dos três. Porém, elas estão proibidas de visitar os maridos, como forma de coibir a troca de informações com os mesmos.

EXÉRCITO EM PRESIDENTE VENCESLAU

As forças de segurança também investigam uma possível ação de resgate de presos na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde está recolhida a liderança do PCC.

Há rumores de que tropas do Exército, deslocadas de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, vão desembarcar nas próximas horas na cidade para reforçar a segurança. A reportagem não confirmou oficialmente esta informação até a publicação da matéria.

Detalhamento de como seriam feitos os ataques com os carros-bomba | Foto: Reprodução

Na última quarta-feira, o juiz-corregedor da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, Gabriel Medeiros, determinou a interdição, por 20 dias, da pista do aeroporto municipal, que fica a dois quilômetros da unidade prisional. O clima na cidade é de tensão. Agentes penitenciários foram orientados a redobrar a cautela.

O governo do Estado mandou para a cidade vários homens da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e do Comando de Choque, unidades de elite da Polícia Militar.

Na manhã deste sábado (13/10), a Polícia Civil de São Paulo realizou uma ação nas pensões onde ficam hospedadas as mulheres que visitam os presos no final de semana.

As ações ocorreram nas cidades de Presidente Bernardes, Martinópolis e também em Pacaembu. Os policiais procuram bilhetes endereçados aos presos.

Em Martinópolis, duas mulheres foram presas e com elas apreendidas cartas destinadas aos detentos, além de drogas.

Registro de conversa entre Vila Loka e Fernandinho Beira-Mar | Foto: Reprodução

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A