PM de MG mata adolescente por confundir celular com arma, dizem moradores

    Conforme testemunhas, estudante de apenas 14 anos estava sentado, conversando com amigos, quando policiais militares o mataram

    Pedrinho, 14 anos, foi morto pela Polícia Militar de Minas Gerais | Foto: Reprodução/Facebook

    O estudante Pedro Henrique Costa, de 14 anos, foi morto com diversos tiros efetuados pela Polícia Militar de Minas Gerais, na noite da última sexta-feira (19/8), na região oeste de Belo Horizonte. De acordo com testemunhas, os PMs teriam confundido o celular do adolescente com uma arma de fogo.

    Moradores do bairro Vila Embaúbas afirmam que ações truculentas da Polícia Militar na região são comuns. De acordo com um morador, Pedrinho, como o estudante era conhecido, estava sentado à beira de um córrego que atravessa o bairro conversando com amigos quando uma viatura da PM ia passar.

    Ao notar a presença da PM, e sabendo do histórico de ações violentas dos agentes, ainda conforme um morador, o adolescente se levantou e colocou a mão no bolso para pegar o celular. Imediatamente, os policiais militares começaram a disparar contra o menino.

    De acordo com o Conecta Cabana, veículo jornalístico que atua na região onde aconteceu o crime, Pedrinho foi atingido por nove tiros. A página disse ainda que, no registro feito na Polícia Civil, os PMs afirmaram que o adolescente estava armado e teria apontado para os militares. Versão contestada por moradores. A Ponte não teve acesso ao boletim de ocorrência.

    Após a morte do adolescente, moradores da região foram às ruas protestar contra a violência praticada pela Polícia Militar e pedindo por justiça. O ato, que tentou fechar a principal avenida do bairro, durou cerca de 40 minutos, até a PM chegar e dispersar os manifestantes.

    O adolescente era o mais novo entre os dois filhos de Andreia de Jesus Costa, e o único que morava com a mãe. “Pedrinho era mais um jovem negro, como tantos outros, que gostava de se arrumar, usar correntes, boné, vivia sempre com a camiseta do time da comunidade, o qual era um torcedor fiel. Brincava com todo mundo, gostava de zoar”, descreve um morador.

    O sepultamento do adolescente aconteceu na manhã deste domingo (21/8), no Cemitério da Paz, em Belo Horizonte. Amigos e familiares prestaram homenagens à vítima, e disseram que vão seguir na busca por justiça.

    A Ponte questionou a Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais, comandada por Rogério Greco, sob gestão do governador Romeu Zema (Novo), mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude
    Inscrever-se
    Notifique me de
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    Ver todos os comentários

    mais lidas

    0
    Deixe seu comentáriox