x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

PM espanca mulher negra no AP e governador reconhece racismo

20/09/20 por Amauri Gonzo

Compartilhe este conteúdo:

Apesar disso, Waldez Góes (PDT) chamou agressão de ‘fato isolado’; PMs que deram rasteira e soco no rosto de mulher foram afastados das ruas, mas ganhando o mesmo salário

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra uma mulher negra sendo espancada por policiais militares em Macapá. As agressões teriam começado após a mulher tentar filmar uma abordagem a outras pessoas.

Depois que o vídeo ganhou repercussão nas redes sociais, o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), se posicionou sobre a ocorrência e reconheceu que a cena de agressões praticadas pela PM “fica ainda pior pois é recheada de racismo”.

De acordo com informações do portal G1, a vítima das agressões é uma pedagoga de 39 anos, e o caso aconteceu na noite da última sexta-feira (18), na região chamada de Loteamento São José, que fica na zona norte de Mapacá.

As imagens mostram três policiais militares abordando, inicialmente, dois homens. Um deles, que é negro, está de pé com um policial o tocando, enquanto o outro está sentando com as mãos à cabeça.  

Leia também: Vídeos mostram como a PM trata mulher branca que o ofende e agride pessoas na periferia

A mulher aparece nas imagens após um PM pedir para ele se afastar de onde os dois homens estavam sendo abordados. Em seguida, um outro policial militar vai em direção a ela, segura pelos braços, tenta dar uma rasteira e inicia as agressões. Ela foi enforcada, caiu ao chão e ainda levou um soco no rosto. Em seguida, ela foi algemada e colocada na viatura. 

De dentro de uma casa, possivelmente um familiar da mulher agredida filma a ação e começa a gritar na tentativa de intervir na violência. Uma criança também é ouvida aos fundos, chamando pela tia, que era agredida.  

A nota publicada pelo governador nas redes sociais afirma que as imagens do PM “agredindo covardemente uma cidadã envergonham as forças de segurança e o Estado do Amapá”. Góes considerou o caso como “um fato isolado e não reflete a atuação de milhares de pais e mães de família que diariamente vestem uma farda e se dedicam a proteger e servir nossa população”. 

Os policiais envolvidos no caso foram afastados e, segundo o governador, foi determinado ao Comando Geral da PM “uma apuração criteriosa e rápida dos fatos mostrados no vídeo”. Góes disse que “cenas como essa não podem ser toleradas e não podem se repetir”.

Na redes sociais, ativistas de movimentos negros convocam um ato para a próxima terça-feira (22), em frente ao Batalhão da Polícia Militar no bairro de Beirol, em Macapá. Também é usado a hashtag dizendo que não foi um caso isolado, rebatendo o posicionamento do governador.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>