PMs apontam arma para moradores de Paraisópolis (SP) que filmam ação truculenta

16/08/19 por Mariana Ferrari

Compartilhe este conteúdo:

Moradores sustentam que tropa foi ao local para prender suspeito e agiram com violência quando gravados: ‘nossa segurança faz com que não nos sintamos seguros’

“Vai senhora, sai daí”, grita um policial militar, com um fuzil apontado para o rosto de uma moradora de Paraisópolis, favela na zona sul de São Paulo. A mulher gravava a ação truculenta da Polícia Militar na comunidade, durante a manhã de quinta-feira (15/08). Logo após a ameaça, um PM joga o celular da moradora no chão, enquanto outro pega o aparelho e encerra a gravação.

Segundo relatos e vídeos obtidos pela Ponte (veja acima), os policiais entraram em Paraisópolis por volta das 11h30 da manhã. Fortemente armados, foram lá para, de acordo com os moradores, prender um suposto fugitivo. A população acompanhou a ação e se revoltou com a violência com o rapaz, que estava no chão, imobilizado por três PMs e, ainda assim, continuava com o rosto pressionado contra o asfalto. A reação gerou mais um tipo de violência policial, esta contra quem filmava e registrava o momento.

“Eles começaram a arrastar a cara do homem pelo chão, as pessoas começaram a gravar, falaram que isso não poderia ser feito e os policiais começaram a ficar revoltados. Pegaram os celulares da população, diziam que a gente não podia gravar. É algo que a população não sabe se pode fazer, mas eles também não têm o direito de fazer isso com a população”, explica Melissa Santana, de 19 anos, moradora da favela.

Segundo a desembargadora do TJ (Tribunal de Justiça de São Paulo) Ivana David Boriero, “a sociedade pode filmar o quanto quiser. Qual é a lei que diz que a sociedade não pode filmar?”, argumenta a magistrada.

Para dispersar a população e encerrar as filmagens, os PMs começaram a atirar e ameaçavam os moradores com arma em punho. A Ponte obteve vídeos gravados durante a ação, que mostram policiais atirando contra a população e intimidando quem registrava o momento. Em um deles, o PM questiona: “Filmando o que?”, enquanto, ao fundo, o suspeito tem o rosto pressionado contra o asfalto. A moradora responde: “Não pode filmar não? É proibido? Olha o que eles estão fazendo com o cara lá”.

A ação aconteceu na Avenida Hebe Camargo, próximo ao cruzamento com a Rua Rudolf Lotze, local frequentado por crianças, já que ali funciona como um ponto de embarque de peruas escolares. “Sai, cuzão”, grita outro PM, o mais agitado entre os que estão distantes do homem suspeito e atuam, em teoria, na proteção dos policiais que o mantém imobilizado.

“Minha mãe estava [próxima ao local], porque precisava levar a minha sobrinha para a escola. E ela falou que se sentiu apavorada, mesmo morando aqui e vendo algumas situações semelhantes. Escutava, mas nunca chegou a presenciar, ainda mais com a minha sobrinha. Ela teve até um pouco de receio de ficar esperando a perua. Não só ela, outros pais, porque levavam os filhos para a escola”, completa Melissa, que tem uma sobrinha de 10 anos.

Nas filmagens, outro policial aparece com a arma apontada para a pessoa que grava e diz: “Vai para trás”. A mulher continua filmando e recebe mais uma intimidação. “Vai senhora, sai daí”, grita o policial com um fuzil em punho, derrubando em seguida o celular no chão. O policial que começou a intimidação pega o aparelho e encerra o registro da cena.

Melissa disse que a abordagem truculenta era “apenas para dispersar a população, não tinha nada que necessitasse atirar nas pessoas”. “[Era] Para elas irem embora mesmo”, explica. Há 19 anos ela mora na comunidade e diz que as autoridades nunca explicam o que aconteceu. “A nossa segurança faz com que a gente não se sinta seguro”, completa.

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo, liderada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo de João Doria (PSDB), disse que “todas as circunstâncias relativas à ocorrência são apuradas por meio de Inquérito Policial Militar”. A pasta não explicou se é correta ou dentro dos padrões da segurança pública paulista a ação do policial de apontar um fuzil para a população. Nem explicaram se os PMs serão afastados ou punidos.

Enquanto PMs agiam com truculência contra suspeitos, outros policiais intimidaram moradores que registraram a cena | Foto: Reprodução/montagem

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: