Policial atira durante protesto de mulheres diante de delegacia em Paraty (RJ)

Escrivão deu dois tiros de fuzil após manifestantes colarem cartazes na porta da Delegacia de Polícia Civil de Paraty nesta segunda (10). Protesto pressionou pela criação de Observatório de Feminicídio e por investigação de casos recentes de abusos sexuais

Uma manifestação organizada por mulheres foi reprimida com dois tiros em frente à delegacia da Polícia Civil de Paraty (RJ), na região central da cidade, na tarde desta segunda-feira (10/5). O autor dos disparos é um policial civil.

Cerca de cinquenta mulheres faziam uma manifestação pacífica diante da entrada do prédio quando o escrivão saiu armado de fuzil e efetuou dois disparos direcionados ao chão. Nenhuma pessoa se feriu e as manifestantes, apesar de assustadas, continuaram no local.

Protesto em Paraty (RJ) durante a tarde desta segunda-feira (10) | Foto: Reprodução / Facebook

A manifestação começou às 14 horas, reunindo certa de 100 mulheres em frente à Câmara dos Vereadores da cidade, com o objetivo de pressionar o poder público pela criação do Observatório de Feminicídio de Paraty. O projeto, em votação naquela tarde, foi aprovado. À essa reivindicação central, uniram-se outras pautas, como o melhor atendimento para os casos de violência contra a mulher e a punição de um homem acusado de agressão e tentativa de estupro conta duas mulheres. O caso aconteceu no último dia 3 de maio na praia de Antigos, na região da comunidade do Sono, a cerca de 35 km de Paraty.

“O principal motivo é a punição do cara que tentou estuprar as meninas. Mas aqui não tem acolhimento, não tem delegacia da mulher. Para fazer corpo de delito tem que ir para o Perequê (bairro que fica a cerca de 40 km de Paraty) ou para Angra (dos Reis). A gente não pode andar na rua porque eles (os agressores) estão na rua? Não pode acampar no Sono porque eles ainda estão lá?”, questiona uma das manifestantes.

Protesto em Paraty (RJ) durante a tarde desta segunda-feira (10) | Foto: Reprodução / Facebook

Depois da pressão diante da Câmara dos Vereadores, o grupo de manifestantes seguiu em caminhada até a porta da delegacia entoando palavras de ordem. Quando algumas mulheres começaram a colar cartazes na porta de entrada, o policial saiu diante do prédio e efetuou os disparos.

“Eu já passei por uma experiência, sofri violência doméstica e a investigadora questionou por que eu estava num relacionamento abusivo”, relata uma mulher que pediu para não ser identificada, apontando o descaso no atendimento. No início de 2020, ela diz ter sido fisicamente agredida por um companheiro. A reportagem teve acesso ao boletim de ocorrência. De acordo com a vítima, o agressor nunca chegou a ser ouvido pela polícia e ela nunca teve qualquer resposta sobre o caso.

Ajude a Ponte!

Em conversa informal, policiais civis disseram que os disparos foram feitos em defesa do patrimônio público. Os policiais apontaram também o esgotamento emocional decorrente do número reduzido de servidores prestando serviço à população.

Atualização em 11/5, às 10h30 – A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro afirma que a 167ª DP (Paraty) instaurou um procedimento para apurar a conduta do policial. “O delegado titular da unidade deve se reunir com as representantes do movimento para ouvir e conversar sobre a manifestação”, respondeu em nota.

Atualização em 11/5, às 19h30 – O nome de uma testemunha foi retirado do texto para garantir a sua proteção

Comentários

Comentários

Correções

Atualização em 11/5, às 10h30 - A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro afirma que a 167ª DP (Paraty) instaurou um procedimento para apurar a conduta do policial. "O delegado titular da unidade deve se reunir com as representantes do movimento para ouvir e conversar sobre a manifestação", respondeu em nota. Atualização em 11/5, às 19h30 - O nome de uma testemunha foi retirado do texto para garantir a sua proteção

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas