Procurador do Rio publica mentiras sobre jornalistas para atacar fact-checking

Para atacar agências de checagem que combatem notícias falsas, Marcelo Rocha Monteiro publicou mentiras sobre parceria de jornalista com Facebook

Monteiro (de camisa xadrez) com vereador Fernando Holiday (DEM) e Kim Kataguiri, ambos do MBL | Foto: Facebook

O procurador Marcelo Rocha Monteiro, do Ministério Público do Rio de Janeiro, publicou mentiras sobre jornalistas para atacar agências que se dedicam a combater as notícias falsas na internet. Contrário a uma parceria firmada entre o Facebook e as agências de “fact-checking” (checagem de fatos) Lupa e Aos Fatos com o objetivo de conter a propagação de “fake news”, o procurador espalhou ele próprio notícias falsas sobre o jornalista Leonardo Sakamoto, presidente da Repórter Brasil e colunista do UOL.

Em uma das postagens mais recentes, Monteiro se refere a Leonardo Sakamoto como um “jornalista de extrema-esquerda”, “contratado pela rede social [Facebook] para fazer checagem de fatos” em meio à “tentativa de censura a liberais e conservadores”.  Ao contrário do que afirma o procurador, contudo, Sakamoto não tem qualquer relação com a parceria entre as agências e o Facebook – e, inclusive, é contrário a ideia de que corporações tenham poder de determinar o que é verdadeiro ou falso nas redes.

mentira procurador rio marcelo rocha monteiro

 

Notícias falsas compartilhadas pelo procurador colocam Sakamoto como dono da Agência Pública, que faria parte da parceria de checagem de fatos com o Facebook. De novo, as informações são mentirosas: Sakamoto não é dono da Pública, que, por sua vez, nada tem a ver com a parceria das agências de checagem com o Facebook.

Em outra postagem, o procurador volta a misturar Sakamoto e a Agência Pública, para afirmar que “a autodenominada ‘agência de checagem de fatos’, que diz ser sua missão ‘combater fake news’, informa: Não há crise humanitária na Venezuela”. O link trata de uma reportagem da Agência Pública sobre a Venezuela publicada no ano passado – e que apresentava diferentes faces da situação no país, afirmando, por exemplo, que 70% dos venezuelanos haviam perdido em média 8 quilos, mas reconhecendo que a escassez de alimentos básicos havia atingido seu auge no ano anterior.

As mentiras espalhadas por Marcelo Rocha Monteiro se unem ao esforço coletivo de diversos grupos de direita que se colocam contra a parceria firmada entre o Facebook e as agências de checagem, a qual consideram um “ataque à liberdade de expressão” e uma tentativa de “censura” instigada pela “extrema esquerda”, como afirma Renan Santos, um dos fundadores do MBL (Movimento Brasil Livre).

‘Ser jornalista sério virou profissão de risco’

Na falta de informações reais que comprovem sua tese, esses grupos passaram a publicar diversas informações falsas sobre as agências de checagem, misturando ataques pessoais aos jornalistas que fazem parte dessas empresas até mentiras que misturam outros profissionais sem qualquer relação com a parceria do Facebook.

O próprio procurador, por sinal, posta fotos em seu Facebook ao lado de membros do MBL (Movimento Brasil Livre), entre eles Kim Kataguiri, Renan Santos, o vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) e o youtuber Arthur do Val, do canal “Mamãe, falei”.

Foram justamente os integrantes do MBL que, em junho do ano passado, usaram dados falsos sobre progressão de regime de sentenciados para atacar Sakamoto. O Truco, fact-checking da Agência Pública, pediu informações ao movimento, que respondeu com a imagem de um pênis usando um capacete escrito ‘imprensa’ e os dizeres “cheque isto”.

“Essas coisas criam um clima ruim e você passa a achar que todo mundo na rua pode ser um agressor. Ser jornalista sério no Brasil hoje em dia é uma profissão de risco”, diz Sakamoto. “Não sei onde vamos parar, espero que o jornalismo sobreviva a esse momento, ruim”, segue. Ele enviou o caso ao MPF (Ministério Público Federal) e às Nações Unidas – segundo ele, por fazer parte de um grupo da ONU que atua contra o trabalho escravo, qualquer ameaça deve ser informada ao órgão. “Caso aconteça qualquer coisa comigo, já se sabe”, aponta.

As perseguições ganharam força com a publicação de um “dossiê” sem assinatura intitulado “censores”. Nele, o autor faz uma “auditoria de viés partidário” dos integrantes da Agência Lupa e do Aos Fatos,  e de jornalistas e professores que o autor anônimo acha que têm alguma relação com eles. São 299 páginas com prints das redes sociais de 36 jornalistas e quatro professores universitários. Os nomes de todas as pessoas estão expostas no documento, com a intenção de apontar “partidarismo” por parte de quem faz a checagem dos fatos.

Em defesa das notícias falsas

“Isto fez com que ataques surgissem em comentários nas redes, de ‘safada’ e ‘vagabunda’ para baixo. A exposição foi maior com dois membros da equipe antes deles fazerem parte da Lupa”, revela Cristina Tardáguila, diretora da Agência Lupa. “Estão nos acusando de não sermos transparente nos perfis, sendo que o trabalho da Lupa é que deve ser transparente, e ele é”, prossegue.

As perseguições criaram medo nos jornalistas. Por conta do relatório, há quem tenha fechado suas redes sociais para pessoas que não sejam seus amigos, outros preferiram apagar os perfis.

Tanto a Lupa quanto a Aos Fatos fazem parte da IFCN (International Fact-Checking Network), uma rede que avalia e dá aval para agências de checagem em todo o mundo. Um dos critérios para constar da lista de aptos pela IFCN é justamente o apartidarismo e independência de seus jornalistas. Para isso, auditorias são feitas periodicamente.

“Nós temos protocolos internos que orientam nossos jornalistas a não endossar projetos político-partidários nem se mobilizar em campanhas. Nosso código de ética é no sentido de não endossar plataformas políticas, mas tratá-las de maneira equânime. Sem esses parâmetros, nós sequer seríamos aprovados pela IFCN e não seríamos hoje checadores no Facebook”, pondera Tai Nalon, da Aos Fatos.

A ideia é que, através do trabalho das duas agências, o Facebook receberá relatórios de conteúdos com possível indicação de noticiário falso. Com esse documento em mãos, caberá ao Facebook determinar quais posts e publicações terão o poder de alcance e disseminação diminuídos dentro da rede.

O procurador com integrantes do MBL, entre eles o vereador Fernando Holiday, Renan dos Santos, Kim Kataguiri e o blogueiro Arthur do Val do “Mamãe, falei” | Foto: Facebook

Muitas páginas e têm bons motivos para temer uma checagem de fatos. Em março, o Facebook retirou do ar uma página e dois perfis que haviam disseminado notícias falsas sobre a vereadora assassinada Marielle Franco (Psol), acusando-a de ligação com o crime organizado. Segundo o Globo, as páginas pertenciam a Carlos Augusto de Moraes Afonso, que adotava na rede o pseudônimo de Luciano Ayan.

O nome de Ayan também aparece associado à produção de outras notícias falsas, que também difamaram o jornalista Leonardo Sakamoto. Segundo a Folha de S.Paulo, documentos sugerem que as “fake news” contra Sakamoto teriam sido financiadas pela JBS, dona das marcas Friboi e Swift, que estaria incomodadas com a atuação do jornalista contra o trabalho escravo no campo, por meio da Repórter Brasil.

Curiosamente, o próprio Sakamoto se diz contrário à possibilidade de o Facebook diminuir o alcance de posts com base na verificação feita por agências de fact-checking. “Sou contra a ideia de qualquer grupo, governo ou pessoa definir o que é verdade ou não. Tenho posição clara”, explica o jornalista. “Prefiro um sistema em que notícias falsas corram e atrapalhem a democracia do que uma democracia que o Estado ou corporações digam o que é verdade ou não. Aí não é democracia”, define.

Outro lado

A Ponte solicitou ao Ministério Público do Rio de Janeiro entrevista com o procurador Marcelo Rocha Monteiro e posicionamento do órgão sobre as publicações feitas pelo seu funcionário. Nenhuma resposta foi enviada até o momento.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A