x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Procurador da República processa agência que combate fake news por combater fake news

11/11/20 por Amauri Gonzo

Compartilhe este conteúdo:

Aílton Benedito conclamou seguidores a processar agência Aos Fatos após ser classificado como um dos maiores propagadores de informações sobre a cloroquina. “Não admitimos ameaças contra o exercício do jornalismo”, diz agência

O procurador Aílton Benedito | Foto: Divulgação / MPF

O procurador da República e ex-secretário de Direitos Humanos e Defesa Coletiva do Ministério Público Federal Aílton Benedito anunciou no Twitter na manhã desta quarta-feira (11) que está processando a agência de checagem de notícias Aos Fatos.

Benedito, notório apoiador de Jair Bolsonaro (sem partido), foi classificado pela agência como um dos principais propagadores de informações incorretas a respeito da cloroquina, remédio apontado, sem evidências científicas, como a cura para a Covid-19.

Além disso Benedito também conclamou seus seguidores a entrar com ações judiciais contra a agência. “É o que devem fazer todas as vítimas que sofrem violações a seus direitos fundamentais praticadas por autodeclaradas ‘agências de checagem de fatos'”, afirmou em seu post.

As postagens ganharam respostas imediatas de jornalistas e de organizações. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) tuitou dizendo que “todo jornalista tem o direito e o dever de checar falsidades vindas de quaisquer autoridades. Chama-se liberdade de imprensa e direito à informação”.

Procurada, a Aos Fatos informou que “segue sua missão de checar declarações e boatos nas redes, amparado nos direitos constitucionais da liberdade de imprensa e da liberdade de expressão. Conforme os melhores parâmetros éticos, damos espaço à divergência, ouvimos o outro lado, mas não admitimos ameaças contra o exercício do jornalismo. Repudiamos qualquer tentativa de cercear nossas atividades e de quaisquer jornalistas que tenham compromisso com a verdade factual”.

A Ponte pediu entrevista com o procurador via assessoria de imprensa do MPF e vai atualizar este texto quando obtiver alguma resposta.

ERRATA: Uma versão anterior desta reportagem informava que Aílton Benedito é procurador federal, e não procurador da República. O texto foi atualizado com a informação às 16h08 do dia 11/11/2020

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>