‘Quero ver a Bia Doria parir em abrigo e achar atrativo’, rebate mãe em situação de rua

08/07/20 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Em protesto de moradores de rua no centro de SP por vagas em abrigos e acesso à higiene para conter pandemia, mãe de dois filhos critica primeira-dama paulista

Eureni segura a filha durante manifestação em frente à Prefeitura de SP | Foto: Arthur Stabile/Ponte Jornalismo

Eureni Aparecida de Oliveira, 39 anos, tentava tranquilizar a filha mais velha em frente à Prefeitura de São Paulo, no centro da capital paulista, no fim da manhã desta quarta-feira (8/7). Ali acontecia um protesto da população de rua com objetivo de cobrar ações do poder público em meio à pandemia de coronavírus.

“Onde está a assistência social num momento desses? Sua função é auxiliar, não humilhar”, afirma Eureni, quando provocada sobre as falas da primeira dama paulista e presidente do Fundo Social São Paulo, Bia Doria. “Achei um absurdo”, diz Eureni. “Para quem tem condição é fácil julgar os outros. Ela abriria mão da conta bancária gorda e de uma vida de luxo para sair e trabalhar? Precisa colocar a mão na consciência antes de falar”, dispara.

No dia 3 de julho, a esposa do governador João Doria e a socialite Val Marchiori criticaram assistência social a quem vive na rua, sejam políticas públicas ou ações da sociedade civil. “Não é correto você chegar lá na rua e dar marmita, porque a pessoa tem que se conscientizar de que ela tem que sair da rua. A rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua”, declarou Bia Doria.

Mãe de duas filhas, Eureni está na rua desde o nascimento da menor, que tem um ano e está dentro do carrinho, enquanto a mais velha, corre no espaço amplo em frente ao prédio da prefeitura. Eureni conta não ter chegado ao extremo de dormir na calçada com as duas crianças.

Leia também: Covas ignora Justiça e mantém fechado último abrigo para povo de rua na Luz

“Por sorte tenho uma amiga que nos deixa dormir no apartamento dela que está à venda”, conta. Ela chegou a usar o auxílio emergencial do governo, no valor de R$ 1,2 mil, para pagar um quarto de hotel onde dorme com as duas. “Vim para a rua por desunião da família e pelo desemprego”, explica.

Segundo ela, o pai das crianças não ajuda. Nem sequer paga a pensão, em torno de R$ 700. “Disse que pagaria só com exame de DNA, mesmo sabendo que são filhas dele. É só para atrasar o lado”, desabafa a mulher, nascida no Bresser, zona leste da capital paulista.

População em situação de rua acampou em frente ao prédio | Foto: Arthur Stabile/Ponte Jornalismo

Eram cerca de dez barracas postas na frente do prédio do governo de Bruno Covas, também do PSDB. O grupo dormiu ali na frente, enfrentando ventos fortes na madrugada. A principal reivindicação é conseguir vaga em hotéis pagos pela Prefeitura. Havia uma reunião marcada às 11h com representantes do governo municipal, mas até as 16h ninguém havia os recebido.

Leia também: Refeição grátis no Bom Prato exclui morador de rua que vive em albergue

Não bastasse o perrengue, alguns caíram no que chamaram de conto de uma cama. Durante a noite, explicam ter sido abordados por funcionários da Prefeitura com a promessa de serem encaminhados a um abrigo para poderem dormir em paz. Alguns aceitaram. Ao chegarem, o lugar estava lotado.

Álvaro Rodrigues mostra o canhoto do encaminhamento: “Distribuíram vagas falsas e eu caí” | Foto: Arthur Stabile/Ponte Jornalismo

“Distribuíram encaminhamentos falsos. Eu caí. Estava com o papel e me bloquearam”, denuncia Álvaro Rodrigues, 35 anos, na rua desde a morte do avô, em 2014. “Morava com ele. Até mantive a casa quando faleceu, mas perdi o emprego e estou nessa vida”. Duas semanas antes, conta ter perdido a barraca para o rapa (ação de funcionários da Prefeitura quando recolhem as coisas da população de rua, como cobertas e itens pessoais). “Levaram documento, me deram borrachada. Agora nem em albergue eu entro. Não aceitam o boletim de ocorrência para eu entrar”, diz.

Aniversário sem comemoração

Outra amiga de Eureni, também mãe em situação de rua, chega enquanto ela conversa com a reportagem da Ponte. Maria de Fátima Vieira tem 40 anos, os últimos dois como desempregada. Passou por uma cirurgia de hérnia umbilical antes da pandemia ter início. Agora sobrevive na base de ajuda junto ao esposo e o filho de dois anos.

A mulher é dura quando questionada se ouviu a declaração da primeira dama de SP sobre as pessoas em situação de rua. “Manda a Bia Doria parir um filho em abrigo para ver se é atrativo”, rebate. “Ela fala que é ‘fácil’. Fácil nada! Ficar dependendo de doação não é nada atrativo. Quem quer ficar no relento?”, pergunta.

José Carlos Rocha vive na rua após problemas de saúde | Foto: Arthur Stabile/Ponte Jornalismo

Maria engravidou aos 37 anos. Segundo ela, o filho a salvou do vício em crack. “Saí [da vida na droga] quando engravidei. São três anos, já. Ele é meu tudo”, diz, com um sorriso no rosto. A felicidade tem motivo: na terça-feira, dia 7, o garoto completou dois anos. Ela comprou um bolo de fubá para comemorar. “É uma alegria, mas cantar parabéns não dá por causa da nossa situação, né”, reconhece.

Revolta era algo comum nas falas de quem estava em frente à Prefeitura. Não somente com a declaração de Bia Doria, mas, principalmente, com a falta de ações governamentais para os auxiliar em meio à crise do coronavírus.

Leia também: Morador de rua afirma que foi agredido por GCM e puxado para fora de abrigo da prefeitura

Sebastião Niconemes, 52 anos, é um ex-morador em situação de rua, condição de vida deixada para trás graças à ajuda do poder público. “Recebi auxílio aluguel por 30 meses. Mais 12, eu tive um quarto da prefeitura para dormir. Isso me fez ter trabalho, poder pagar aluguel e ter uma estrutura”, relembra.

Tião, como é conhecido pelos irmão de rua, considera impossível haver histórias como a sua hoje. “A pessoa sai de um abrigo e vai para outro. Depois de seis meses, um ano, jogam ela para a rua de novo. Não tem saída”, explica.

Tião deixou a rua, mas não vê condições para que outras pessoas tenham essa possibilidade | Foto: Arthur Stabile/Ponte Jornalismo

Uma dessas pessoas nesta situação é José Carlos Rocha. Aos 52 anos, está há 10 sem trabalho na área da construção civil. Depois de ter vindo do Ceará para São Paulo, pulava de uma para outra. Sem trabalho, acabou na rua. “Não tenho trabalho, não tenho auxílio. O povo tem ajudado com comida, mas é muito frio na rua”, descreve.

Analfabeto, conta ter parado nas ruas por ter começado a ouvir vozes e ver vultos. “Eu trabalhava na roça antes, vim para as obras e isso piorou”, revela. Para ele, ter um espaço para viver já seria uma grande ajuda vinda do governo, ainda que duvide que a promessa de reunião com a Prefeitura renda em algo concreto.

Construa a Ponte!

“Não sei, não. Podiam ajudar com casa. Nós votamos e ajudamos eles. Não é fácil morar na rua. A vida só vai mudar se for por Deus, se for por eles [políticos]… Não querem o bem do pobre”, resume. José Carlos agradeceu a conversa. Se despediu e deixou a frente da Prefeitura, incrédulo. Seguiu sua vida.

A Ponte questionou a Prefeitura de São Paulo sobre o protesto e a reunião com os representantes da população de rua. Ainda perguntou quais ações têm sido feitas voltadas ao povo de rua para diminuir os efeitos da pandemia. Em nota, a prefeitura confirmou reunião com os representantes. Participaram  as secretárias Berenice Maria Giannella, da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, e Claudia Carletto, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Segundo o documento, elas receberam as reivindicações e “reafirmaram o compromisso de manter o diálogo permanente”. Ainda apresentaram ações junto à população em situação de rua, como criação de 1.072 vagas para acolhimento durante a pandemia, funcionamento 24 horas em equipamentos emergenciais com comida, banheiro, kits de higiene e orientações. Citou ainda as 11 pias colocadas na região central para higienização pessoal. “Todas essas medidas contribuem para diminuir o risco de contágio”, diz a nota.

Por volta das 21h30 desta quarta-feira, uma nota dos movimentos envolvidos na luta foi divulgada na Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio. O comunicado informou que a Prefeitura se comprometeu a disponibilizar mais vagas em hotéis, para além das 100 já comprometidas, e manter os contratos de banheiros enquanto durar a pandemia.

Representantes dos Movimentos Sociais da População em Situação de Rua e organizações do Fórum da Cidade de Acompanhamento das Políticas Publicas da Cidade de São Paulo foram recebidos pelas secretárias Berenice Maria Giannella(SMADS) e Claudia Carletto (SMDHC) e da coordenadora do Comitê Pop Rua, Giulia Patitucci.

Além das medidas anunciadas, a administração também pretende implantar os camping e negociar com o governo do Estado a melhora da comida do Bom Prato e a permanência da gratuidade.

Reportagem atualizada para inclusão de nota dos movimentos de Luta Por Moradia de São Paulo e, também, posicionamento oficial da Prefeitura de SP.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: