Acusado de matar trans na zona sul de São Paulo vai responder por feminicídio

15/05/19 por Maria Teresa Cruz

Compartilhe este conteúdo:

Justiça de São Paulo aceitou denúncia do Ministério Público contra Jonatas Araujo dos Santos por ter matado a pauladas Larissa Rodrigues; promotor destacou que a vítima foi morta ‘por menosprezo à condição de mulher’

A vítima Larissa Rodrigues e o autor do feminicídio Jonatas Araújo dos Santos | Foto: reprodução

A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia contra Jonatas Araújo dos Santos, 25 anos, por ter matado a pauladas Larissa Rodrigues, 21, em 4 de maio, na Alameda dos Tacaúnas com Avenida Indianópolis, zona sul da capital paulista. O Ministério Público tratou o crime como feminicídio (previsto no inciso II do parágrafo 2-A do artigo 121 do Código Penal), além de destacar outros agravantes do homicídio, como meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima, que na visão da acusação, foi alvo de emboscada.

O juiz Luis Felipe Vizotto Gomes aceitou integralmente a denúncia do MP e manteve Jonatas preso preventivamente. A defesa dele havia pedido a revogação da prisão.

“O crime foi cometido por razões da condição de sexo feminino, pois envolveu menosprezo e discriminação à condição de mulher da vítima. É que, embora do sexo biológico masculino, ela havia adotado identidade de gênero feminina. Consta que ela era conhecida e tratada socialmente como mulher, por seus familiares, amigos e pessoas com quem convivia”, escreveu o promotor Romeu Galiano Zanelli Junior.

Para ele, Jonatas agiu com premeditação, já que discutiu em um primeiro momento com Larissa e a amiga que estava com ela, dizendo que havia sido roubado. Na sequência, estacionou o seu carro em uma rua próxima, retornou a pé ao local e, se aproveitando da pouca iluminação pública na rua, chegou golpeando a vítima com o pedaço de madeira de cerca de um metro. “Ele lançou mão de recurso que dificultou qualquer reação de defesa por parte da ofendida, pois a atacou de surpresa, em circunstâncias em que ela não poderia esperar que seria agredida da forma como foi”, diz outro trecho da denúncia.

A Ponte procurou a defesa de Jonatas Araújo da Silva. Ao telefone, o advogado Manoel João da Costa afirmou que vai ainda “examinar com mais cuidado todo o teor da denúncia” e então se pronunciar à Justiça.

Sobre o crime

Por volta das 22h do dia 4 de maio, um sábado, a trans Larissa Rodrigues foi golpeada várias vezes e morreu na esquina da Alameda dos Tacaúnas com a Avenida Indianópolis, no Planalto Paulista, zona sul de São Paulo. O agressor, Jonatas Araújo dos Santos, se apresentou na delegacia da região, o 27º DP, dois dias depois do crime.

Um grupo de trans fez um pequeno protesto na delegacia no dia em que o agressor se apresentou. “Nós viemos por justiça. Se ele sai, vai continuar matando. Ele é tão esperto que esperou 24h para se entregar e sair do flagrante”, disse Bruna, 24 anos, à reportagem.

Natural de Fortaleza, Larissa era garota de programa neste mesmo local onde foi assassinada. Uma amiga de infância dela contou à Ponte que a família de Larissa é muito pobre e que ela mandava semanalmente dinheiro para a mãe. “Uma menina muito calma, que gostava de ajudar sua família e as pessoas a seu redor. Super do bem. Sempre pensando no próximo. As redes sociais dela estão lotadas de homenagem, isso mostra como era querida”, disse Sorela Souza, 25 anos.

 

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: