onload="initDesktopAutoplay;”

    Amelinha Teles: ‘Meu medo é Bolsonaro atuar como ditador’

    Torturada pelo coronel Ustra, que a mostrou urinada e espancada aos filhos, a militante diz viver na perplexidade aos 74 anos com a eleição de um presidente militar apoiador da tortura

    Perseguição política, medo de sair às ruas, tortura. Esses são os temores de Amelinha Telles, de 74 anos, com a eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL). A militante foi presa e torturada na ditadura militar junto ao marido, Cezar Augusto Teles, no Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna), em 1972.

    O torturador, conforme a Justiça brasileira definiu o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, levou os dois filhos de Amelinha para vê-la espancada, vomitada e urinada. Em plena democracia e após sete décadas de vida, ela se diz na perplexidade. Nunca imaginou temer a volta daquele momento. E fala da possibilidade de a tortura retornar como política de Estado.

    Amelinha teme a terceira ditadura em sua vida, após Getúlio Vargas e o governo militar | Foto: Márcio Schimming

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas