Ativista que denunciava PMs é executado no interior da Bahia

Pedro Henrique Santos, criador da ‘Caminhada pela Paz’, que tinha como objetivo combater crimes praticados por policiais, foi executado dentro de casa em Tucano, 252 km distante da capital Salvador

Pedro foi agredido em abordagem e decidiu atuar contra violações policiais | Foto: Arquivo pessoal

O ativista Pedro Henrique Santos Cruz Souza, 31 anos, denunciava a violência policial na Bahia desde 2012, quando foi vítima de agressão em uma abordagem. A partir de então, passou a receber e encaminhar denúncias de outros crimes cometidos por policiais. Esta era sua missão de vida até a morte. “Enquanto eu estiver vivo estarei me defendendo e falando pelos que não tem voz”, dizia.

Na madrugada do dia 27 de dezembro, ao menos três homens estavam no encalço de Pedro em Tucano, distante 252 km de Salvador. Invadiram a casa de seu pai, localizada no bairro Matadouro, mas não encontraram o ativista. Sob ameaça, os atiradores obrigaram um vizinho a dizer onde ele estava. O trio, então, arrombou a porta da residência às 4h e atirou à queima roupa. Pedro morreu na hora.

O ativista era visto como um problema para policiais de Tucano, conforme apontam seus familiares. Depois da abordagem sofrida em 2012, os PMs envolvidos no caso foram punidos, ao mesmo tempo em que o jovem criou a “Caminhada pela Paz”. A intenção era fazer com que as ilegalidades cometidas por agentes do Estado não fossem jogadas para debaixo do tapete. Repetiu a caminhada por seis anos seguidos em Tucano.

“A polícia chamava a caminhada de manifestação contra a PM. O Pedro sabia que poderia acontecer isso [ser assassinado], mas estava determinado. Nos últimos dias, eu o via muito apreensivo. O ano novo ele passaria em Tucano com o pai, estava com medo de ficar lá e queria vir logo para Salvador. Estava amedrontado”, conta Ana Maria Cruz, 53 anos, mãe do ativista, que é professora.

Ana conta que Pedro estava tentando convencer a mãe de uma pessoa que teve a casa invadida pela PM a viajar até Salvador para denunciar a violação. Esta era a última denúncia que o jovem faria, mas acabou interrompido por outra invasão, esta que terminou com seu assassinato. “Ele estava acostumado com abordagem violenta e xingamentos dos PMs. As pessoas iam até o Pedro para fazer denúncias”, explica Ana.

Dona Ana relembra a prisão de Pedro, em outubro do ano passado. No dia 26 daquele mês, a versão de policiais é de que encontraram uma plantação de maconha em um terreno baldio e Pedro seria o dono. O jovem explicou em um jornal local que, na verdade, PMs e GCMs forçaram entrar em sua casa e consideraram as plantas com finalidade de consumo próprio um elemento para flagrante de tráfico de drogas.

“Eles invadiram e levaram meu filho preso, mas o juiz decretou nulidade da prisão, por ele ser usuário e não traficante”, lembra a mãe. Pedro ficou cerca de 42 horas preso, conforme relatou ao A Voz do Campo. “Agradeço a Deus por estar vivo e poder vir aqui, neste espaço pra me defender, infelizmente muitos não podem fazer isso por estarem mortos. Enquanto eu estiver vivo estarei me defendendo e falando pelos que não tem voz. Obrigado pela oportunidade”, escreveu o ativista, na oportunidade.

A morte de Pedro afetou a família. Ana mora em Salvador, capital da Bahia, enquanto seu companheiro mora em Tucano. Nos próximos dias, ela irá para a cidade interiorana. “Eu só consigo chorar, acordo e durmo chorando. Meu filho achava que iria acontecer algo alguma hora e ele dizia para mim que, quando acontecesse, não era para chorar, não poderia desistir e fazer exatamente o que ele faria”, relembra Ana, com voz embargada.

Sua ida para Tucano é para fazer o que o filho faria: organizar a 7ª edição da Caminhada pela Paz na cidade. “Vou continuar o trabalho dele. A 7ª Caminhada será em 21 de abril, terei tempo para organizar. Eu sempre apoiei o Pedro no que precisava. Agora, vou me afastar do trabalho para ficar com meu marido e fazer a caminhada”, diz, determinada.

“Meu filho era uma pessoa idealista, queria consertar o mundo. Não tinha conflito com a família, era muito parecido com o pai, um rapaz tranquilo. O sonho do Pedro era fazer o que ele fazia. Ele queria ver os PMs errados na cadeia. O agreste tem muitos grupos de extermínio”, continua Ana.

A Ponte procurou a SSP (Secretaria da Segurança Pública) da Bahia, chefiada pelo secretário Maurício Teles Barbosa e subordinada ao governador Rui Costa (PT), e pediu esclarecimentos sobre a morte de Pedro Henrique Santos Cruz Souza. Não recebemos uma resposta até a publicação desta reportagem. Já a assessoria de imprensa da PM-BA (Polícia Militar da Bahia) ignorou as perguntas feitas e solicitou que a reportagem buscasse a Polícia Civil, também vinculada à SSP.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A