Ataques a tiros matam menina de 17 anos e outras 4 pessoas na Grande SP

Chacina em Guarulhos deixou três mortos, enquanto dois ataques em Carapicuíba mataram dois e feriram três; primeira chacina no ano havia matado quatro

Renata Batista dos Anjos morreu em Carapicuíba | Foto: reprodução/Facebook

Ataques a tiros em duas cidades da Grande São Paulo na madrugada desta sexta-feira (12/1) mataram cinco pessoas. Guarulhos, a nordeste da capital, registrou três mortos em um ataque. Já em Carapicuíba, a noroeste, duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas em duas ações.

Em Carapicuíba, Aerton Barreto dos Santos, 38 anos, morreu baleado no bairro Roseira Parque. Outras quatro pessoas foram alvo de tiros em um bar da Rua Severino Salgado de Vasconcelos. Renata Batista dos Anjos, 17 anos, morreu na hora, e outras três pessoas sobreviveram: entre elas, uma garota de 12 anos.

Segundo o boletim de ocorrência registrado no 1º DP de Carapicuíba, por volta das 22h40 de quinta (11/1), homens utilizando um veículo preto da marca Hyundai (HB20 ou I30) promoveram o ataque na região. O documento afirma que, no local do crime, funcionaria um ponto de venda de drogas.

“O alvo dos disparos, provavelmente era a vítima Renata, que foi a óbito no local, aparentemente com três projéteis, enquanto as demais vítimas foram lesionadas com um projétil cada”, aponta o B.O.

O primeiro ataque em Carapicuíba, que vitimou Aerton Barreto dos Santos, ocorreu seis minutos após os disparos que mataram Renata Batista dos Anjos.

Rua Severino Salgado de Vasconcelos, onde três foram baleados em Carapicuíba | Foto: Google Street View

Outras três pessoas morreram em Guarulhos. Robson Barbosa de Andrade, de 34 anos, Max Bruno Carvalho, 30, e Alexandre Sales Correia, 34, conhecido como Seu Madruga, foram baleados na Rua Pernambuco por volta das 23h30 no bairro Ponte Alta I, próximo à Estrada Albino Martello, na periferia da cidade.

“A princípio, foi dito por populares que um carro ou moto teria parado no local e um ou mais atiradores teriam cometido o crime. Nos corpos haviam diversas perfurações. Não havia cápsulas, mas foi localizado pela perícia projéteis”, descreve o boletim de ocorrência, registrado no 7º DP.

A Polícia Civil ainda não tem detalhes dos autores do crime. A Secretaria da Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou apenas que “o Setor de Homicídios da cidade realiza diligências para identificar a autoria do crime”.

Sobre os dois casos em Carapicuíba, a pasta apontou às 12h54 desta sexta-feira (12/1) que o SHPP (Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa) da Seccional do município investigará o caso. “Até o momento, não é possível afirmar que os dois casos possuem relação. Foi realizada perícia no local e uma das vítimas foi ouvida. As investigações prosseguem para localizar os autores dos disparos”, segue.

Primeira chacina

Esta é a segunda chacina ocorrida em São Paulo neste ano. No dia 7 de janeiro, quatro pessoas morreram e duas ficaram feridas em ataques na Vila Miriam, zona norte da capital paulista. Bryan Dantas de Carvalho, de 16 anos, Matheus da Silva Rocha e Luís Vagner Gonçalves de Oliveira, ambos de 18, morreram na Rua Duarte Moreira. A um quilômetro dali, na Rua Brasilina Vieira Simões, Willian Tomas Oliveira Leite foi morto.

Cápsulas de calibre .40, de uso exclusivo das polícias, fazem parte das provas coletadas pela perícia feita nos locais. O MP-SP designou a promotora Renata Cristina de Oliveira para acompanhar as investigações da 3ª Delegacia de Homicídios Múltiplos do DHPP (Departamento Estadual de Homicídio e Proteção à Pessoa), comandada pelo delegado Antônio Carlos Cândido Araújo.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar