x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Começa hoje julgamento de quarto PM acusado pela maior chacina de SP

27/02/18 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Victor Cristilder responderá em júri popular por possível participação em série de ataques em Osasco, na Grande SP; em 2017, condenação de três envolvidos superou 600 anos

Victor Cristilder é quarto acusado de participar dos crimes | Foto: reprodução/TV Globo

Começa daqui a pouco, a partir das 10h desta terça-feira (27/2), o julgamento do policial militar Victor Cristilder Silva dos Santos, quarto acusado de participar da maior chacina de São Paulo, em Osasco, ocorrida em agosto de 2015. Na ocasião, 19 pessoas morreram nos ataques e, no ano passado, três envolvidos foram condenados a mais de 600 anos de prisão.

Em 22 de setembro de 2017, os policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain e o guarda civil municipal Sérgio Manhanhã foram considerados culpados pelos crimes. Fabrício pegou 255 anos, 7 meses e 10 dias; Thiago, 247 anos, 7 meses e 10 dias; Sergio, 100 anos e 10 meses. Todos cumprem as penas em regime fechado.

O processo de Cristilder acabou desmembrado por falta de documentos na fase final do processo. Na época da condenação do trio, o promotor Marcelo Oliveira explicou que a decisão anterior não necessariamente determina a sentença do PM, mas que conversas feitas com um dos condenados complicam o réu.

“A condenação anterior, principalmente a do Sérgio Manhanhã, o coloca em uma situação desfavorável, porque os jurados, ao reconhecerem que aquela troca de mensagens consubstanciava o ‘ok’ para o início e o êxito da chacina, teriam, forçosamente, de reconhecer o mesmo em relação ao interlocutor, Christilder”, pondera Oliveira sobre uma das provas usadas para condenar Manhanhã.

Fabrício Eleutério, Thiago Henklain e Sérgio Manhanhã eram acusados de ter envolvimento em 17 dos 23 assassinatos ocorridos entre os dias 8 e 13 daquele mês na cidade e em Barueri, também na Grande São Paulo.

Foram mortos em Osasco Rodrigo Lima da Silva, Joseval Amaral Silva, Deivison Lopes Ferreira, Eduardo Bernardino Cesar, Antônio Neves Neto, Letícia Hildebrand da Silva, Adalberto Brito da Costa, Thiago Marcos Damas, Presley Santos Gonçalves, Igor Oliveira, Manuel dos Santos, Fernando Luiz de Paula, Eduardo Oliveira Santos, Wilker Thiago Corrêa Osório, Leandro Pereira Assunção, Rafael Nunes de Oliveira, Jailton Vieira da Silva, Tiago Teixeira de Souza e Jonas dos Santos Soares.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>