Réus da chacina de Osasco são condenados a penas de 100 a 255 anos de prisão

Juíza Elia Bullman chorou na hora de ler a sentença dos PMs Fabrício Eleutério e Thiago Henklain e o GCM Sérgio Manhanhã, depois de decisão do juri formado por quatro homens e três mulheres

Zilda Maria Paula, mãe de Abuse, vítima da chacina, protesta ao lado da advogada Dina Alves

Depois de cinco dias, juri popular condena os policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain e o guarda civil municipal Sérgio Manhanhã pela maior chacina de São Paulo, ocorrida em agosto de 2015. Fabrício pegou 255 anos, 7 meses e 10 dias; Thiago, 247 anos, 7 meses e 10 dias; Sergio, 100 anos e 10 meses. Todos cumprirão as penas em regime fechado. 

O trio era acusado de ter envolvimento em 17 dos 23 assassinatos ocorridos entre os dias 8 e 13 daquele mês. A juíza Elia Bullman se voltou aos jurados antes de ler a sentença. “A missão dos senhores foi muito bem cumprida, podem ter certeza disso. Nós trabalhamos com a dor, dor da perda. Perda de uma vida igual a minha”, disse a juíza sob forte emoção.

Com uma bíblia nas mãos, Eleutério entrou no plenário chorando copiosamente. Ao lado, Manhanhã e Henklain não demonstraram qualquer reação. “Cabeça erguida, Fabrício, vamos reverter isso aí”, afirmou seu advogado, Nilton Nunes. A defesa já disse que vai recorrer.

“Recebemos com tristeza, já recorremos em plenário. Houve um voto só de diferença, infelizmente contra os policiais. O recurso está apresentado”, afirmou Evandro Capano, advogado de Thiago Henklain.

Para o promotor Marcelo Oliveira, a justiça foi feita. “O Ministério Público cumpriu seu papel de defender a vida humana e os direitos humanos. Era o que a família e a sociedade esperava”, disse.

Para o promotor, os jurados analisaram com muita profundidade o conjunto do processo. “Espero que os maus policiais, que são a minoria, comecem a refletir o resultado e entender que não se tolera mais justiça com as próprias mãos”, declarou Marcelo Oliveira.

O ex-secretário da segurança pública de São Paulo e atual ministro do STF, Alexandre de Moraes, chegou a se manifestar em sua conta no Twitter: “Parabéns Dr. Youssef, dra Sato e toda Polícia Civil. O tribunal do Júri reconheceu o competente trabalho de investigação da Chacina de Osasco”.

Ainda há outro PM acusado de participar da chacina. Victor Cristilder dos Santos será julgado separadamente porque recorreu da decisão que levou os outros três réus ao tribunal do júri. Não há data definida para seu julgamento.

Maior chacina da história de São Paulo

No dia 13 de agosto de 2013, uma série de ataques em Osasco deixaram 19 mortos na cidade. Sorveterias, bares e bombonieres foram alvos de tiros, disparados por homens encapuzados em carros.

Foram mortos Rodrigo Lima da Silva, Joseval Amaral Silva, Deivison Lopes Ferreira, Eduardo Bernardino Cesar, Antônio Neves Neto, Letícia Hildebrand da Silva, Adalberto Brito da Costa, Thiago Marcos Damas, Presley Santos Gonçalves, Igor Oliveira, Manuel dos Santos, Fernando Luiz de Paula, Eduardo Oliveira Santos, Wilker Thiago Corrêa Osório, Leandro Pereira Assunção, Rafael Nunes de Oliveira, Jailton Vieira da Silva, Tiago Teixeira de Souza e Jonas dos Santos Soares.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A