Festival Fala! leva debate sobre jornalismo plural e inclusivo a Salvador

Evento estreia na capital baiana em sua primeira edição presencial depois de dois anos de programação online

Participantes da terceira edição do festival Fala! | Imagem: Reprodução / Marco Zero Conteúdo

Depois duas de edições online, por conta da pandemia de Covid-19, o Festival Fala! volta a ter uma edição presencial em 2022.Com o objetivo de criar um espaço de debate sobre o papel dos meios de comunicação e como eles podem servir de apoio para uma sociedade mais democrática, diversa, e romper os padrões do jornalismo tradicional, o evento será realizado entre os dias 25 e 27 em Salvador (BA).

As oficinas, debates e apresentações culturais do Fala! abordarão temas relacionados ao papel dos meios de comunicação na democracia, direitos humanos, movimentos sociais, cultura, combate ao silenciamento, jornalismo posicionado e novas formas de ver o mundo. Diretor de projetos especiais e fundador da Ponte Jornalismo, Antonio Junião, que participa da organização do festival, enfatiza que o Brasil é um país muito diverso e por isso a comunicação deve ser discutida de forma mais ampla.

“Cada estado tem suas culturas e suas linguagens. O jornalismo enquanto ferramenta que se propõe a criar diálogo, várias vozes precisam ser escutadas. Não dá para ser mais, como sempre foi nos meios de comunicação tradicionais, que só algumas vozes tinham o privilégio de decidir o que era de interesse público”, explica Junião.

Entre os destaques da programação estão o escritor Marcelino Freire, a apresentadora da Globo News Aline Midlej e a jornalista Fabiana Moraes, que darão oficinas durante o evento. Participam das mesas de debates nomes como Valéria Lima, do Instituto Mídia Étnica e do Portal Correio Nagô, Rosane Borges, doutora em ciência da comunicação pela ECA-USP e e Célia Tupinambá, líder indígena, professora, intelectual e artista da aldeia Serra do Padeiro.

O festival também dará espaço para intervenções artísticas. Se apresentam no palco do Teatro Castro Alves, local onde ocorrerá o evento, as musicistas Amanda Costa, Iane Gonzaga e Áurea SemMiséria, o poeta Rilton Júnior e o Slam das Minas, os bailarinos Diego Mamba Negra e Mano Sabota, além da apresentação do conjunto Pradarrum, que trabalha a preservação e valorização da musicalidade dos terreiros de candomblé.

Em sua terceira edição, pela primeira vez o o Fala! deixa a capital paulista e a escolha por Salvador tem a ver com a grande diversidade existente na cidade e pela pluralidade que ela representa.

“Estaremos presencialmente em um campo muito mais diverso. Embora São Paulo tenha suas qualidades e identidades, estabelecer esse debate em outro estado deixa os temas mais plurais. Território é uma coisa que importa. Mudamos de local para somar, esperando que as trocas sejam fluidas e interessantes”, explica Junião.

O Fala! é um festival independente realizado por Alma Preta (SP), Marco Zero Conteúdo (PE), 1 Papo Reto (SP) e Ponte Jornalismo (SP) – grupos profissionais que fazem comunicação e jornalismo a partir de experiências populares, comunitárias, profundamente conectadas à defesa dos direitos humanos, ao combate às discriminações e desigualdades, à defesa do direito ao território e ao meio ambiente saudável e inclusivo.

FALA! – Festival de Comunicação, Culturas e Jornalismo e Causas 

Paineis e intervenções artísticas:
Local: Teatro Gregório de Mattos 
Endereço: Praça Castro Alves, s/n – Centro, Salvador – BA, 40020-160 Transmissão ao vivo pelo canal do
YouTube do Festival Fala! 
Data: 25 a 27 de agosto / Necessário a apresentação da caderneta de vacinação contra a Covid-19
Inscrições gratuitas pelo Sympla

Oficinas:
ocal: Espaço Cultural Boca de Brasa
Endereço: Praça Castro Alves, s/n – Centro, Salvador – BA, 40020-160 
Data: 26 a 27 de agosto Horário: 13h30 às 14h30 / Sujeito a lotação 
Inscrições gratuitas pelo Sympla

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude
Inscrever-se
Notifique me de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

mais lidas

0
Deixe seu comentáriox