‘Homens têm que aprender a falar sobre relacionamento’, alerta MC Tó

Negredo lança música sobre dificuldades no amor e passa visão sobre importância do diálogo

“O amor sempre foi positivo. Conheço pai, mãe, pessoas que nunca receberam um abraço, um beijo. Muitos têm vergonha de falar que ama o outro. Hoje, você fala para um parceiro: ‘Te amo, você é da hora’. Dizer isso é um gesto bonito. Antigamente, os caras te tiravam. Falar de amor dentro do rap, ainda hoje, tem barreiras, porque tem pessoas que a mente ainda não abriu. Dentro do movimento mesmo. Temos que furar essa bolha.” 

A reflexão acima é de MC Tó, que acaba de lançar, dentro do histórico grupo da rap Negredo, a música “Quer Falar de Amor”. A letra retrata dificuldades que costumam ocorrer no dia a dia de um casal. “A música passa a visão de conflito, mas é um alerta aos casais que precisam dialogar, ser solidário um ao outro. É importante prestar atenção no lar”, diz o rappero. Além disso, como pano de fundo, está uma motivação para que os homens, principalmente os de quebrada, comecem a expressar seus sentimentos.

MC Tó, do Negredo, no clipe de “Quer Falar de Amor”: “é um alerta aos casais que precisam dialogar, ser solidário um ao outro” | Foto: Acervo Negredo

“Retrata uma pressão que muitos homens passam, mas não desabafam. Através da música, muitos amigos se identificaram. Muitas mulheres também. É uma voz a mais para você desabafar, falar, não ficar se prendendo às coisas, porque as coisas acontecem. Se o cara fica acumulando tudo, fica doente, cai numa depressão, vai pro bar, o que não é legal”, afirma MC Tó. “O homem tá passando por pressão, mas não fala. Tem arrogância, ego”, complementa.

De acordo com o rappero, muitos do movimento hip-hop que tentaram falar sobre amor sofreram “repressão”: “A geração mais antiga foi quebrando esse tabu. Hoje, já está mais aberto. A geração de hoje também se expressa melhor.”

Para se inspirar na letra, MC Tó conta que a escreveu após escutar depoimentos de amigos relatando problemas dentro de casa. “Coisas que muitas vezes o homem quer falar, mas tem vergonha, fica com medo do pessoal criticar, também não quer falar mal da esposa, então acaba guardando pra si, segurando aquela pressão, não tem com quem desabafar”, relata. 

Além disso, ele cita que é importante a expressão dos sentimentos, dentro e fora do lar, porque “as vezes o seu máximo é o mínimo de alguém”, que é o que está no refrão: “Quer falar de amor, mas você não ama. Falta com a verdade, cê não me engana. Cobra lealdade, não é leal, aparências enganam, o julgamento é real.”

O Negredo

Do Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, o grupo de rap Negredo se formou em 1996, sendo formado por MC Tó, Ylsão e Dj Ale. Literalmente, a palavra Negredo significa linhagem de um espaço cultural. 

Ajude a Ponte!

O Negredo inaugurou, em meados do ano 2000, o Instituto Periferia Ativa, dentro da favela Godoy, no Capão. Lá, são tradicionais festas de rap. Em parceria com o Estúdio 1 da Sul, desenvolve o projeto Ensaiaço, que tem como finalidade o desenvolvimento de ensaios comunitários.

Linha do tempo do Negredo:

2005 – Álbum Mundo real
2010 – Álbum A Cúpula Negredo
2014 – Álbum Bang africano, com participações de Gaspar, Lino Krizz, Mano Brown, Rapa da Godoy, entre outros
2016 – Álbum Cash game, com participações de Maurício Dts, Big da Godoy, Devastou, Lino Krizz e Jr Rdg
2017 – Lançamento de coleção de roupas e acessórios; e ano em que Ylsão estreiou como ator no musical Do Capão pro Mundo.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas