Investigação, mais que repressão, é a resposta para crimes como o de Guarapuava (PR), dizem especialistas

Grupo de assaltantes não conseguiu roubar empresa de transporte de valores no domingo (17) e fugiu, mas região foi aterrorizada com veículos incendiados e policiais feridos; “é preciso investir em inteligência”, afirma Gabriel Feltran da UFScar

Pessoas foram feitas reféns e obrigadas a formar cordão humano; caminhão foi incendiado em frente à base do 16º Batalhão da PM de Guarapuava | Fotos: reproduções/redes sociais

Cordão humano com reféns, veículos incendiados em vias públicas, inclusive um caminhão na frente de um batalhão da PM, armas de grosso calibre e carros abandonados por assaltantes durante a fuga, muitos tiros, moradores assustados e três vítimas feridas (dois policiais militares e um policial civil). Ninguém foi preso. Esse foi o saldo da ação de um grupo de criminosos em Guarapuava, no Paraná, no domingo (17/4). O governo do estado estima que tenham participado cerca de 30 suspeitos na tentativa de roubar a sede da Proforte, empresa de transporte de valores do Grupo Protege. Para pesquisadores ouvidos pela Ponte, apesar de o roubo não ter acontecido e de mortes não terem ocorrido, apontar que a atuação das forças de segurança foi exitosa é equivocado, e é preciso investir em investigação para que essas cenas não se repitam.

“Se chegou a ter uma explosão de caminhão, já foi ruim e, se ainda por cima quiser fazer guerra com as pessoas armadas de fuzil, vai sobrar para todo mundo. O que é preciso fazer é evitar que essas coisas aconteçam com investigação e inteligência”, aponta o professor de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) Gabriel Feltran. “São quadrilhas extremamente especializadas e que precisam de muita gente para produzir uma ação como essa. Então, com trabalho de inteligência, de investigação, não é difícil captar e capturar antes o planejamento dessas ações e desbaratá-las sem que seja preciso confronto ostensivo. Não se trata de ação na hora, ostensiva”, explica.

Durante coletiva de imprensa na segunda-feira (19/4), o secretário de Segurança Pública coronel Rômulo Marinho Soares apontou que a PM já tinha um plano de fechar as estradas da cidade para que o grupo migrasse para a zona rural, localidade que desconheceriam, já que a sede da empresa é situada em uma área residencial. “A situação já é de normalidade porque a operação logrou êxito. Os meliantes fugiram sem concluir o assalto graças à pronta resposta da nossa polícia”, declarou.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar do Paraná coronel Hudson Leôncio Teixeira, a polícia manteve contato com cidades que passaram por situações similares de assaltos pela tática de “domínio de cidades”, como Criciúma (SC) e Araçatuba (SP), e que se adiantaram a realizar “rondas frequentes” ao invés de permanecerem nos batalhões que poderiam vir a ser alvo das ações para “desviar o foco” do roubo. “Levamos o confronto para o perímetro rural para garantir a segurança da sociedade, obrigando-os a fugir sem sacramentar o assalto”, afirmou. Depois, ele cita que, provavelmente, os suspeitos teriam veículos estacionados na zona rural para fugir e abandonaram os que estavam ocupando no meio do caminho.

Foi durante esse confronto, segundo o coronel, que os policiais se feriram: em um deles, o celular impediu um ferimento mais grave por estar no bolso do PM quando foi atingido. Em outro caso, a filha do PM identificado como Ricieri Chagas pediu orações via redes sociais porque ele teria ido para a UTI ao ser baleado. A Secretaria de Segurança Pública informou que os dois foram internados, mas seguem fora de perigo.

Em nenhum momento é apontado algum tipo de trabalho da Polícia Civil, mas da PM, que não tem prerrogativa de investigação. Em novembro do ano passado, um roubo a duas agências bancárias com intenção parecida foi “frustrado” pela inteligência da PM na cidade de Três Barras do Paraná – os cinco suspeitos morreram, segundo a polícia, em confronto.

Armas de grosso calibre, como fuzis, foram abandonados pelo grupo de assaltantes durante a fuga | Foto: Polícia Militar do Paraná

O professor e pesquisador do Centro de Estudos em Segurança Pública e Direitos Humanos da Universidade Federal do Paraná (CESPDH-UFPR) Aknaton Toczek Souza destaca que a “hipermilitarização” das forças de segurança, com o histórico sucateamento das polícias civis, propicia não apenas a priorização de uma ação ostensiva mas também um clima de medo na população. “Não vejo [a ação] como exitosa porque você pode até esperar fazer uma emboscada, mas, em certa medida, só atua quando esses criminosos estão com os fuzis, estão com as armas em rua armados, constrangendo as pessoas e colocando a população em risco”, analisa. E, quando ocorrem mortes, “esse tipo de ação acaba com uma fonte importante de informação de um sujeito que faz parte da quadrilha”.

Além disso, diferentemente dos outros casos que vêm ocorrendo desde 2020, o alvo não foi uma agência bancária, mas uma empresa de transporte de valores. A antropóloga, pesquisadora e coordenadora científica do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará (LEV-UFC) Jânia Perla Diógenes Aquino, que estuda ações de domínios de cidades, apelidadas de forma imprópria de “novo cangaço”, avalia que o caso de Varginha (MG), em que 26 pessoas foram mortas pelas polícias Militar e Rodoviária Federal de Minas Gerais, em novembro do ano passado, sob suspeita de planejarem um assalto a banco, “acendeu um alerta de que todas essas cidades de médio porte que têm essas agências seriam os alvos”.

A solução, a seu ver, foi mudar de estratégia. “Esse ataque de empresa de guarda-valores indica um retorno ao que se tem feito desde os anos 2000, quando esses assaltos de guarda-valores se tornaram recorrentes”, pontua. Apesar de agências bancárias regionais não disporem da mesma estrutura de grandes capitais, Jânia Aquino aponta que os sucessivos ataques fizeram com que os governos se atentassem às práticas. “Essa dinâmica de ataques a agências estratégicas que têm verdadeiras fortalezas fortificadas no subsolo estava em andamento, mas se mostrou muito arriscado, e tem se voltado a um alvo que já vinha sido nas últimas décadas e que costumam render quantias superiores a R$ 1 milhão”.

Ela explica que é uma situação similar desde a redemocratização, quando os bancos eram o foco de interesse das quadrilhas, mas, pelo investimento em segurança e redução, num primeiro momento, de valores alocados nesses espaços, os carros-fortes passaram a ser mais visados, e que as quadrilhas vão se adaptando tanto com os dispositivos de segurança e modalidades de roubo, como o surgimento de “quadrilhas do Pix”, quanto com a atuação do poder público para enfrentá-las. “Nos primeiros anos de fundação do PCC, a partir dos anos 1990, primeiro em São Paulo e depois se torna recorrente em todo o país, tivemos um considerável avanço no padrão de assaltos contra empresas de guarda-valores, também chamadas de bases de carros-fortes, porque exatamente fazem pagamentos para muitas empresas e bancos”, argumenta.

“Assaltos a bancos foram minoria naquela época, dos anos 1990 e 2000, que foram o caso do Banespa e do Banco Central aqui em Fortaleza (CE), que tiveram quantias milionárias, você começou a ter uso de cartões, portas com detectores de metal e tudo isso dificultava a ação. A maior parte dos assaltos com quantias acimas de R$ 10 milhões eram contra empresas de guarda-valores. Por exemplo, assaltantes que se vestiam de integrantes da Polícia Federal para entrar porque sabiam o dia que faziam fiscalização na empresa”.

Porém, não é correto atribuir unicamente ao Primeiro Comando da Capital, a maior facção brasileira, a autoria desses ataques, da mesma forma que não é possível excluir totalmente a participação dele até pela capilaridade que tem no país, avaliam os especialistas. Primeiramente porque o Brasil tem mais de 50 grupos criminais, que podem fazer e desfazer alianças entre si, e, em segundo lugar, a dinâmica de atuação é bem mais complexa do que parece. Autor de Irmãos: uma história do PCC, Gabriel Feltran relembra que na fundação da facção paulista e nas principais facções existem modelos “concorrentes” de crime e, assim como Jânia Aquino também destaca, o interesse vem de cada projeto de assalto e o que cada integrante tem de expertise para oferecer para que o roubo dê certo.

Grupo de assaltantes abandonou veículos durante fuga em zona rural de Guarapuava, segundo a PM. Ao menos sete veículos teriam sido usados em tentativa de roubo | Foto: Polícia Militar do Paraná

“Um exemplo muito claro era o estilo Geleião e Cezinha [dois dos fundadores], que faziam atentado na Bolsa de Valores, explodindo e tacando fogo em ônibus, rebeliões, afrontando o Estado violentamente; e o outro estilo, de um grupo mais igualitarista, mais sociedade secreta, mais Marcola, que acaba ganhando, apostava no silêncio e de reproduzir crimes muito ‘cerebrais’ que não permitissem reação imediata nem tão ostensiva da polícia”, lembra Feltran. “Esses grandes assaltos, muito violentos, é evidente que estão de um lado da afronta mais armada, espetacularizada, ao Estado de ver o sistema aos seus pés, enquanto o que foi mais bem sucedido no estado de São Paulo foi esse outro caminho, mais silencioso, mais ‘cerebral'”.

O professor Aknaton Toczek Souza, da UFPR, também identifica que a dimensão sobre os grupos criminais no Brasil e a forma de atuação ainda não são completamente conhecidas. “A gente pode cair num senso comum de usar um nome, uma figura, para reduzir todas as facções e todas as possibilidades de facções criminosas”, pontua. “É possível imaginar que ela tenha algum tipo de relação com atribuições específicas, como logística, eventualmente alguns membros, eventualmente empréstimos de armas, práticas do universo criminoso”.

Ajude a Ponte!

Os três são unânimes em apontar que, após o surgimento do PCC, os assaltos foram se sofisticando cada vez mais. “Não há dúvida que as redes criminais das facções em geral, estabelecidas no universo prisional e na sociabilidade dos ladrões, foram se sofisticando e que permitam que ações desse tipo aconteçam, muito alimentadas pela guerra que a segurança pública produz hoje e não o que deveria ser efetivamente, que é a evidência de que não estamos produzindo segurança pública nos últimos 30 anos, a gente está produzindo insegurança. As ações têm se sofisticado no crime, as pessoas sentem mais medo, são mais violentas, nós estamos produzindo guerra e guerra não produz sensação de segurança pra ninguém”, avalia Feltran.

O que diz o governo

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná informou que desde a madrugada de segunda-feira (18) está “coordenando os trabalhos, atuando por meio das suas forças policiais e intensificou a integração com órgãos federais para ampliar a efetividade das ações e dar uma resposta à sociedade”. A operação contém 200 policiais participando, incluindo de batalhões especializados, como Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), “fazendo buscas e abordagens”. Segundo a pasta, “aeronaves do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) estão sobrevoando toda a área e auxiliando as buscas que acontecem por terra”. 

Já a Polícia Civil “está na região com o efetivo local e com apoio do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), atuando em conjunto com as outras forças. Em paralelo ao trabalho nas ruas, foi instaurada uma investigação para desvendar o crime e identificar suspeitos. A Polícia Civil enviou ainda papiloscopistas para fazer identificações necessárias”. A assessoria informou que até ontem “foram apreendidos oito automóveis e nove armas de fogo (fuzis, armas calibre .50 e uma pistola), quatro capacetes balísticos, dois coletes balísticos, cinco toucas balaclavas, além de diversos outros objetos utilizados pelos marginais”. E que a PM está em contato com a corporação de Santa Catarina, que enfrentou ataques semelhantes no ano passado.

O que diz a Protege

A assessoria informou que a base operacional em Guarapuava (PR) não teve nenhum bem levado e que os assaltantes não acessaram o cofre. Informou que vai colaborar com as autoridades e que “nos últimos anos, robustos investimentos e aplicação de novas tecnologias ampliaram ainda mais os rígidos padrões de segurança adotados pela empresa o que, certamente, contribuiu para o insucesso da ação criminosa”.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude
Inscrever-se
Notifique me de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

mais lidas

0
Deixe seu comentáriox