Justiça condena quarto réu pela maior chacina da história de São Paulo

O policial militar Victor Cristilder, negro e pobre como muitas das vítimas da chacina, que deixou 23 mortes na região de Osasco em 2015, recebeu pena de 119 anos

O policial militar Victor Cristilder durante o julgamento | Foto: Arthur Stabile/Ponte

Victor Cristilder dos Santos, 33 anos, é um jovem negro nascido na periferia que, na infância, costumava recolher latinhas ou guardar carros em troca de algumas moedas e ia com a mãe pegar peixe podre na feira para comer. O primeiro emprego digno que conseguiu foi o de policial militar. Nesta sexta-feira (2/3), Cristilder foi condenado a 119 anos, 4 meses e 4 dias de prisão, em regime fechado, por sua participação na maior chacina da história de São Paulo, que deixou 23 mortes nas cidades de Osasco, Carapicuíba, Barueri e Itapevi, em 13 de agosto de 2015.

Boa parte das vítimas eram negras e periféricas como ele.

O imaginário em torno das “vagabundos”, gente que mereceria ser exterminada numa chacina, e das “pessoas de bem”, que a polícia não deveria matar, dominou o julgamento que chegou ao fim nesta sexta, no Fórum de Osasco, após quatro dias. Em seu depoimento, ontem, Cristilder fez questão de ressaltar: “Quando entrei na PM, jurei que daria a minha vida para proteger as pessoas, eu nunca mataria um cidadão de bem”.

No dia anterior, o advogado do PM, João Carlos Campanini, havia perguntado ao pai de Letícia Vieira Hillebrand da Silva, morta aos 15 anos por uma bala perdida disparada durante a chacina, se a adolescente era uma “pessoa de bem” e se já “havia namorado alguém envolvido com o crime”. O pai, Gilberto Gonçalves da Silva, respondeu enfaticamente: “Não”. Na sua fala final, hoje, o advogado voltou à mesma linha dizendo: “Vagabundos mataram pais de família, há uma inversão de valores. O MP a a Defensoria defendem vagabundos e querem prender um pai de família inocente”.

O mesmo imaginário orientou parte das ações dos autores da chacina, naquele 13 de agosto. Em alguns momentos, os matadores mascarados perguntaram às suas vítimas “quem tem passagem?” e atiraram nos que admitiram já ter sido presos.

Por 4 votos, a 3, os jurados decidiram que Cristilder era culpado por 12 homicídios consumados e quatro tentativas. O PM foi o quarto réu julgado pela chacina. Em um outro julgamento, concluído em 22 de setembro do ano passado, os jurados haviam condenado os policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain e o guarda civil municipal Sérgio Manhanhã a penas de 255, 247 e 100 anos de prisão.

Joinhas no Whatsapp

O processo de Cristilder acabou desmembrado por falta de documentos na fase final do processo. Somente da semana passada, o advogado que o defende incluiu oito mil páginas no processo, de acordo com a promotoria.

O julgamento de Cristilder teve início na terça-feira (27/2) e durou até esta sexta. Ele era acusado de participar de quatro locais de ataques na chacina. Segundo o promotor Marcelo Alexandre de Oliveira, do Ministério Público Estadual, Cristilder combinou os ataques com Fabrício Eleutério e Thiago Heinklain e conseguiu que o GCM (Guarda Civil Metropolitano) Sérgio Manhanhã enviasse para outros locais viaturas deveriam rondavam a região no momento dos ataques.

Cristilder (à direita) ao lado do advogado de defesa João Carlos Campanini | Foto: Arthur Stabile/Ponte

Uma das provas apresentadas pelos policiais civis do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) foi uma troca de emoticons de joinha no Whatsapp, entre Cristilder e Manhanhã, que havia sido apagada do celular do guarda, mas que os policiais conseguiram recuperar graças a um programa de recuperação de dados. Outra prova importante foi o depoimento de uma testemunha protegida, de codinome Beta. 

A defesa argumentou que outro homem, parecido com Victor e igualmente PM, seria o assassino, conhecido como Boy. O advogado João Carlos Campanini afirma que a troca de mensagens entre Cristilder e Manhanhã no Whatsapp se referiam à entrega de um livro de direito administrativo, que o policial estava lendo para o concurso de sargento da PM que pretendia prestar.

Os responsáveis pelas investigações em Osasco, no DHPP e na Corregedoria da PM, foram os primeiros ouvidos, seguidos dos dois sobreviventes. Familiares das vítimas e testemunhas de defesa seguiram na quarta-feira. Na quinta, depuseram um perito contratado pela defesa e o próprio Cristilder.

Dia decisivo

O quarto dia apresentou o debate, onde as partes sustentavam suas teses, antes da sentença. Foram duas falas do promotor Oliveira e duas do defensor Campanini, incluindo réplica e tréplica. Trocas de acusações e clima tenso dominaram os trabalhos. 

Em sua fala, o advogado de defesa revelou aos jurados o nome da testemunha protegida, apelidada de Beta, como integrante de uma quadrilha de roubo de carga. Segundo o promotor, tratava-se de um homônimo.

O policial militar Cristilder durante o julgamento | Foto: Arthur Stabile/Ponte

Na segunda fala, o promotor apontou que um dos bares alvos da chacina seria frequentado pelos assassinos de um GCM morto no dia anterior ao crime. “Foi um verdadeiro ato terrorista”, cravou. Argumentou aos jurados que, caso absolvessem Cristilder, a condenação dos dois PMs e do GCM, ocorrida no ano passado, estaria em xeque.

Na volta, o advogado disse que o responsável pelas mortes seria o PCC (Primeiro Comando da Capital), com o objetivo de retirar a clientela dos bares, e chamou de “um ato político” a prisão de Cristilder. “O [governador] Geraldo Alckmin quer ser presidente, o Alexandre de Moraes era secretário da segurança e virou ministro do STF. Como subiriam se não resolvessem a maior chacina da história de SP?”, disse.

Preso há dois anos quatro meses, Cristilder permanecerá recluso no presídio Militar Romão Gomes, em São Paulo.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar