Justiça determina liberdade provisória de jovem baleado nas costas por PMs

22/08/17 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Acusado de ter roubado moto, Jonathan de Araújo Souza, 18 anos, será libertado nesta quarta (23)

Jonathan recebeu um tiro pelas costas, que danificou e causou a retirada de parte do rim e do intestino | Foto: arquivo pessoal

A Justiça de São Paulo determinou a liberdade provisória de Jonathan de Araújo Souza, de 18 anos. O jovem estava preso no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Guarulhos (Grande SP), acusado de roubo de moto. Ele será libertado hoje.

A decisão é do juiz José Roberto Cabral Longaretti, da 13ª Vara Criminal da Barra Funda. O alvará de soltura já foi encaminhado para a unidade II do CDP, onde o vendedor ficou preso por aproximadamente um mês. Anteriormente, Jonathan permaneceu dois dias no 98º DP e cinco no 101º DP após ficar oito dias internado no Hospital da Pedreira.

“Diante daquilo que consta dos autos e considerando também a manifestação favorável do Ministério Público, bem como que a instrução oral já foi concluída, concedo ao acusado liberdade provisória condicionada a não se ausentar da Comarca por mais de dez dias sem prévia comunicação ao Juízo, bem como não mudar de endereço também sem prévia comunicação”, determinou Longaretti.

Anteriormente, o TJ havia negado habeas corpus por entender que “ante a existência de suficientes indícios de autoria e materialidade delitivas, extraídos daquilo que se apurou na fase inquisitiva”. Assim, determinou a audiência, na qual definiu a liberdade provisória.

Em relatório enviado para o juiz, o Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana) apontava “indícios” para a inocência de Jonathan, bem como afirmava que ele poderia “ter sido vítima de abusos, ilegalidades e até de crimes cometidos por policiais militares no exercício de suas funções”.

Moto vermelha, de Jonathan, tem marca de tiro na fuselagem. Segundo policiais, moto roubada era branca | Foto: arquivo pessoal

O caso

A prisão aconteceu no dia 9 de julho na Cidade Ademar, zona sul de São Paulo. Dois PMs perseguiam um suspeito de moto em fuga, que, de acordo com a versão dos policiais, seria Jonathan. Ainda segundo os policiais, o jovem teria disparado contra eles após cair. A versão da defesa aponta para falha dos PMs, que teriam confundido o vendedor, que estava em sua moto de cor vermelha, com o suspeito quando acontecia a perseguição e acabou baleado pelas costas.

Ferido, ele pediu socorro para amigos e ficou internado no hospital Pedreira, onde passou por cirurgia e teve retirados parte do rim e intestino devido as lesões do ferimento da bala.

Os PMs Carlos Henrique Fogaça Mattos, de 29 anos, e Roberto Santos de Almeida, 44, envolvidos na ação, foram afastados do serviço nas ruas, atuando em questões administrativas da corporação. Mattos foi quem identificou o jovem no hospital através de uma fotografia.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>